O ex-CEO da BitMEX deve ser sentenciado em um tribunal federal em Nova York na sexta-feira

LinkedIn

O ex-CEO da BitMEX, Arthur Hayes, deve ser sentenciado em um tribunal federal em Nova York na sexta-feira (20), depois de se declarar culpado em fevereiro de acusações de que ele falhou deliberadamente em implementar um programa de combate à lavagem de dinheiro (AML) na bolsa.

Os promotores dizem que a falta de requisitos de conhecimento do cliente (KYC) na BitMEX permitiu que a empresa prosperasse como um foco de atividades criminosas, incluindo lavagem de dinheiro e evasão de sanções.

Hayes e seus cofundadores da BitMEX, Samuel Reed e Ben Delo, bem como o primeiro funcionário da empresa, Gregory Dwyer, foram inicialmente acusados ​​em outubro de 2020 por uma acusação de violação da Lei de Sigilo Bancário (BSA) e outra de conspiração.

Os quatro homens, assim como a BitMEX e outras entidades corporativas, também enfrentaram ações civis da Commodity Futures Trading Commission (CFTC) e da Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN) que resultaram em multas pecuniárias. A BitMEX foi condenada a pagar US$ 100 milhões aos reguladores; Hayes, Reed e Delo tiveram que desembolsar mais de US$ 10 milhões cada.

As acusações criminais têm uma sentença máxima de cinco anos cada, mas o acordo de Hayes com os promotores reduziu as diretrizes de condenação para entre seis e 12 meses. Ele será sentenciado no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Sul, no centro de Manhattan.

Hayes, cidadão americano e residente de longa data em Cingapura, se rendeu às autoridades americanas no Havaí em abril passado, em um acordo negociado entre seus advogados e promotores federais. Ele foi libertado com uma fiança de US$ 10 milhões garantida por US$ 1 milhão em dinheiro e co-assinada por sua mãe.

Dois lados da história

Em um memorando de sentença de 65 páginas apresentado ao tribunal em 4 de maio, os advogados de Hayes pediram clemência ao juiz: liberdade condicional, sem prisão ou prisão domiciliar. Eles também solicitaram que Hayes mantivesse sua liberdade de viajar internacionalmente e morar no exterior.

A apresentação também incluiu uma carta de sua mãe. Os advogados de Hayes argumentaram que a vida do ex-CEO da BitMEX já havia sido alterada pelas acusações, que eles disseram ter “um impacto extraordinário e bem divulgado na vida pessoal de Hayes e nos negócios da BitMEX que ele cofundou.”

Eles também argumentaram que é improvável que Hayes reincida.

O governo, no entanto, vê as coisas de forma diferente. Em um memorando de sentença apresentado em 12 de maio, os promotores pediram ao juiz que proferisse “uma sentença significativa de encarceramento, acima do intervalo aplicável das Diretrizes de Sentença de [seis] a 12 meses.”

Os promotores dizem que Hayes ostentou o desrespeito da BitMEX pelas diretrizes KYC e AML, anunciando a falta de conformidade da empresa no site das exchanges e em postagens em blogs e entrevistas na mídia.

Isso, dizem os promotores, atraiu “precisamente os maus atores que a BSA pretende deter” – e rendeu a Hayes mais de US$ 100 milhões.

A proeminência de Hayes na comunidade cripto e sua propensão a falar com jornalistas sobre sua visão de mundo (e sua vida glamorosa em fuga ) parece ser um ponto sensível para os promotores:

“O réu escolheu usar sua influência para promover uma visão para a indústria de criptomoedas que estava em contradição direta com a lei e calculada para minar as regulamentações governamentais”, escreveram os promotores. “O réu rotineiramente criticava e zombava dos requisitos do KYC e deixou claro que não tinha interesse em cumpri-los.”

Com informações de CoinDesk

Deixe um comentário