Alibaba (BABA, BABA34) está reorganizando negócios de comércio eletrônico para impulsionar o crescimento

LinkedIn

De acordo com um relatório publicado pela Reuters, o Alibaba Group Holding Ltd. (NYSE:BABA) está planejando reorganizar seus negócios domésticos e internacionais de comércio eletrônico para impulsionar o crescimento em meio a uma repressão regulatória, desaceleração da economia e aumento da concorrência. As ações da gigante da tecnologia ganharam 10,4% na segunda-feira, fechando a US$ 123,60.

O Alibaba também é negociado na B3 através do ticker (BOV:BABA34).

A empresa oferece serviços de vendas de consumidor a consumidor, empresa a consumidor e empresa a empresa. Também oferece serviços de pagamento eletrônico, motores de busca de compras e serviços de computação em nuvem.

Planos de Reorganização

A Alibaba planeja dividir seu negócio de comércio eletrônico em duas unidades – comércio digital na China e comércio digital internacional.

Liderada por Jiang Fan, que era responsável pelos mercados de varejo da China, a unidade internacional incluirá Alibaba.com, AliExpress e Lazada, empresa de comércio eletrônico do sudeste da Ásia.

Além disso, Trudy Dai liderará a unidade de comércio digital da China, que incluirá Taobao e Tmall. Anteriormente, Dai supervisionava várias plataformas da empresa chinesa.

A reorganização está de acordo com o objetivo do Alibaba de se concentrar na globalização, junto com os gastos do consumidor doméstico e a computação em nuvem.

Comentários do analista

Comentando sobre os planos da empresa, Danny Law, analista de Guotai Junan com sede em Hong Kong, disse: “A globalização ajuda o Alibaba a obter novo volume de tráfego externamente e a buscar um novo potencial de crescimento enquanto a China aumenta a supervisão”.

Além disso, Xiaoyan Wang, analista do 86research.com, disse: “A nova estrutura para comércio eletrônico doméstico coloca a Dai no comando de todos os mercados de varejo da China, incluindo Taocaicai – seu serviço de comércio eletrônico comunitário, Taobao Deals e Lingshoutong, uma plataforma de gerenciamento de varejo para lojas familiares”.

“Isso poderia desbloquear mais sinergias por meio de vendas cruzadas e integração da cadeia de suprimentos”, acrescentou Wang.

No mês passado, o analista Piyush Mubayi do Goldman Sachs ( GS ) reiterou uma classificação de compra para as ações, mas reduziu o preço-alvo de US$ 252 para US$ 215 (potencial de alta de 74%).

O analista disse: “O Alibaba tem aumentado seus investimentos em estratégias defensivas-ofensivas em meio à desaceleração dos gastos de varejo e à competição crescente para adquirir novos usuários, construir múltiplas fontes de tráfego e, em curto prazo, aumentar os subsídios aos comerciantes para reter os comerciantes”.

Mubayi espera que o crescimento da receita da empresa diminua 13% no terceiro trimestre do ano fiscal de 2022 e 16% no quarto trimestre. Ele também espera que o Alibaba revise sua carteira de investimentos e continue com as recompras de ações.

No geral, a ação tem uma classificação de consenso de compra forte (strong buy) com base em 21 Buys e 2 Holds. O preço-alvo médio do Alibaba Group Holding de US$ 212,48 implica em cerca de 72% de potencial de alta. As ações perderam 53,2% em 12 meses.

Fontes: CNBC, WSJ, FX empire, FX Street, Reuters, The Street, TipRanks

Deixe um comentário