ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for discussion Cadastre-se para interagir em nossos fóruns de ativos e discutir com investidores ideias semelhantes.

Meta Platforms enfrenta audiência fechada da UE sobre alegações de abuso de domínio

LinkedIn

A Meta Platforms Inc (NASDAQ:META) está se preparando para um confronto com a União Europeia em relação às acusações de esmagar a concorrência de empresas de anúncios classificados ao vincular o Facebook Marketplace à sua enorme rede social.

A Meta Platforms também é negociada na B3 através do ticker (BOV:M1TA34).

Em uma audiência a portas fechadas em Bruxelas, a empresa de mídia social buscará refutar as alegações da UE de que seu comportamento constituiu um abuso ilegal de domínio, de acordo com fontes familiarizadas com o assunto.

A Comissão Europeia emitiu uma declaração de objeções contra a Meta em dezembro, alegando que impôs termos comerciais injustos e condicionou o acesso ao Facebook Marketplace à posse de uma conta na rede social. Processos como esse podem resultar em multas pesadas e exigências para corrigir os modelos de negócios.

Os reguladores da UE afirmam que a Meta utilizou dados de serviços concorrentes de anúncios classificados em sua plataforma de mercado, impondo uma vantagem injusta. O caso também está sendo investigado por outros órgãos reguladores, incluindo a Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido.

A audiência de quinta-feira ocorrerá a portas fechadas, e a Comissão Europeia se recusou a fazer comentários sobre o caso. A Meta reiterou que as alegações são infundadas e afirmou que continuará colaborando com as autoridades reguladoras.

Esta não é a primeira vez que a Meta enfrenta desafios regulatórios na UE. A empresa perdeu um caso em maio relacionado à coleta de informações de seus funcionários, e recentemente o Tribunal de Justiça da UE apoiou uma ordem antitruste alemã contra a empresa em relação ao uso de dados de usuários para obter vantagem competitiva.

Deixe um comentário