ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for tools Aumente o nível de sua negociação com nossas ferramentas poderosas e insights em tempo real, tudo em um só lugar.

Cemig está concentrando seus investimentos em redes elétricas visando atrair mais indústrias para Minas Gerais

LinkedIn

A Cemig está concentrando seus investimentos em redes elétricas visando atrair mais indústrias para Minas Gerais em busca de energia limpa e barata na esteira da tendência mundial de “powershoring”, disse o presidente da estatal mineira.

Segundo Reynaldo Passanezi Filho, a companhia está conduzindo seu maior programa de investimentos da história, que prevê 50 bilhões de reais entre 2019 e 2028, com 80% dos recursos focados em modernização e expansão de redes de distribuição, que conectam a energia transportada pelo Sistema Interligado Nacional (SIN) com o consumidor final.

“Estamos de fato trabalhando no sentido de ser esse provedor de infraestrutura para o ‘powershoring’, para quem quiser se aproveitar da matriz renovável que o Brasil tem”, disse Passanezi.

“Nosso objetivo é sair de uma situação em que estamos atrás da demanda para ficarmos à frente da demanda, ter ‘grid’ para que a empresa venha. Tínhamos muita demanda reprimida que não tínhamos capacidade de atender.”

A Cemig (BOV:CMIG3) (BOV:CMIG4) já investiu 13,5 bilhões de reais desde 2019, em projetos como a substituição redes monofásicas por trifásicas em áreas rurais, e projeta mais36,5 bilhões de reais até 2028, com destaque para um crescimento de 50% do número de subestações da distribuidora mineira, a maior do país em número de clientes.

“Estamos preparados para a chegada de empresas consumidoras eletrointensivas e mesmo substituição de geradores a diesel, em áreas rurais.”

Como exemplo de mercados que o Estado mineiro busca atrair e incentivar, ele cita minerais críticos e os data centers, este último um mercado que também é grande consumidor de energia e que vem buscando suprir sua demanda com fontes renováveis.

O CEO da Cemig lembrou ainda que a elétrica pode ser uma supridora de energia para essas indústrias por meio de sua comercializadora e parque renovável, com negociações de contratos de energia de longo prazo.

Dentro dos avanços na área de geração, Passanezi afirmou que a companhia está entregando novas usinas solares de grande porte, com 180 megawatts (MW), em um movimento de diversificação de um portfólio hoje dominado pelas hidrelétricas.

A Reuters publicou em março que a Cemig estava finalizando seusprimeiros projetos de autoprodução de energia, na fonte solar, e que negociava contratos da modalidade com clientes potenciais somando 300 megawatts (MW) médios.

O executivo ressaltou que a empresa segue concentrada em suas operações em Minas Gerais, mantendo o plano de alienação das participações minoritárias em negócios fora do Estado e considerados não estratégicos, como a hidrelétrica de Belo Monte e outros.

Informações Reuters

Gratuito - Quero ver a lista de criptomoedas - clique no banner

Deixe um comentário