A pegada de CO2 da mineração de Bitcoin está abaixo de 0,08% do total global, segundo o CoinShares

LinkedIn

A rede de mineração Bitcoin (COIN:BTCUSD) contribuiu com menos de 0,08% para as emissões totais de dióxido de carbono (CO2) do mundo, de acordo com a empresa de investimentos em ativos digitais CoinSharesDados obtidos pela empresa sugerem que a mineração de BTC é responsável por uma parcela marginal das emissões globais de CO2, principalmente quando comparada com a variedade de serviços facilitados pelo uso da criptomoeda.

A rede de mineração Bitcoin produziu cerca de 36 milhões de toneladas de CO2 em 2020 e 41 milhões de toneladas no ano passado. O estudo afirma que, devido à mitigação de chamas, uma estimativa de 2,1 milhões de toneladas de equivalentes de CO2 poderia ser removida do mercado, elevando as emissões líquidas totais da mineração BTC para o nível de cerca de 39 milhões de toneladas por ano.

No entanto, mesmo neste momento, a rede de mineração BTC gera uma parcela insignificante do total de emissões, que equivale a menos de 0,08% do total, de acordo com a CoinShares.

“Como referência, países com grandes bases industriais, como Estados Unidos e China, emitiram 5.830 Mt e 11.580 Mt CO2e em 2016, respectivamente”, disse o relatório.

Além disso, a pegada de carbono da mineração de BTC dificilmente pode igualar a de várias indústrias tradicionais que são responsáveis ​​por emissões de CO2 significativamente mais altas, como demonstrado pelos números da CoinShares.

“As estimativas das emissões causadas pela cunhagem e impressão de moedas fiduciárias chegam a cerca de 8 Mt por ano e estima-se que a indústria do ouro gere entre 100 e 145 Mt de emissões de CO2 anualmente”, segundo o estudo.

Com um consumo anual de energia de 89 TWh, a mineração BTC usa cerca de 0,05% da energia total consumida em todo o mundo, disse a CoinShares.

O mix de geração de eletricidade da rede estava mais equilibrado do que nunca no tempo “desde que alguém tentou quantificá-lo”. A empresa estimou que, em dezembro de 2021, as contribuições relativas de carvão, gás, hidrelétrica, nuclear e eólica eram de 35%, 24%, 21%, 11% e 4%, respectivamente. A geração restante de 5% é uma mistura de pequenas quantidades de petróleo, energia solar e outras renováveis, principalmente geotérmicas.

Na década de 2040 – portanto, em apenas 20 anos – mais de 99% de todos os BTC terão sido cunhados, disse o relatório, e quando a cunhagem estiver concluída, a grande maioria da necessidade de energia resultará diretamente da demanda do mercado para liquidação de transações de BTC por meio de taxas de transação oferecidas pelos usuários aos mineradores.

Dado que “o Bitcoin será 100% renovável assim que nossa geração de eletricidade for 100% renovável”, o foco deve estar na construção de geração de energia renovável, em vez de “sufocar” o desenvolvimento da tecnologia monetária.

Os custos de emissão do Bitcoin – quando analisados ​​a longo prazo e no contexto adequado – são “diminuídos por seus benefícios”, argumenta a empresa, afirmando:

“Com 0,08% das emissões globais de CO2, remover toda a rede de mineração da demanda global – e assim privar centenas de milhões de pessoas de sua única esperança de uma forma de dinheiro justa e acessível – não seria nada mais do que um erro de arredondamento”.

O relatório argumenta que o Bitcoin fornece uma rede monetária global, gratuita, resistente à censura e protegida contra a degradação para o mundo inteiro, que também preserva os direitos humanos.

“Dentro desse contexto, acreditamos que a pequena adição às emissões globais vale absolutamente o custo e, claramente, o mesmo vale para as várias centenas de milhões de usuários globais de Bitcoin que compartilham voluntariamente os custos de energia da rede de mineração, enquanto renunciam ao consumo alternativo”. disse CoinShares.

As descobertas do estudo estão de acordo com uma declaração recente do CEO da MicroStrategy, Michael Saylor, que argumentou que o uso total de energia para a mineração de BTC era “inconsequente”. Falando em um briefing trimestral do Bitcoin Mining Council (BMC), Saylor disse que a quantidade de energia que o Bitcoin está usando não passa de “um erro de arredondamento” em outras grandes indústrias e é “insignificante” quando comparada ao total do uso da energia mundial.

De acordo com dados compilados pelo BMC no mês passado, a mineração global de BTC consome 3,2% da energia do sistema elétrico desperdiçada ou perdida nos EUA no espaço de um ano. A organização também afirma que o uso de energia de mineração BTC é de 0,142% quando comparado à energia total do mundo, enquanto cerca de 59% dos mineradores globais de BTC agora usam energia sustentável.

As informações são do CryptoNews.

Deixe um comentário