Comitê de Basileia quer limitar a exposição de ativos digitais dos bancos a 1% do patrimônio

LinkedIn

Na quinta-feira (30), o Comitê de Supervisão Bancária de Basileia sugeriu durante sua segunda consulta sobre o tratamento prudencial das exposições de criptoativos que os bancos limitassem sua exposição aos chamados ativos criptográficos do Grupo 2 a apenas 1% de seu capital de Nível 1.

Os ativos digitais do Grupo 1 consistem em ativos tradicionais tokenizados, como ações sintéticas, ou aqueles com mecanismos de estabilização eficazes, como stablecoins regulamentadas. Sob a nova proposta, os ativos digitais do Grupo 1 estariam sujeitos a requisitos de capital baseados em risco pelo menos equivalentes aos ativos de capital tradicionais dentro da atual estrutura de capital, Basileia III.

No entanto, as criptomoedas que não atendem aos requisitos acima serão classificadas como ativos digitais do Grupo 2, que teoricamente incluiriam as principais criptomoedas não-stablecoin e não tokenizadas, como Bitcoin (BINA:BTCUSDT) e a maioria das altcoins. Portanto, os bancos só poderiam comprometer 1% de seu patrimônio total ou valor patrimonial líquido em posições longas ou curtas em ativos digitais do Grupo 2.

Além disso, o Comitê da Basileia está considerando bancos adotando um prêmio de risco de 1.250% para ativos digitais do Grupo 2. Em comparação, as ações normalmente têm um prêmio de risco de 20% a 150% atrelado aos seus valores nominais, dependendo da classificação de crédito da empresa. Sob Basileia III, os ativos ponderados pelo risco de um banco não devem ultrapassar 10,5% de seu capital Tier 1 para alavancagem prudente.

A medida provavelmente restringiria severamente a capacidade dos bancos de comprar criptomoedas voláteis no futuro, pois, para fins de argumentação, um banco precisaria adicionar US$ 125 milhões em ativos ponderados pelo risco ao seu portfólio para cada US$ 10 milhões em Bitcoin comprado, tornando muito menos lucrativos do que ativos com prêmios de menor ponderação de risco.

Basileia III é um acordo regulatório internacional que quase todas as instituições financeiras em países desenvolvidos devem cumprir e é aplicado por lei.

Por Zhiyuan Sun

Deixe um comentário