Bom dia ADVFN - Dados ruins da Alemanha, medidas para reduzir preços de combustíveis e mais

LinkedIn

Esse é o Bom dia, Investidor!  07 de junho de 2022, com tudo o que você precisa saber antes da Bolsa abrir!

📣  Confira as principais manchetes dos jornais de hoje 📰

Bolsas mundiais:  Os índices futuros americanos e bolsas da Europa recuam em meio a temores com a inflação, com a próxima leitura da inflação dos EUA prevista para o final da semana. As ações asiáticas fecharam sem direção única, o dólar avançou e o iene caiu para o nível mais baixo em 20 anos.

Na Ásia, as ações encerraram sem direção única. Os rendimentos de três anos da Austrália dispararam e as ações caíram quando o Reserve Bank of Australia surpreendeu o mercado com uma alta inesperada, na tentativa de combater o aumento dos custos. As moedas asiáticas caíram e o indicador do dólar subiu para o nível mais alto em mais de duas semanas. Na China, seguem as medidas para o relaxamento de restrições e, em razão disso, o índice Xangai registrou alta de +0,17%. O Shenzhen, no entanto, teve leve perda de -0,05%. Em Hong Kong, o Hang Seng recuou -0,56% devolvendo parte dos ganhos obtidos ontem. Em Taiwan, o Taiex perdeu -0,56% e, em Seul, o Kospi fechou em baixa de -1,66% no retorno do feriado. Em Tóquio, o Nikkei registrou ganho de +0,10% após o presidente do BoJ reiterar a política monetária do banco em discurso ao parlamento.

Na Europa, as Bolsas operam em baixa após ter sido divulgado o dado sobre encomendas à indústria alemã, que registrou queda de 2,7% ante previsão de +0,5% . Na quinta-feira, o Banco Central Europeu deve anunciar o fim das compras de títulos e iniciar formalmente a contagem regressiva para um aumento nos custos dos empréstimos em julho, juntando-se aos pares globais que apertam a política monetária diante da inflação alta. A reação do mercado do Reino Unido em meio à turbulência política no país foi limitada na terça-feira. Na noite de segunda-feira, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, sobreviveu a um voto de confiança desencadeado por seus próprios legisladores em meio à crescente insatisfação em sua liderança.

Nos Estados Unidos,  os  índices futuros operam em baixa no momento, com os investidores preocupados que o aumento dos custos dos empréstimos prejudicará o crescimento dos ativos de risco. Os investidores estão relutantes em assumir riscos e a volatilidade permanece elevada. O mercado acionário segue lutando em meio a temores de que os formuladores de políticas precisam ser ainda mais agressivos na retirada de estímulos para conter a inflação, prejudicando a economia e os lucros das empresas. Os investidores estão acompanhando o que é uma semana mais fraca nos lucros da empresa. JM Smucker, United Natural Foods e Cracker Barrel estão todos programados para reportar resultados antes da abertura do mercado.

==> Acompanhe os mercados mundiais pela ADVFN (aqui)

Os futuros internacionais de petróleo WTI estão sendo negociados a US$ 118,41 com baixa de 0,06%. O Brent opera em baixa de 0,15%, negociado a US$ 119,33.

Bitcoin (COIN:BTCUSD) é negociado a US$ 29.632,76 (-5,67%). O ouro  é negociado a US$ 1.854,40 por onça-troy (+0,55%).

⇒ Bitcoin – Acompanhe o Mundo Cripto na ADVFN

Minério de ferro:  O Minério de ferro negociado na bolsa de Dalian teve baixa de 0,59%, a 928,50 iuanes, o equivalente a US$ 139,35.

Coronavírus

Na segunda-feira (6), o Brasil registrou 50 mortes e 28.880 casos de covid-19 em 24h, segundo informações do consórcio de veículos de imprensa, às 20h. A média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 77, recuo de 21% em comparação com o patamar de 14 dias antes. A média móvel de novos casos em sete dias foi de 29.682, o que representa alta de 92% em relação ao patamar de 14 dias antes. Chegou a 166.416.179 o número de pessoas totalmente imunizadas contra a Covid no Brasil, o equivalente a 77,46% da população. O número de pessoas que tomaram ao menos a primeira dose de vacinas atingiu 178.610.314 pessoas, o que representa 83,14% da população. A dose de reforço foi aplicada em 94.111.740 pessoas, ou 43,81% da população.

Brasil

O Ministério da Saúde atualizou para sete o número de casos suspeitos de varíola dos macacos. O caso em investigação mais recente foi notificado na segunda-feira (6) pela Secretaria de Saúde do estado de São Paulo. Até o momento, o Brasil não possui, nenhum caso confirmado da doença. Os estados de Santa Catarina, Ceará, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e São Paulo têm um caso suspeito cada um, e outros dois casos são monitorados em Rondônia. Segundo a pasta, os pacientes estão “isolados e em recuperação, sendo monitorados pelas equipes de vigilância em saúde. A investigação dos casos está em andamento e será feita coleta para análise laboratorial”.

Poderes

O presidente Jair Bolsonaro informou na noite de segunda-feira (6) que irá propor zerar a incidência do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o diesel. Em contrapartida, dará uma compensação aos governadores para evitar a perda de arrecadação. Em entrevista coletiva, Bolsonaro disse ainda que a proposta prevê zerar outros tributos como PIS/Cofins e Cide para a gasolina, etanol e gás de cozinha, o gás liquefeito do petróleo (GLP). O presidente explicou que as medidas foram tomadas após conversa com lideranças do congresso. Também presente à entrevista coletiva, o ministro da Economia, Paulo Guedes, informou que as medidas são temporárias. Elas devem vigorar até 31 de dezembro deste ano.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), prometeu buscar consenso junto aos colegas senadores para viabilizar a proposta, para a crise dos combustíveis, gestada na segunda-feira em reunião com o governo federal e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). A proposta do governo federal é cortar impostos federais (PIS/Confins e Cide) sobre a gasolina em troca da aprovação do PLP 18, que coloca teto sobre o ICMS dos combustíveis. A União ainda faria um ressarcimento aos Estados pelo fim da cobrança de ICMS sobre diesel e gás de cozinha.

Economia

Ao longo dos últimos cinco anos, cerca de 80 empresas abriram o capital na Bolsa brasileira, a B3 – todas vendendo aos potenciais acionistas projeções de robusto crescimento. No entanto, olhando a trajetória da maior parte dessas companhias desde o início de suas negociações, 8 em cada 10 valem atualmente menos do que na época de seu IPO. Ou seja, em 80% dos casos, quem comprou papéis na estreia desses negócios ficaria no prejuízo se decidisse vender hoje. Os dados são de um levantamento feito pela Economática/TC a pedido do Estadão.

Outro levantamento, feito pelo Estadão, mostra que, além de operar no vermelho, algumas dessas empresas perderam tanto valor de mercado que nem sequer valem o montante captado no momento do IPO. Nessa lista estão, por exemplo, o braço brasileiro da varejista C&A, hoje avaliada em R$ 980 milhões (menos da metade do total arrecadado na estreia na B3), e a rede de farmácias D-1000, que hoje vale menos de R$ 200 milhões (no IPO, havia captado R$ 400 milhões). O descompasso entre a euforia dos investidores na estreia de um negócio e a realidade atual fica ainda mais clara no caso da rede de depilação Espaçolaser. A companhia levantou nada menos do que R$ 2,6 bilhões em sua oferta inicial, mas hoje seu valor de mercado é equivalente a menos de um terço disso (cerca de R$ 750 milhões). Em alguns casos, quase todo o valor do negócio se esvaiu.  Empresas como Getninjas, Westwing, Mobly e Enjoei, que abriram capital há pouco mais de um ano, registram quedas de mais de 80%.  O Nubank, maior banco digital do mundo, que realizou um dos IPOs mais disputados da última década (na Bolsa brasileira e na de Nova York), perdeu cerca de 60% desde dezembro.

Depois de ver o processo de privatização da Eletrobras empacar no Tribunal de Contas da União (TCU) e enfrentar obstáculos jurídicos, o governo federal espera que a estatal tenha sua privatização concluída até a terça-feira (14). Fontes que conduzem o processo disseram que as ações deverão ter sua precificarão nesta quinta-feira (9).

Agenda Econômica

🇬🇧 PMI composto, de serviço mensal (05h30)
🇺🇸 Balança comercial mensal (09h30) ⭐️
🇧🇷 Produção de veículos Anfavea mensal (10h00)
🇧🇷 Tesouro Nacional – Leilão de Títulos (10h30)⭐️
🇺🇸 Leilão primário de Treasuries de 3 anos (14h00) ⭐️
🇺🇸 Variação de estoques de petróleo API (17h30)
🇯🇵 Variação do PIB anual e trimestral (20h50) ⭐️
Ibovespa e dólar no último pregão:

Ibovespa:  

Referência do mercado brasileiro, o principal índice operou em baixa, chegando ao limite de quase perder os 110 mil pontos pela manhã. Sem fôlego para manter a alta, o principal índice de ações do Brasil fechou em queda de 0,83%, aos 110.178 pontos, com um volume financeiro de R$ 16,9 milhões, abaixo da média diária de R$ 30 milhões.

Maiores altas do Ibovespa

RADL3: +2,68%, a R$ 21,86
CMIN3: +1,94%, a R$ 5,25
LWSA3: +1,69%, a R$ 7,21
EMBR3: +1,16%, a R$ 13,13
SUZB3: +1,10%, a R$ 53,41

Maiores baixas do Ibovespa

IRBR3: −3,33%, R$ 2,90
ENEV3: −3,07%, R$ 14,85
RENT3: −1,92%, R$ 56,29
LCAM3: −1,22%, R$ 3,95
CIEL3: −0,75%, R$ 25,16

Na Toro, traders podem usar a plataforma Profit Pro grátis

Dólar    

O dólar comercial fechou em alta na segunda-feira, em meio a cautela dos investidores com o cenário político doméstico e à espera de dados de inflação aqui e no exterior (China e EUA) e da decisão de política monetária do BCE, na quinta-feira. O dólar à vista fechou em alta de 0,37%, a R$ 4,7962.

Juros

O DI para janeiro de 2023 tinha taxa de 13,445% de 13,425% % no ajuste anterior; o DI para janeiro de 2024 projetava taxa de 13,110%, de 13,025%, o DI para janeiro de 2025 ia a 12,475%, de 12,435% antes.

Ifix   

O índice fechou a sessão em queda de 0,97% aos 2.829 pontos. A mínima foi de 2.828 pontos e a máxima foi de 2.833 pontos.

Fonte: CNN, CNBC, Infomoney, TC, G1, Agência Brasil e BDM, correio braziliense, estadão, isto é dinheiro.

Deixe um comentário