JPMorgan é multado em US$ 125 milhões pela SEC por permitir mensagens de negócios via WhatsApp

LinkedIn

O JPMorgan Chase (NYSE:JPM) está pagando uma multa de US$ 125 milhões para liquidar as acusações da Securities and Exchange Commission de sua divisão de Wall Street permitir que os funcionários usassem o WhatsApp e outras plataformas para contornar as leis federais de manutenção de registros.

O JPMorgan Chase também é negociado na B3 através do ticker (BOV:JPMC34).

A SEC disse sexta-feira (17) em um comunicado que o JPMorgan Securities admitiu ter “generalizado” falhas na manutenção de registros nos últimos anos. Os funcionários do banco usaram smartphones pessoais e contas de e-mail, bem como serviços de mensagens, incluindo o WhatsApp da Meta Platforms, para conduzir questões de negócios de títulos de pelo menos janeiro de 2018 até novembro de 2020, disse o regulador.

Funcionários da SEC que falaram com repórteres na noite de quinta-feira disseram que o fracasso do JPMorgan em preservar essas conversas off-line violou a lei federal de valores mobiliários e deixou o regulador cego às trocas entre o banco e seus clientes.

A lei federal exige que as empresas financeiras mantenham registros meticulosos de mensagens eletrônicas entre corretores e clientes para que os reguladores possam ter certeza de que essas empresas não estão contornando as leis antifraude ou antitruste.

Os reguladores em Nova York e Londres aumentaram a aplicação das regras de manutenção de registros nos últimos anos, à medida que os corretores migraram para plataformas de mensagens criptografadas, incluindo WhatsApp, Signal ou Telegram.

Embora as conversas telefônicas e mensagens em dispositivos oficiais da empresa e plataformas de software sejam preservadas, é muito mais difícil para os departamentos de conformidade do banco vigiar as comunicações em aplicativos de terceiros. O método ganhou popularidade depois que dois dos maiores escândalos comerciais do setor na última década (envolvendo a manipulação da Libor e dos mercados de câmbio estrangeiro) giraram em torno de mensagens incriminatórias preservadas em salas de chat, resultando em multas de bilhões de dólares para os bancos.

Os corretores do JPMorgan, Morgan Stanley, Deutsche Bank e outras empresas foram demitidos por infrações vinculadas à prática. Mas a ordem da SEC revelou o quão abrangente é.

No JPMorgan, a prática de ficar offline para se comunicar era válida para toda a empresa, e até mesmo os gerentes e funcionários seniores responsáveis ​​pela conformidade usavam seus dispositivos pessoais para comunicar assuntos de negócios delicados, disse a SEC.

A investigação no JPMorgan está em andamento e a SEC lançou investigações semelhantes em empresas de todo o universo financeiro. O JPMorgan ordenou que seus corretores, banqueiros e consultores financeiros preservassem as mensagens relacionadas ao trabalho em dispositivos pessoais no início deste ano, informou a Bloomberg em junho.

As autoridades se recusaram a oferecer detalhes sobre a situação atual do exame do JPMorgan ou de outros bancos.

“À medida que a tecnologia muda, é ainda mais importante que os registrantes garantam que suas comunicações sejam devidamente registradas e não conduzidas fora dos canais oficiais para evitar a supervisão do mercado”, disse o presidente da SEC, Gary Gensler, em um comunicado à imprensa.

Ao enfatizar a importância da manutenção de registros diligentes, Gensler lembrou o escândalo cambial de 2013, quando os comerciantes de vários bancos importantes usaram salas de bate-papo privadas com nomes como “O Cartel” para conspirar para fixar as taxas de câmbio para maximizar os lucros.

Cinco dos maiores bancos do mundo, incluindo o JPMorgan, finalmente concordaram em pagar mais de US $ 5 bilhões em penalidades combinadas e se declarar culpado para resolver a investigação.

“As obrigações de livros e registros ajudam a SEC a conduzir seus exames importantes e trabalho de fiscalização”, acrescentou Gensler. “Eles constroem confiança em nosso sistema”.

Embora funcionários da SEC afirmem que a multa de US$ 125 milhões é a maior multa de manutenção de registros até hoje, a maior ameaça ao JPMorgan pode ser a reputação. Ao perseguir o JPMorgan, a maior empresa de Wall Street do mundo em receita total, a SEC coloca um alerto ao setor.

O anúncio marca uma semana importante para Gensler, que na quarta-feira divulgou uma série de propostas destinadas a garantir fundos do mercado monetário e limitar a capacidade dos executivos de negociar o patrimônio de suas próprias empresas.

Tomadas em conjunto, as propostas e ações de fiscalização sugerem que o nomeado de Biden está correndo para redigir e promulgar uma das agendas políticas mais ambiciosas em décadas.

Muitos investidores o veem como o líder que a SEC precisa para desenvolver regulamentação abrangente de criptomoeda, salvaguardas em torno de empresas de aquisição de propósito especial (ou seja, SPACs), divulgações climáticas padronizadas para empresas públicas e regras que regem o marketing de corretagem online e a “gamificação” da negociação de títulos.

A ação de fiscalização também é um marco importante para o diretor de fiscalização da SEC, Gurbir Grewal, que há meses advertiu que uma fiscalização mais dura estava no horizonte.

Restaurar a confiança do público em Wall Street exigirá “aplicação robusta de leis e regras relativas às divulgações exigidas, uso indevido de informações não públicas, violação de obrigações de manutenção de registros e ofuscação de evidências da SEC ou de outras agências governamentais”, disse ele em outubro.

Além de seu foco na contabilidade de Wall Street, Grewal também está trabalhando em maneiras de a SEC prevenir a ocorrência de má conduta, o que ele chama de medidas “profiláticas”.

Especificamente, Grewal disse que planeja ser agressivo ao exigir que empresas culpadas – o JPMorgan, neste caso – confessem suas infrações publicamente.

“Os requisitos de manutenção de registros são essenciais para os programas de fiscalização e exame da Comissão e quando as empresas não os cumprem, como o JPMorgan fez, eles prejudicam diretamente nossa capacidade de proteger os investidores e preservar a integridade do mercado”, disse Grewal em um comunicado na sexta-feira.

Deixe um comentário