Brasil irradia Bitcoin do espaço: um caso para nós de satélite BTC

LinkedIn

Um Bitcoiner no Brasil transmitiu o blockchain do espaço. Alessandro Cecere, gerente de produto da Ledn e cidadão venezuelano, estabeleceu o suposto primeiro nó completo de satélite  Bitcoin (BINA:BTCUSDT) no Brasil.

O nó de satélite completo que Cecere estabeleceu baixa o blockchain do Bitcoin diretamente da Blockstream Satellite Network, negando a necessidade de uma conexão confiável à Internet. É um pequeno passo para a rede de nós do Bitcoin, mas um salto gigante para a adoção do Bitcoin, evidenciando que aqueles em áreas remotas ou de difícil acesso podem executar nós.

Cecere  posa com a antena parabólica que recebe a blockchain do Bitcoin. Fonte:  Cecere

Uma atualização para os novos nós: um nó completo Bitcoin é um software que monitora continuamente o blockchain e seu histórico completo de transações. Um nó completo proíbe transações não legítimas e frustra tentativas de gastar Bitcoin duas vezes, conhecido como “gasto duplo”. Cecere explica que os nós “concedem a seus proprietários acesso descentralizado à única rede monetária não censurável que conhecemos hoje”.

No entanto, até 2020, a configuração de um nó Bitcoin (às vezes chamado de peer Bitcoin, pois o Bitcoin é uma “versão ponto a ponto do dinheiro eletrônico”) dependia totalmente dos provedores locais de internet. Graças a atualizações na rede de satélites da Blockstream, os crentes do Bitcoin em todo o mundo podem baixar um nó completo sem uma conexão com a Internet.

O receptor de satélite da novra technologies. Fonte: Cecere

Mas por que isso importa? Como Cecere explica: “Os nós completos de satélite são o próximo passo para uma maior descentralização da rede Bitcoin”, acrescentando:

“O caso de uso para Satellite Full Nodes não poderia ser mais brilhante. Alguns pontos de acesso offline podem conectar totalmente comunidades remotas ao Bitcoin, mesmo aquelas sem acesso prévio à Internet.”

Há um argumento convincente para nós completos de satélite, particularmente em países que lutam com governos instáveis, conexões de internet não confiáveis ​​e infraestrutura digital fraca. Com efeito, um nó completo de satélite pode ajudar mais países emergentes e indivíduos sem conexões à Internet a contribuir e, eventualmente, participar da rede Bitcoin.

Segundo a Cointelegraph, Bitcoin Gandalf (nome fictício), da mineradora Braiins Bitcoin, explicou que “o uso do satélite Blockstream adiciona um nível adicional de redundância caso os métodos de conectividade mais tradicionais sejam interrompidos”.

Na vizinha Venezuela, por exemplo, um nó de satélite Bitcoin foi instalado em 2020. A Venezuela se beneficia de uma infraestrutura robusta de redes de antena parabólica, que, como explica Cecere, “pode ser aproveitada para expandir o sinal offline do Bitcoin na Terra”.

Cecere se conectou a um satélite Blockstream de sua terra natal, depois que o provedor de rede de televisão DirecTV deixou o país:

“Eu reciclei um prato que a DirecTV instalou na casa dos meus pais há mais de 10 anos e o transformei em um ponto de acesso à rede monetária mais poderosa do planeta. Isso é experimentar o poder do dinheiro sem fronteiras ao máximo na carne!”

A Venezuela é uma  nação cada vez mais pró-cripto, tendo experimentado altos níveis de inflação desde 2016. Do outro lado da fronteira no Brasil, é outro viveiro para adoção, principalmente à luz de um novo projeto de lei que propõe proteções para chaves privadas, bem como a legalização de criptomoedas para pagamentos. A capacidade de executar um nó de satélite nesses países como um ponto de conexão offline é um benefício para a adoção e a resiliência da rede.


Para  o nó de satélite da Cecere  na Venezuela, ele “modernizou” o prato com um prendedor de roupa para ajudar no download do blockchain. Fonte:  Cecere

O full node de satélite brasileiro construído por Cessere está se conectando a partir da casa de um membro da família em Santos, ao sul da maior cidade do Brasil, São Paulo. Caso o nó funcione com sucesso, a intenção é “portar o equipamento para a Fundação Parque Tecnológico de Santos Gustavo”, um parque de tecnologia e inovação onde ficará permanentemente conectado como ponto de conexão offline.

No entanto, o sinal do espaço Bitcoin tem algumas limitações. Cecere explica que é uma “rua de mão única, pois só se pode baixar dados dela, mas não enviar nenhum; portanto, eles não são capazes de transmitir transações para a rede.”

No futuro, a Blockstream pode introduzir uma versão ainda mais avançada de seu equipamento de satélite que pode permitir que aqueles com acesso extremamente limitado à internet – como empresas de mineração de criptomoedas em destinos distantes – se conectem ao Bitcoin.

Então, e só então, o Bitcoin assumirá o manto de ser “dinheiro espacial”.

Por Joseph Hall/Cointelegraph

Deixe um comentário