ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for default Cadastre-se gratuitamente para obter cotações em tempo real, gráficos interativos, fluxo de opções ao vivo e muito mais.

Meta Platforms é atingida com cobranças antitruste da UE sobre seu serviço Marketplace do Facebook

LinkedIn

A Meta Platforms Inc. (NASDAQ:META) foi alvo de uma reclamação formal dos vigilantes antitruste da União Européia por supostamente expulsar rivais de anúncios classificados ao vincular o Marketplace do Facebook à sua própria rede social.

A Meta Platforms Inc também é negociada na B3 através do ticker (BOV:M1TA34).

A Comissão Europeia disse na segunda-feira, 19 de dezembro de 2022, que emitiu a chamada declaração de objeções à Meta, abrindo caminho para possíveis multas ou mudanças no modelo de negócios da empresa.

“Com sua rede social Facebook, a Meta atinge globalmente bilhões de usuários mensais e milhões de anunciantes ativos”, disse a comissária antitruste da UE, Margrethe Vestager, em um e-mail anunciando a escalada do caso. “Nossa preocupação preliminar é que a Meta vincule sua rede social dominante, o Facebook, a seus serviços de anúncios classificados on-line chamados Facebook Marketplace”, o que significa que “os usuários do Facebook não têm escolha a não ser ter acesso ao Facebook Marketplace”.

O órgão regulador da UE disse que também está preocupado com o fato de a Meta impor condições comerciais injustas que permitem o uso de dados em serviços de anúncios classificados on-line concorrentes.

O caso é o mais recente de uma longa repressão em toda a Europa ao poder de mercado de empresas de tecnologia como Google, Apple Inc. e Amazon.com Inc., que levou a várias investigações, multas e leis reforçadas. A UE multou anteriormente o Facebook por não fornecer informações corretas na revisão da fusão da aquisição do WhatsApp. Meta também é alvo de investigações no Reino Unido e na Alemanha.

Tim Lamb, chefe de competição EMEA da Meta, disse em um comunicado que as “alegações feitas pela Comissão Europeia são infundadas”. Ele disse que a empresa “continuará a trabalhar com as autoridades reguladoras para demonstrar que a inovação de nossos produtos é pró-consumidor e pró-competitiva”.

O regulador da UE, com sede em Bruxelas, investiga o Facebook da Meta desde 2019. A plataforma procurou conter a investigação com ações judiciais para limitar as informações que os funcionários poderiam coletar.

A ação de segunda-feira contra a Meta ocorre quando a UE está prestes a anunciar um acordo em uma investigação semelhante sobre como a Amazon usa os dados de vendas dos rivais e se favorece injustamente seus próprios produtos.

Apesar de intensificar o caso Meta, a UE na segunda-feira também encerrou uma investigação antitruste separada sobre um pacto de publicidade entre a Meta e o Google da Alphabet Inc. apelidado de “Jedi Blue”, após a conclusão de que o acordo não prejudicou a concorrência. A CMA do Reino Unido continua sua investigação sobre o acordo.

Por Bloomberg

Deixe um comentário