Ford eliminará 3.000 empregos em um esforço para cortar custos

LinkedIn

DETROIT – A Ford Motor (NYSE:F) está cortando cerca de 3.000 empregos de sua força de trabalho global, enquanto a montadora tenta reduzir custos como parte dos esforços de reestruturação sob o comando do CEO Jim Farley.

A Ford Motor também é negociada na B3 através do ticker (BOV:FDMO34).

A Ford começou a notificar os trabalhadores sobre as reduções na segunda-feira (22), confirmou um porta-voz da empresa. Os cortes são para 2.000 cargos assalariados e 1.000 empregos em agências nos EUA, Canadá e Índia, disseram Farley e o presidente da Ford, Bill Ford, em uma mensagem aos funcionários.

“Construir esse futuro requer mudar e reformular praticamente todos os aspectos da maneira como operamos há mais de um século. Requer foco, clareza e velocidade. E, como discutimos nos últimos meses, isso significa redistribuir recursos e abordar nossa estrutura de custos, que não é competitiva em relação aos concorrentes tradicionais e novos”, diz a mensagem.

As ações de corte de custos da Ford são as mais recentes de uma série de esforços das empresas para reduzir despesas e número de funcionários em meio a temores de uma possível recessão ou abrandamento econômico, com a inflação pairando perto de uma alta de 40 anos.

Os cortes, que foram relatados pela primeira vez na segunda-feira pela Automotive News, ocorrem menos de um mês depois que Farley disse a analistas que “absolutamente temos muitas pessoas em certos lugares, sem dúvida”.

As reduções estão ocorrendo nos negócios da Ford, que dividiu em duas unidades no início deste ano separarando seus negócios de motores elétricos e de combustão interna.

“Existem oportunidades para ser mais eficiente e eficaz em todas as unidades de negócios e todas as funções que as apoiam”, disse o porta-voz da Ford TR Reid.

A Ford emprega cerca de 31.000 trabalhadores assalariados na América do Norte. No final do ano passado, a Ford tinha 186.769 funcionários em todo o mundo, com 90.873, ou 48,7%, desses trabalhadores localizados nos EUA.

Sob Farley, que se tornou CEO em outubro de 2020, a Ford está passando por uma grande transformação da empresa chamada Ford+, que inclui planos para cortar US$ 3 bilhões em custos estruturais até 2026, enquanto investe bilhões para expandir seus negócios de veículos elétricos e comerciais.

“Trabalhamos de forma diferente do que no passado, examinando a declaração de trabalho de mudança de cada equipe conectada ao nosso plano Ford+. Estamos eliminando o trabalho, bem como reorganizando e simplificando funções em toda a empresa”, dizia a mensagem aos funcionários.

As ações F da Ford caíram cerca de 5% nas negociações da tarde de segunda-feira, para US$ 15,10 por ação. As ações caíram cerca de 27% em 2022.

As ações FDMO34 caíram -4,98% na segunda-feira, a um último preço de R$ 77,84 reais.

Com informações de CNBC

Deixe um comentário