Cerca de 110 países no mundo já estão em desenvolvimento de CBDCs, segundo FMI

LinkedIn

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, disse que mais da metade de todos os bancos centrais do mundo estão estudando como lançar moedas digitais.

Falando em uma conferência virtual organizada pela Bocconi University em 5 de outubro, Georgieva disse que o FMI estava olhando para as moedas digitais de banco centrais, ou CBDCs, e moedas digitais como um todo, pela perspectiva da estabilidade macroeconômica. Ela disse que a tecnologia deu às pessoas a oportunidade de fazer transferências “perfeitas e menos custosas” e chamou os CBDCs de a forma mais confiável de moeda digital, visto que tinham “o apoio do estado” e geralmente obedeciam às regulamentações.

“Fizemos uma pesquisa sobre nossos membros e foi muito impressionante: 110 países estão em algum estágio de análise dos CBDCs”, disse a diretora-gerente.

Georgieva acrescentou que as stablecoins “preenchem a lacuna digital em dinheiro emitido de forma privada”, mas rotulou Bitcoin (BTC) e outras criptomoedas como ativos ao invés de dinheiro. Ela destacou a volatilidade dos preços como uma das principais preocupações para este último e disse que a confiança do público, bem como as estruturas legais e regulatórias estabelecidas, seriam necessárias para que os CBDCs decolassem.

Atualmente, as Bahamas são a única nação com uma moeda digital apoiada pelo Estado – o Sand Dollar, que o Banco Central das Bahamas lançou em outubro de 2020. O Banco Popular da China tem conduzido seu próprio CBDC em diferentes províncias, e completou testes além das fronteiras em colaboração com o banco central de Hong Kong. No entanto, a maior economia do mundo, os Estados Unidos, ainda parece ambivalente sobre o assunto.

Um relatório recente do FMI pediu aos mercados emergentes e às economias em desenvolvimento que “considerassem os benefícios da emissão de moedas digitais de banco central” em um esforço para garantir a estabilidade financeira. A declaração corrobora a afirmação que o fundo fez em abril de que iria “intensificar” projetos de monitoramento na criptosfera, incluindo CBDCs, stablecoins e moedas digitais, para ver como o FMI pode ser capaz de “acompanhar os desafios políticos” em torno da tecnologia.

Por Turner Wright

Deixe um comentário