ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for pro Negocie como um profissional: Aproveite discussões em tempo real e ideias que movimentam o mercado para superar a concorrência.

Tecnologia Blockchain: o futuro do sistema financeiro da América Latina

LinkedIn

Roger Manuel Benites é diretor de desenvolvimento do The Blockchain Center, uma organização sem fins lucrativos 503(c) especializada na educação e adoção de blockchain, criptomoeda e tecnologias de ativos digitais.
__________

Voltei para Lima (Peru) no ano de 2013 quando fui apresentado ao Bitcoin pelo meu irmão Roger Gabriel Benites. Foi enquanto morava na Argentina que Roger Gabriel foi exposto pela primeira vez a uma moeda digital conhecida como Bitcoin e ao dólar premium inflado, “dollar blue”. A rede de moeda Bitcoin, apoiada por tecnologia blockchain, capacita os não-bancarizados e os bancários, libertando-os do banco central e das moedas nacionais instáveis. Em 2013, o Bitcoin ganhou destaque enquanto a Argentina lutava contra a hiperinflação provocada por políticas financeiras e complexas políticas governamentais. Ficou claro para mim e meu irmão que o Bitcoin (COIN:BTCUST) tinha o potencial de aliviar muitos dos problemas monetários que atrasavam as economias em desenvolvimento na América Latina e no mundo.

A experiência me provou que o desenvolvimento econômico só é possível quando as pessoas podem confiar em seu sistema monetário e no estado de direito. Ficou claro que o Bitcoin como moeda e rede monetária, que estava além do alcance de políticas desafiadoras, poderia acelerar as economias em desenvolvimento.

Nenhum outro grupo se beneficiou mais do acesso ao sistema monetário global Bitcoin do que os não-bancarizados, que constituem uma porcentagem significativa de pessoas na América Latina.

A única questão era a melhor forma de implementar uma tecnologia que em 2013 ainda era tão nova e experimental.

O principal objetivo dessa tecnologia era reduzir os custos e encargos impostos pelos sistemas legados que controlam e supervisionam os pagamentos de remessas das economias subdesenvolvidas do mundo. A tecnologia Bitcoin tinha o potencial de movimentar dinheiro sem problemas, aumentando o crescimento econômico em todos os países que a adotassem e construíssem sobre ela. Com a proeza tecnológica para substituir a atual rede financeira antiga e desatualizada conhecida como SWIFT, nossas nações economizariam milhões para o povo da América Latina todos os anos, permitindo pagamentos estáveis ​​de remessas e trocas de moeda em tempo real. As empresas de remessas na América Latina que estavam sujeitas a moedas hiperinfladas, sistemas políticos desatualizados e altos custos estavam prontas para a disrupção.

Pesquisa e Desenvolvimento de Blockchain nos EUA – Norte e Sul das Américas

Voltei para os EUA , Nova York e Connecticut, para continuar minha pesquisa em tecnologia blockchain em 2016 e pude fazer parte de vários projetos-piloto de contrato inteligente de blockchain especializados em aplicações financeiras descentralizadas, imobiliárias, médicas e governamentais. Minha equipe e eu pudemos pesquisar e desenvolver vários casos de uso de blockchain e aplicações práticas para problemas do mundo real.

Grande parte dessa pesquisa foi publicada como parte de um livro educacional sobre Blockchain, intitulado “Blockchain for Accounting and Business”, escrito por Saurav Dutta e distribuído globalmente para instituições acadêmicas e financeiras. Em 2018, surgiu em Miami a oportunidade de criar um centro Bitcoin que mais tarde evoluiu para The Blockchain Center. O Blockchain Center é uma organização sem fins lucrativos desenvolvida para facilitar a adoção convencional da tecnologia blockchain e criptomoeda por meio de projetos de impacto político, financeiro e de mídia em níveis nacional e internacional. O Bitcoin Center foi fundado em 2014 pelo pioneiro do Bitcoin, Nick Spanos, sob o nome de “The Bitcoin Center”, e foi apresentado no documentário da Netflix “Banking on Bitcoin”.

“O Blockchain Center Miami foi criado para formar um centro econômico e de inovação no centro de Miami, atraindo empresas de blockchain e tecnologia de Nova York, São Francisco e do mundo. Tivemos um grande apoio da prefeitura local desde o início e até hoje eles têm sido um forte defensor da criptomoeda e da inovação em blockchain.” -Nick Spanos

O objetivo inicial era que a cidade de Miami se tornasse o “Vale do Silício da América Latina” para aumentar o crescimento econômico, o desenvolvimento de talentos e a inovação. Como a cidade continua a impulsionar as tecnologias de criptomoeda e blockchain em sua agenda, Miami está prestes a se tornar a cidade mais disruptiva quando se trata de aplicativos descentralizados de blockchain do governo, como votação e gerenciamento de ativos públicos por meio de contratos inteligentes. Miami é o centro das importações e exportações da América Latina, das comunicações celulares/satélite e, mais importante, das instituições financeiras latino-americanas que detêm a maior parte da riqueza do continente.

Isso posiciona Miami como a zona neutra perfeita para todos os países da América Latina e o ponto de partida para uma união latino-americana.

Ao experimentar em primeira mão o crescimento dos apoiadores da tecnologia blockchain, ficou claro que os latino-americanos acreditam em uma união que transformaria nossos países em desenvolvimento em países prósperos. Isso pode ser feito unindo e ultrapassando sistemas ineficientes de governo e dinheiro.

Uma América Latina mais unida

Para entender melhor a situação atual do progresso continental latino-americano, atualmente existem três organizações que foram desenvolvidas para criar uma América Latina mais unida, a Alianza del Pacifico , o Mercado Comun del Sur (Mercosul) e os Mercados Integrados Latino Americanos (MILA). Essas organizações foram projetadas para convergir os países latino-americanos para proporcionar prosperidade econômica por meio da adoção de políticas financeiras e monetárias, mas estão divididas devido a interesses estrangeiros relacionados aos EUA, China e Rússia. O oeste da América Latina é apoiado pela Alianza del Pacifico, enquanto o leste é apoiado pelo Mercosul. O MILA é uma organização criada para integrar os mercados financeiros dos países latino-americanos. Atualmente, são quatro países inscritos:Peru, Colômbia, Chile e México. A integração visa fortalecer o mercado de capitais para aumentar a confiança dos investidores na oferta de valores mobiliários e emissores, e aumentar maiores fontes de financiamento.

O primeiro marco da iniciativa é a implementação de uma nova organização onde todos os países latino-americanos aceitam e promovem o crescimento econômico e a inovação usando infraestruturas financeiras descentralizadas e tecnologias blockchain, bem como fortes parcerias públicas e privadas para o objetivo geral de uma América Latina forte e unida.

Para construir o futuro, é preciso entender o passado

Na década de 1920, o governo alemão, sob a República de Weimar, estava passando por hiperinflação após a Primeira Guerra Mundial. O país precisava desesperadamente reconstruir sua economia, mas carecia das reservas de ouro necessárias. Para superar esse desafio, a República de Weimar desenvolveu um novo tipo de moeda conhecida como “Rentenmark”, que era resgatável por títulos de terras e plantas industriais, a fim de estabilizar a moeda e trazer de volta a confiança dos investidores estrangeiros. A República de Weimar também introduziu novas medidas fiscais para garantir a estabilidade dos Rentenmarks. O crédito não foi oferecido à indústria alemã para evitar a especulação generalizada por meio de alavancagem e inflação subsequente. Com a escassez da moeda, as notas emitidas retornaram a níveis aceitáveis ​​e a confiança voltou temporariamente à economia alemã.

Comitê Dawe

O Comitê Dawes criou uma solução inovadora para administrar os fundos arrecadados com a venda do Rentenmark. O processo começou com o governo alemão levantando dinheiro para reparações de guerra e, em seguida, transferindo esses fundos para uma conta especial no Reichsbank, que seria administrada e supervisionada por um agente-geral americano. Esse novo escritório decidiria então como os fundos deveriam ser usados, seja para pagar dívidas, comprar mercadorias alemãs ou fornecer crédito para empresas locais.

Esse engenhoso mecanismo garantiu que esses ativos fossem devidamente distribuídos e investidos.

Outro estudo de caso de como uma nação ou estado pode alavancar sua riqueza de recursos naturais pode ser visto no Fundo Permanente do Alasca. O Fundo Permanente do Alasca foi estabelecido pelo Estado do Alasca por meio de uma emenda constitucional em 1976, antes do início da produção do oleoduto trans-Alasca. O objetivo do fundo era monetizar uma parte das receitas do petróleo do estado para as necessidades das futuras gerações de habitantes do Alasca. Alguns anos depois, após a indução, o governo do Alasca formou a Alaska Permanent Fund Corporation(APFC) para administrar os investimentos do Fundo Permanente fora do Tesouro Estadual. Os investimentos foram então orientados por um conselho de curadores de seis membros nomeados pelo governador. O Fundo usa os royalties do petróleo para fazer investimentos em títulos, ações, imóveis, infraestrutura e entidades privadas. Todos os anos, os pagamentos do fundo são feitos aos residentes do Alasca, que são usados ​​para economias universitárias, contas de aposentadoria, instituições de caridade e despesas básicas de vida.

A APFC injetou com sucesso milhões na economia (bilhões até 2023) nos primeiros anos da criação do fundo e somente no ano passado injetou 2,1 bilhões na economia.

Estudos têm mostrado que reduziu a taxa de pobreza do estado desde a sua aprovação pela Constituição do Alasca. De acordo com o Instituto de Pesquisa Social e Econômica de 2011-2015, o fundo reduziu a taxa de pobreza no Alasca de 11,4% para 9,1%. O Fundo Permanente conseguiu gerar receita contínua para o Estado do Alasca e as futuras gerações de seu povo.

Um mecanismo semelhante poderia ser aplicado a economias em desenvolvimento com vastos recursos naturais inexplorados.

Mecanismo engenhoso, contas de garantia e acordos com várias partes?

Esses são termos bancários financeiros conhecidos que têm sido usados ​​e implementados há muito tempo, o que faz a pergunta: o blockchain e a tokenização podem ajudar a aumentar a transparência e a eficiência e desbloquear o potencial de ativos ilíquidos?

Começaremos explicando o que é um contrato inteligente de blockchain e, de acordo com a IBM, “contratos inteligentes são simplesmente programas armazenados em um blockchain que são executados quando condições predeterminadas são atendidas. Eles normalmente são usados ​​para automatizar a execução de um acordo para que todos os participantes possam ter certeza imediata do resultado, sem o envolvimento de qualquer intermediário ou perda de tempo. Eles também podem automatizar um fluxo de trabalho, acionando a próxima ação quando as condições forem atendidas”.

Para simplificar isso, os contratos inteligentes podem ajudar as transações entre várias partes a serem mais transparentes, eficientes e, acima de tudo, justas, uma vez que toda decisão é governada e verificada por código de computador e todas as partes precisam concordar para passar para o próximo evento.

Existem várias etapas na cadeia de abastecimento de recursos naturais, como a mineração de ouro ou o cultivo de soja. Muitas partes estão envolvidas nesse processo e ser capaz de verificar se certas quantidades do fornecimento são válidas são fatores-chave que os contratos inteligentes de blockchain podem ajudar a validar, além de fornecer um valor total em tempo real mais preciso bloqueado de ativos em um digital ou físico abóbada ou melhor ainda, abóbadas phygital. Por exemplo, o Comitê Dawes poderia ter usado contratos inteligentes ao lidar com as várias partes envolvidas para transações de liquidação instantânea e verificação de ativos se a tecnologia estivesse disponível no momento. As partes no contrato inteligente seriam o governo alemão, o comitê Dawes e os compradores do Rentenmark.

blockchainlatinamerica

 

Iniciativa Latam, Bitcoin e DeFi: um futuro brilhante para economias subdesenvolvidas

A natureza descentralizada e segura do blockchain do Bitcoin, bem como sua ampla aceitação por instituições financeiras e grande volume de negócios, o tornam uma base ideal para uma nova solução que visa melhorar os sistemas econômicos e governamentais na América Latina. Ao aplicar as métricas de rede do Bitcoin para monitorar a taxa de produção de recursos naturais de um país e validar as reservas de ativos, a transparência e a confiança podem ser estabelecidas na rede.

A proposta da rede Nuevo Sol visa construir uma rede de provedores de recursos confiáveis, incluindo empresas privadas e organizações públicas, que devem cumprir uma cota de entrega para manter a confiabilidade e força.

Ao implementar uma rede financeira descentralizada regida por contratos inteligentes, a rede Nuevo Sol pode promover a estabilidade de preços, aumentar a liquidez e impulsionar o crescimento econômico para todos os cidadãos.

Este novo mecanismo permitirá que as nações latino-americanas em desenvolvimento com potencial inexplorado valorizem adequadamente os recursos naturais de cada país por meio da tokenização. Será capaz de fornecer às pessoas um meio estável de troca de valor e proporcionar igualdade econômica a todos os seus cidadãos, fornecendo acesso a tecnologias financeiras descentralizadas para os não-bancarizados.

Com informações de CryptoNews

Deixe um comentário