Parlamentar dos EUA pede que Apple e Google forneçam informações sobre apps de criptomoedas falsos

LinkedIn

O senador Sherrod Brown, presidente do Comitê Bancário do Senado dos Estados Unidos, escreveu cartas aos CEOs da Alphabet (NASDAQ:GOOGL), empresa controladora do Google, e Apple (NASDAQ:AAPL), pedindo que as empresas de tecnologia forneçam informações sobre as maneiras pelas quais impedem que determinados aplicativos promovam golpes de criptomoedas.

A Alphabet e Apple também são negociadas na B3 através dos tickers (BOV:GOGL34) e (BOV:AAPL34), respectivamente.

De acordo com as cartas publicadas na quinta-feira, Brown perguntou ao CEO da Apple, Tim Cook, e ao CEO da Alphabet, Sundar Pichai, sobre as medidas que os gigantes da tecnologia estavam tomando na aprovação de aplicativos de criptografia em dispositivos Apple e Android. O senador solicitou informações relacionadas a como as empresas avaliavam se os aplicativos eram “confiáveis ​​e seguros”, impediam possíveis aplicativos de phishing por meio de aplicativos fraudulentos e denunciavam esses aplicativos aos usuários.

“Os criminosos cibernéticos roubaram logotipos de empresas, nomes e outras informações de identificação de empresas de criptografia e criaram aplicativos móveis falsos para enganar investidores desavisados ​​​​a acreditar que estão realizando negócios com uma empresa de criptografia legítima”, disse Brown. “Embora as empresas que oferecem investimento em cripto e outros serviços relacionados devam tomar as medidas necessárias para evitar atividades fraudulentas, incluindo alertar os investidores sobre o aumento nos golpes, também é imperativo que as lojas de aplicativos tenham as salvaguardas adequadas para evitar atividades fraudulentas de aplicativos móveis.”

As cartas de Brown vieram após o Federal Bureau of Investigation emitir um aviso público sobre aplicativos fraudulentos de criptomoeda em 18 de julho. A agência informou que os golpistas roubaram mais de US$ 42 milhões de 244 pessoas entre outubro de 2021 e maio de 2022, incluindo um caso em que um aplicativo usou o nome de uma antiga exchange de criptomoedas legítima.

Falando em uma audiência na quinta-feira com o Comitê Bancário do Senado sobre “Entendendo Golpes e Riscos nos Mercados de Criptomoedas e Valores Mobiliários”, Brown parecia colocar parte do fardo de lidar com golpes de criptografia em plataformas e aplicativos em legisladores e reguladores, em vez de empresas:

“Ouvimos os players do setor pedirem regras de trânsito quando uma grande fraude é descoberta e depois que um grande ator violou a lei conscientemente. As regras estão lá, o roteiro é claro e [o Comitê Bancário do Senado] precisa garantir que nossos reguladores apliquem a lei e protejam os trabalhadores e as famílias que mantêm essa economia funcionando […] as regras que eles querem jogar.”

Gerri Walsh, presidente da Financial Industry Regulatory Authority Investor Education Foundation, disse em depoimento escrito para a audiência que alguns dos US$ 57 milhões em multas que o regulador financeiro havia cobrado do aplicativo de negociação Robinhood (HOOD) em junho de 2021 seriam usados ​​para educar investidores de criptomoedas, incluindo aqueles que usam contas online ou aplicativos móveis.

Walsh também apontou os golpistas que usam aplicativos de namoro e mensagens para convencer as vítimas a enviar fundos ou investir em plataformas de criptomoedas fraudulentas e disse que a desinformação nas mídias sociais foi um fator importante na propagação de tais golpes em resposta a uma pergunta nas postagens do Instagram.

A Comissão Federal de Comércio informou em junho que cerca de 46.000 pessoas nos Estados Unidos perderam até US$ 1 bilhão em criptoativos em 2021. A comissão disse na época que cerca de metade de todos os golpes relacionados a cripto se originaram de plataformas de mídia social por meio de anúncios, postagens e mensagens.

Por Turner Wright

Deixe um comentário