ETFs chegam à China com força total

LinkedIn

PEQUIM – A China se juntou à mania global dos fundos negociados em bolsa, o produto de investimento que permite que os operadores comprem e vendam uma cesta de ações.

Mais conhecidos como ETFs, os fundos aumentaram em popularidade nos EUA após a crise financeira e construíram negócios de US$ 3 trilhões, como a marca de ETFs iShares da BlackRock.

Na China continental, os ETFs se multiplicaram mais rápido que o mercado de ações. Em cinco anos, o número de ETFs mais do que quadruplicou para 645, enquanto o número de ações aumentou apenas 53%, para 4.615.

Isso de acordo com dados oficiais e um relatório da Hong Kong Exchanges and Clearing, que também afirmou que o mercado de ETFs do continente se tornou um negócio de 1,4 trilhão de yuans (US$ 209 bilhões), mais do que triplicando em apenas cinco anos.

Uma mudança regulatória que entrou em vigor na segunda-feira abriu esse mercado de ETF para investidores estrangeiros via Hong Kong – um programa chamado ETF Connect.

A ChinaAMC, com sede em Pequim, que disse ter lançado o primeiro ETF no continente em 2004, aproveitou a alta do setor e opera 10 dos fundos elegíveis para negociação sob o novo programa de negociação internacional. Isso inclui índices de rastreamento de ETFs e temas como desenvolvimento de semicondutores.

O ETF Connect se inclina fortemente para o continente. Do lote inicial de ETFs elegíveis, 83 estão listados no continente, contra apenas quatro em Hong Kong.

O Goldman Sachs prevê US$ 80 bilhões a mais em compras de ativos do continente em relação aos de Hong Kong nos próximos 10 anos.

“Adicionar ETFs Northbound ao portfólio de ações A poderia expandir a fronteira eficiente e melhorar o risco/recompensa”, escreveram analistas do Goldman Sachs em um relatório esta semana. “Embora o universo inicial elegível do Southbound pareça estreito, os constituintes subjacentes ainda oferecem aos investidores do continente uma ampla exposição a ações financeiras e de Internet listadas em Hong Kong”.

Gigantes chineses de tecnologia da internet como Tencent e Alibaba têm listagens em Hong Kong, mas não no continente. Por outro lado, muitas empresas com foco na China estão listadas apenas no continente.

Uma das coisas que o ETF Connect pode fazer é aumentar a compreensão dos investidores internacionais sobre os ETFs da China continental e aumentar a influência dos produtos, disse Xu Meng, gerente de fundos da ChinaAMC, em comunicado. Xu também é gerente geral executivo do departamento de investimentos quantitativos da empresa.

A ChinaAMC afirma que, no final de 2021, tinha mais de 300 bilhões de yuans em ativos gerenciados passivamente.

Novos links para a China continental

No mesmo dia em que o ETF Connect foi lançado, os reguladores chineses anunciaram um novo programa – programado para entrar em vigor em cerca de seis meses – que permitiria o investimento em derivativos financeiros no continente via Hong Kong.

Uma fase subsequente do programa está definida para permitir que os investidores do continente negociem derivativos financeiros em Hong Kong.

Esses movimentos para conectar Hong Kong e os mercados do continente seguem programas semelhantes para ações e títulos que começaram em 2014. A China continental abriga o segundo maior mercado de ações do mundo em valor.

Mais ETFs por vir

Outras empresas financeiras estão chegando ao mercado de ETFs – com foco em grandes clientes da China que desejam investir internacionalmente por meio de Hong Kong.

A gestora de patrimônio Hywin Holdings  com sede em Xangai e subsidiária em Hong Kong, lançou na semana passada um índice de ações de saúde com a FactSet, uma empresa de software e dados financeiros.

O “FactSet Hywin Global Health Care Index” de 40 ações rastreia ações de empresas listadas principalmente na Europa ou na América do Norte – como AstraZeneca e Merck.

O plano é comercializar esse índice com um ETF listado em Hong Kong.

“Os clientes da Hywin [mais de 130.000 na Ásia], cada vez mais, eles acham o mundo muito fluido, muito volátil. Eles querem capturar oportunidades, mas hoje em dia não têm tanta certeza de escolher as ações e escolher o momento certo”, disse Nick Xiao, vice-presidente da Hywin Holdings e CEO dos negócios da empresa no exterior, Hywin International.

Após este primeiro índice co-branded, Xiao disse que espera mais colaboração com a FactSet para criar índices e ETFs. Ele observou que já existem oito ETFs listados em Hong Kong que rastreiam os índices FactSet.

Entre os investidores institucionais e gestores de dinheiro na Grande China, quase 40% disseram que investiram mais da metade de seus ativos sob gestão em ETFs, muito acima da participação de 19% nos EUA, descobriu a Brown Brothers Harriman em uma pesquisa anual divulgada em janeiro.

Com informações de CNBC

Deixe um comentário