PayPal (PYPL, PYPL34) diz que não quer comprar o Pinterest no momento e ações sobem 6%

LinkedIn

PayPal (NASDAQ:PYPL) disse no domingo (25) que não está interessado em comprar a plataforma de mídia social Pinterest (NYSE:PINS).

O PayPal e o Pinterest também são negociados na B3 através do tickers (BOV:PYPL34) e (BOV:P2IN34).

Respondendo ao que chamou de “rumores de mercado”, a empresa de tecnologia financeira disse em uma atualização em seu site que “não está buscando uma aquisição do Pinterest neste momento”.

As ações do PayPal subiram mais de 6% nas negociações pré-mercado na bolsa de valores Nasdaq na segunda-feira, enquanto as ações do Pinterest caíram mais de 12%.

Na B3, o PayPal está com um preço de abertura de R$ 69,65, e o Pinterest está com um preço de abertura de R$ 55,43 na segunda-feira.

Segundo a Bloomberg, o PayPal estava em um estágio final de negociações para comprar a empresa de mídia social Pinterest na quarta-feira.

As ações do Pinterest dispararam na última quarta-feira, depois de lançada a matéria. As ações da empresa pararam duas vezes, antes de fechar com alta de 12%. O PayPal, por sua vez, fechou em queda de quase 5%.

O PayPal havia discutido a aquisição da empresa por um preço potencial de cerca de US$ 70 por ação, o que avaliaria o Pinterest em cerca de US$ 39 bilhões, de acordo com a Bloomberg.

O Pinterest, que permite aos usuários criar e compartilhar painéis de imagens, se tornou público em abril de 2019, onde foi avaliado em pouco mais de US$ 10 bilhões. Sua capitalização de mercado hoje gira em torno de US$ 37 bilhões.

Social commerce

O PayPal foi pressionado a considerar a compra do Pinterest após pressão competitiva da plataforma de e-commerce Shopify. O Shopify investiu pesadamente na combinação de e-commerce e fintech.

O PayPal se beneficiou amplamente do boom de compras online desde o início da pandemia do  coronavírus. No ano passado, ela se opôs às crescentes empresas do tipo compre agora, pague depois, com sua oferta “Pay in 4” (Pague em 4). Uma possível aquisição do Pinterest poderia empurrar a empresa para o comércio social, um espaço em crescimento no qual outros gigantes da tecnologia já estão trabalhando.

O Facebook, por exemplo, tem pressionado fortemente para tornar o Instagram comprável. No verão passado, ela começou a testar uma guia “Loja” em sua tela inicial. Ele também permite que os usuários comprem por meio de postagens regulares do Instagram, Live, Stories e seu feed Explore, e testou as compras  em seu recurso de vídeo curto, Reels.

O comércio social permite que as empresas rastreiem cliques e compras em seus respectivos aplicativos, para que possam provar a eficácia aos anunciantes.

Deixe um comentário