BlackRock lança novo ETF focado em blockchain e tecnologia

LinkedIn

Com US$ 10 trilhões em ativos sob gestão, a Blackrock (NYSE:BLK) anunciou oficialmente o lançamento de um novo ETF chamado fundo negociado em bolsa iShares, que dará aos clientes acesso aos mercados de criptomoedas sem ter um investimento real em Bitcoin ou Ethereum.

A BlackRock é uma empresa americana de gestão de investimentos que trabalha além-fronteiras, conhecida como a maior gestora de ativos do mundo. O principal motivo do movimento recente é se concentrar em criptomoedas, empresas de tecnologia e tecnologia blockchain. A BlackRock pretende atrair entidades corporativas ricas para fazer negócios no espaço criptográfico sem investimento direto em ativos de risco como Ethereum ou Bitcoin.

A Blackrock também é negociada na B3 através do ticker (BOV:BLAK34).

Motivos para a BlackRock para lançar novo ETF

A BlackRock solicitou à Securities and Exchange Commission (SEC) o Tech ETF (IBLC) em janeiro último e busca acompanhar os resultados dos investimentos de um índice composto por empresas americanas e não americanas envolvidas no desenvolvimento, inovação e utilização de tecnologias blockchain e criptográficas.

A Coinbase, a exchange de criptomoedas líder e de boa reputação do mundo, é uma participação proeminente da IBLC, com 11,45%. A Marathon Digital Holdings, uma empresa de mineração de Bitcoin, é a próxima parceira do ETF, com sua participação de 11,19%. Por fim, a IBLC tem uma participação de 10,41% na Riot e ações do Paypal, a empresa conhecida por seu serviço de pagamentos, que lançou instalações de criptomoedas em 2020.

A empresa, em sua página iShares, divulgou,

A tecnologia Blockchain está permitindo independência e controle de dados pessoais, permitindo a inclusão financeira de bilhões de consumidores não bancarizados

Um estudo detalhado destacando a demanda e a necessidade de um “ecossistema digital descentralizado” após o bloqueio milenar do mundo também estava presente, juntamente com fundos.

O recente desenvolvimento do fundo iniciado no momento em que o espaço criptográfico está se integrando ao sistema financeiro convencional em ritmo acelerado. Por exemplo, a Fidelity já havia declarado há uma semana que os clientes poderiam adicionar Bitcoin à sua conta de aposentadoria 401(K).

A BlackRock destacou que investiu no mercado de criptomoedas tarde demais e declarou levantar fundos em dinheiro para o USDC, que estava valendo US$ 50 bilhões e posicionado como central para o ecossistema de criptomoedas e Defi.

Com informações de Bitcoinist

Deixe um comentário