Tapestry e Estée Lauder sentem aperto nos lucros devido aos bloqueios na China

LinkedIn

18 Ago (Reuters) – A Tapestry Inc (NYSE:TPR) e a Estée Lauder Cos Inc (NYSE:EL) prevêem lucros para o ano inteiro abaixo das estimativas, de acordo com os resultados trimestrais divulgados nesta quinta-feira (18), ressaltando o impacto que algumas empresas globais de bens de luxo estão sofrendo com os bloqueios da Covid-19 na China.

As principais cidades chinesas impuseram restrições estritas este ano sob a política de Covid Zero de Pequim, deixando as empresas que têm exposição substancial ao país com pilhas de mercadorias não vendidas, enquanto os consumidores cautelosos ficam longe dos distritos comerciais lotados.

Tapestry e Estee Lauder juntam-se à Kering SA (PRTP) , proprietária da Gucci, a fabricante de Ray-Ban EssilorLuxottica (ESLX) e Ralph Lauren Corp (RL, R1LC34), que sinalizaram redução de vendas na China, um mercado chave em crescimento para empresas de moda de alto padrão.

A Estée, que fabrica o batom MAC e os produtos para a pele La Mer, obtém mais de um terço de sua receita da China.

Estée Lauder Cos Inc também é negociada na B3 através do ticker (BOV:ELCI34).

A Tapestry, que fabrica bolsas Coach, gera cerca de 20% de suas vendas na região, segundo analistas.

A Tapestry, que também é dona de Kate Spade e Stuart Weitzman, disse que está começando a ver uma recuperação na demanda na China, com vendas previstas para cair 15% no primeiro trimestre, em comparação com uma queda de 32% no quarto trimestre.

A Tapestry Inc também é negociada na B3 através do ticker (BOV:TPRY34).

“A fraqueza na China só aconteceu por causa do bloqueio. Uma vez que a região está fora desses bloqueios, veremos a volta do consumidor”, disse Jessica Ramirez, analista da Jane & Hali Associates.

A Tapestry previu EPS no ano fiscal de 2023 entre US$ 3,80 e US$ 3,90 por ação, abaixo das estimativas dos analistas de US$ 3,91, de acordo com dados do Refinitiv IBES. Estée disse que espera que o lucro ajustado por ação aumente entre 5% e 7%, abaixo da visão de Wall Street de um ganho de 10,5%.

Ainda assim, ambas as empresas superaram as estimativas de lucro do quarto trimestre, já que os consumidores americanos abastados se esbanjam na alta moda enquanto retomam a socialização.

“Tivemos um aumento incremental de preços em janeiro por causa da inflação e ainda vimos uma demanda incrivelmente forte”, disse a chefe de finanças da Estée, Tracey Travis.

Por Reuters

Deixe um comentário