ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for discussion Cadastre-se para interagir em nossos fóruns de ativos e discutir com investidores ideias semelhantes.

Negociações sobre limite da dívida nos EUA enfrentam impasse, aumentando riscos de calote

LinkedIn

Faltando uma semana até o prazo fatal (1º de junho) em que o governo dos EUA terá dificuldades de pagar suas contas se não elevar o teto da dívida, o impasse entre democratas e republicanos persiste e estende a aversão dos mercados globais ao risco.

As negociações sobre o limite da dívida em Washington entraram em um novo impasse, com os negociadores distantes em questões-chave, especialmente os cortes de gastos exigidos pelos republicanos. O tempo está se esgotando para evitar um calote histórico dos EUA.

Não há sinal de que o presidente Joe Biden e o presidente da Câmara, Kevin McCarthy, tenham falado desde sua reunião na Casa Branca na segunda-feira. Uma nova rodada de discussões entre os negociadores escolhidos por ambos os lados na terça-feira terminou sem acordo sobre o aumento do limite de empréstimos federais.

Os republicanos da Câmara acusaram Biden de falta de urgência nas negociações, enquanto um assessor democrata afirmou que McCarthy não estava disposto a fazer concessões em uma ampla gama de questões disputadas, ameaçando as perspectivas de um acordo legislativo.

O impasse em Washington continua a afetar os mercados de ações, pressionando as ações asiáticas na quarta-feira, enquanto os futuros de ações dos EUA permanecem estáveis após quedas de mais de 1% no S&P 500 e no Nasdaq 100 na terça-feira. Os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA de 10 anos estão moderadamente mais baixos nas negociações asiáticas, já que os investidores buscam ativos seguros.

Se ocorrer um calote, os economistas projetam que isso pode levar os EUA à recessão, com perdas generalizadas de empregos e outras consequências econômicas que afetarão o próximo ano eleitoral.

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, afirmou na segunda-feira que é “altamente provável” que o departamento fique sem dinheiro no início de junho sem uma extensão do limite da dívida, e reiterou seu alerta de que o momento crítico pode chegar já em 1º de junho.

O representante republicano Garret Graves, da Louisiana, um dos principais negociadores de McCarthy, sugeriu poucas horas após uma reunião de duas horas no Capitólio que os dois lados estão em um impasse.

“O ponto principal é que teremos que ver algum movimento ou alguma mudança fundamental no que eles estão fazendo”, disse Graves sobre a equipe de negociação da Casa Branca. “No momento, não temos reuniões adicionais agendadas.”

McCarthy informou a Biden que não pretende recuar em sua recusa pública em aceitar impostos adicionais como parte de um acordo. Ele também afirmou que os gastos com defesa devem aumentar, enquanto os gastos discricionários não relacionados à defesa devem ser reduzidos, de acordo com um assessor democrata. McCarthy rejeitou ainda os pedidos da Casa Branca para reduzir os requisitos de trabalho propostos para programas de vale-refeição.

A Casa Branca afirmou que Biden rejeitaria categoricamente qualquer proposta que impusesse requisitos de trabalho aos programas federais de saúde, ou qualquer esforço para revogar a legislação da Lei de Redução da Inflação assinada pelo presidente.

McCarthy provavelmente tem pouco espaço para ceder, pois busca manter unida uma frágil coalizão republicana. Os republicanos desejam reduzir os gastos domésticos ao longo de um maior número de anos, enquanto os democratas oferecem cortes mais modestos em um período menor.

Os democratas argumentam que, embora Biden tenha feito concessões, incluindo um teto de gastos de dois anos e a destinação de fundos não utilizados para o coronavírus, McCarthy recusou incentivos que poderiam atrair apoio dos legisladores democratas.

Hakeem Jeffries, líder democrata na Câmara, afirmou a repórteres que um congelamento nos níveis de gastos de 2023 seria um compromisso “razoável”. Jeffries, que se opõe aos requisitos de trabalho, disse que qualquer acordo que exija votos democratas deve refletir as prioridades democratas.

Os republicanos acreditam que McCarthy possui influência nas negociações, especialmente após a inicial recusa de Biden em negociar sobre o limite da dívida. Pesquisas mostram que os americanos geralmente apoiam uma combinação de cortes de gastos e aumento do limite da dívida, embora esse apoio diminua quando os programas específicos sujeitos a cortes são detalhados.

Ao mesmo tempo, um grupo de democratas moderados da Câmara está se preparando para ajudar a preservar a posição de McCarthy caso ele chegue a um acordo bipartidário para evitar um calote dos EUA que possa desencadear uma revolta dos ultraconservadores.

Embora a oferta ainda seja hipotética, pelo menos 10 democratas estão prontos para atravessar as linhas partidárias e ajudar McCarthy a manter seu cargo como presidente da Câmara, caso republicanos de linha dura tentem destituí-lo após um acordo sobre o limite da dívida. O deputado Dean Phillips, de Minnesota, que está envolvido no esforço, compartilhou essas informações.

Deixe um comentário