ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for smarter Negocie de forma mais inteligente, não mais difícil: Libere seu potencial com nosso conjunto de ferramentas e discussões ao vivo.

Petrobras: acionistas minoritários começam a semana com mais dúvidas do que certezas

LinkedIn

Os acionistas minoritários da Petrobras começam a semana com mais dúvidas do que certezas. Se alguém tinha a esperança de que algo fosse definido, sobre o futuro do comando da Petrobras, logo cedo, nesta segunda-feira, melhor esquecer.

A reunião que poderia trazer alguma definição sobre a permanência ou não de Jean Paul Prates como CEO da Petrobras, neste domingo, ou seja antes da abertura do mercado, foi cancelada, segundo a Reuters.

O presidente Lula, que tem a palavra final de qualquer definição sobre a cadeira mais importante da Petrobras (BOV:PETR3) (BOV:PETR4), teria se irritado com o vazamento da reunião, com os ministros da Fazenda, Fernando Haddad, de Minas e Energia, Alexandre Silveira, e da Casas Civil, Rui Costa, e declinado.

Na sexta-feira, o ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Paulo Pimenta, afirmou que a Petrobras contaria com ambiente de “estabilidade” nas próximas horas ou nos próximos dias.

Conforme a Reuters, uma das fontes ouvidas neste domingo afirmou que a expectativa é de que Prates não “chegue ao final da semana” como CEO.

O presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, um petista histórico, foi citado na última semana entre os cotados para assumir o posto de Prates – o que derrubou as ações da petroleira.

As conversas sobre eventual saída de Prates ganharam força em meio a embates com o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, sobretudo após debates sobre o pagamento de dividendos extraordinários pela empresa.

Para hoje, ao final do dia, uma nova reunião está prevista, entre Lula e Haddad. Além da questão da posição de Prates, a questão dos dividendos extraordinários da Petrobras deverá estar na pauta, já que esse dinheiro ajudaria – e muito – o governo na redução do déficit fiscal.

Petrobras: conselho

Se há atritos entre os acionistas controladores, o mesmo não poderia deixar de ocorrer entre os minoritários.

Em entrevista ao jornal O Globo, um dos representantes dos minoritários no conselho na Petrobras, Marcelo Gasparino, sugeriu atuação política de conselheiros que representam a União.

Segundo o G1, como resposta, o presidente do Conselho de Administração, Pietro Mendes, indicado pela União, reagiu.

Pietro enviou mensagem a Gasparino e disse que ele fez “acusação grave aos conselheiros indicados pela União”, com base na entrevista.

Ainda segundo o G1, Pietro também pediu uma série de esclarecimentos a Gasparino, entre os quais, que apontasse quais deliberações “foram tomadas com intuito de prejudicar a Petrobras para atender a interesses políticos?”.

Pietro também solicitou que Gasparino apresentasse provas do que disse ao jornal.

Por sua vez, Gasparino respondeu, conforme o G1, que, como as mensagens foram direcionadas a ele, solicitaria que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) “seja acionada imediatamente pela companhia para apurar eventuais condutas deste conselheiro”.

Na sexta, outro conselheiro representantes dos minoritários, criticou as discussões sobre troca de comando.

“A turbulência informacional acaba por criar grande inquietação para mercado, empresa e profissionais, o ponto baixo desse processo tem sido a disseminação de informações até de caráter reservado”, disse Francisco Petros.

Justiça suspende conselheiro

Agora pela manhã, a Petrobras informou que a Justiça de São Paulo determinou a suspensão do conselheiro Sérgio Machado Rezende do exercício da cargo.

A companhia afirmou que a decisão foi proferida pela 21ª vara federal de São Paulo a partir de uma ação popular.

A decisão ocorreu, segundo comunicado da Petrobras, por “suposta inobservância de requisitos do estatuto social da companhia na indicação”.

“A Petrobras buscará a reforma da referida decisão por meio do recurso cabível”, afirmou a empresa.

Informações Reuters

Deixe um comentário