Voyager Digital venderá ativos para a FTX de Sam Bankman-Fried por US$ 1,4 bilhão

LinkedIn

Os clientes da empresa de criptomoedas Voyager Digital podem encontrar algum consolo nas notícias de que a FTX, a exchange de bitcoin fundada pelo bilionário Sam Bankman-Fried, deve assumir os ativos da empresa após vencer um leilão de falência.

Após várias rodadas de licitações, a subsidiária americana da FTX foi selecionada como a maior oferta pelos ativos da Voyager, disseram as empresas em comunicado na segunda-feira (26). A oferta foi avaliada em aproximadamente US$ 1,4 bilhão, um valor que inclui US$ 1,3 bilhão para o valor justo de mercado dos ativos digitais da Voyager, além de uma “consideração adicional” de US$ 111 milhões em valor incremental antecipado.

A Voyager declarou falência do Capítulo 11 em julho, depois que uma queda tumultuada nos preços das moedas digitais a deixou incapaz de resgatar saques de seus clientes. O fim da empresa decorreu em parte do colapso da Three Arrows Capital, um fundo de hedge que pegou empréstimos de outras instituições, como a Voyager, para fazer apostas arriscadas em tokens – incluindo a stablecoin terraUSD. Em junho, a 3AC deixou de pagar empréstimos da Voyager no valor de US$ 670 milhões.

A Voyager sugeriu uma possível transição de seus clientes para a FTX US, dizendo que a exchange “permitirá que os clientes negociem e armazenem criptomoedas após a conclusão dos casos do capítulo 11 da empresa”. O acordo de compra de ativos será apresentado ao Tribunal de Falências dos EUA para o Distrito Sul de Nova York para aprovação em 19 de outubro. A venda dos ativos da Voyager para a FTX US depende do voto dos credores, bem como “outras condições de fechamento habituais”, segundo o comunicado.

A medida marca um passo potencial para compensar os usuários da Voyager, que têm poucos meios legais para receber o pagamento da criptomoeda que armazenaram na plataforma antes de congelar as retiradas dos clientes. Nos processos de falência, os clientes de plataformas de criptomoedas são tratados como credores não garantidos, o que significa que não têm direito à criptomoeda que compraram e, como outros credores, precisariam passar pelos tribunais para tentar recuperar seu dinheiro. Os credores da Mt. Gox, que faliu em 2014, ainda estão esperando para serem reembolsados.

Anteriormente, a Voyager alegava em seu site e em materiais de marketing que os fundos dos usuários eram protegidos pela Federal Deposit Insurance Corporation, mas isso tecnicamente não era verdade – os depósitos em dinheiro da Voyager são mantidos no Metropolitan Commercial Bank, um credor com sede em Nova York. O seguro FDIC cobre apenas o caso de falência do banco, não do Voyager. Em julho, o FDIC e o Federal Reserve enviaram à Voyager uma carta de cessação e desistência ordenando que ela parasse de alegar que era segurada pelo FDIC.

No inverno criptográfico de 2022, Bankman-Fried emergiu como o salvador de várias empresas que foram vítimas da queda do valor dos tokens digitais e dos problemas de liquidez resultantes em suas plataformas. O comerciante quantitativo de 30 anos que virou cripto extraordinário está comprando pechinchas em meio à recente carnificina do setor.

Em julho, a FTX assinou um acordo que lhe dá a opção de comprar o credor BlockFi depois de fornecer uma linha de crédito de US$ 250 milhões. Bankman-Fried diz que ainda tem muito dinheiro para gastar em novos negócios. E em breve ele pode receber ainda mais, com fontes dizendo que FTX está levantando outros US$ 1 bilhão de investidores em uma próxima rodada de financiamento.

Com informações de CNBC

Deixe um comentário