O Santander Brasil registrou lucro líquido gerencial de R$ 3,902 bilhões no terceiro trimestre, superando a expectativa do mercado. O resultado representa um aumento de 83% no trimestre e de 5,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

A expectativa para o lucro do Santander Brasil já era alta antes da divulgação do balanço, o banco conseguiu superá-la.

Os resultados do Santander (BOV:SANB3) (BOV:SANB4) (BOV:SANB11) referente a suas operações do terceiro trimestre de 2020, foram divulgados no dia 27/10/2020.

Com esse resultado, o Santander precisou de apenas um trimestre para retomar os níveis de rentabilidade do pré-crise — ou seja, uma verdadeira recuperação em “V”.

No acumulado nos 9 meses do ano, porém, o lucro do banco ainda segue em patamar abaixo do registrado em 2019. O lucro líquido societário soma R$ 9,611 bilhões, valor 7,9% menor em relação ao mesmo período do ano passado. Já o lucro gerencial soma R$ 9,891 bilhões, uma queda de 8,65%.

O retorno sobre o patrimônio líquido médio do banco (ROAE, na sigla em inglês) foi de 21,2% no terceiro trimestre deste ano, pouco acima dos 21,1% do mesmo período de 2019.

O lucro societário do Santander ficou em R$ 3,811 bilhões entre julho e setembro, com elevação de 5,6% ante igual intervalo de 2019.

→ O Banco Santander é um banco internacional com escala no Brasil, sendo o terceiro maior banco privado. Seu foco é varejo, possuindo cerca de R$ 857,5 milhões em ativos. O banco possui R$ 263 bilhões de valor de mercado. Confira a Análise completa da empresa com informações exclusivas.

As receitas de prestação de serviços e tarifas bancárias atingiram R$ 4,746 bilhões, com queda anual de 0,1%. No trimestre, houve alta de 15,7%. As despesas gerais totalizaram R$ 5,375 bilhões, com alta de 2,2% em um ano ano e de 3,6% no trimestre.

As despesas líquidas com provisões para devedores duvidosos (PDD) ficaram em R$ 2,916 bilhões, com queda de 12,5% ante o trimestre anterior e alta de 3,4% em relação ao terceiro trimestre de 2019.

O Santander Brasil informou que sua margem financeira bruta foi de R$ 12,432 bilhões no terceiro trimestre, com alta de 6,5% na comparação com o mesmo período do ano passado e queda de 8,7% em relação ao trimestre imediatamente anterior.

A margem com clientes foi de R$ 10,533 bilhões, com queda de 4,5% na comparação trimestral. Dentro dessa linha, a margem com produtos caiu 4,4%, a R$ 10,207 bilhões, enquanto a margem com capital de giro próprio encolheu 7,0%, a R$ 326 milhões. O volume médio ficou em R$ 397,081 bilhões, com alta trimestral de 1,3%, mas o spread caiu 0,7 ponto porcentual, para 10,2%.

Já a margem de operações com o mercado ficou em R$ 1,899 bilhão, com queda trimestral de 26,7%.

“Em três meses, a margem financeira bruta apresentou queda de 8,7%, impactada pela redução tanto da margem com clientes quanto da margem com mercado. A margem com clientes reduziu 4,5%, decorrente da menor receita de capital de giro próprio e de margem de produtos, impactadas pelos spreads e efeito mix”, diz o Santander.

Crédito acelera

A queda nas despesas com provisões para calotes em consequência da crise do coronavírus ajudou no resultado do Santander. A chamada PDD ficou em R$ 2,916 bilhões, um recuo de 55% no trimestre e de 7,5% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Com crise e tudo, o Santander manteve o pé no acelerador no crédito. O saldo da carteira de financiamentos do banco atingiu R$ 491 bilhões, um crescimento de 20,2% em 12 meses e 5,3% em relação ao trimestre anterior.

O destaque ficou com as operações com pequenas e médias empresas, que avançaram 14,6% no trimestre e 40,5% em relação a setembro do ano passado.

O índice de inadimplência na carteira de crédito do Santander segue controlado e fechou o terceiro trimestre em 2,1%, uma queda de 0,3 ponto percentual no trimestre e de 0,9 ponto em 12 meses.

Santander exporta maquininhas da Getnet para Argentina

Depois do Chile, o Santander levou o seu negócio de maquininhas do Brasil, concentrado na Getnet, para a Argentina, informa o banco espanhol, em relatório que acompanha suas demonstrações globais. O presidente do Santander Brasil, Sergio Rial, já havia antecipado o movimento de expansão internacional no início do ano, que engloba ainda o ingresso no mercado mexicano de pagamentos. “Continuamos exportando o modelo do Brasil de adquirência para outros países. Na Argentina, já lançamos a Getnet”, enfatiza o Santander, em seu balanço global. 

Além de exportar sua empresa brasileira de maquininhas, o banco espanhol também conseguiu uma licença bancária para o Openbank, braço digital do grupo, na Argentina. O banco central argentino deu seu aval em julho último.

Quanto ao Brasil, o banco cita o lançamento do Santander SX, que conecta com o sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, o PIX. Em outra frente, seguiu com a expansão do Prospera, seu programa de microcrédito, no Uruguai e, conforme o banco, estão sendo feito estudos mais detalhados da sua implementação para outras regiões.

O Santander informa ainda que adquiriu uma plataforma digital de financiamento de veículos no Peru e abriu a Sumo no Chile, uma agência digital. Ainda no mercado chileno, o banco seguiu debruçado na abertura de contas e em cartões pré-pagos.

Santander Brasil vai pagar R$ 1 bilhão em juros sobre capital próprio

O banco Santander Brasil aprovou a remuneração aos acionistas e anunciou o pagamento de juros sobre capital próprio. O valor total bruto chega a R$ 1 bilhão.  Após deduzido o valor relativo ao Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF), o montante líquido é de R$ 850 milhões.

TELECONFÊRENCIA 

Angel Santodomingo, vice-presidente executivo e de Relações com Investidores do banco, disse na Teleconfência que o banco não deve realizar mais provisões extraordinárias como feito frente à pandemia do novo Coronavírus.

Segundo Santodomingo, o banco “está confortável com a robustez do balanço, o que inclui as provisões extraordinárias feitas no segundo trimestre”.

“Não esperamos fazer nenhum outro tipo de provisões extraordinárias. No que se refere ao índice de cobertura, temos os R$ 3,2 bilhões provisionados de forma extraordinária no segundo trimestre, mas também provisionamos R$ 3 bilhoes no quarto trimestre de 2019. Acho que temos um balanço bem robusto e forte, mas temos que aguardar para ver como as coisas vão evoluir, as tendências econômicas do País. Estamos confortáveis, tanto em relação a cobertura como as provisões”, afirmou o executivo.

Em resposta a pergunta de um analista, Santodomingo disse que o índice de cobertura de 307% lhes parece conservador. “Pra nós, o índice de cobertura é um resultado, não temos que atingir um nível específico, depende de como classificamos nossas carteiras e como as gerimos”, disse.

O executivo pontuou que esse processo depende “não apenas em relação às necessidades regulatórias, mas também de acordo com nossos modelos de risco”. Para ele, o atual índice de cobertura, que é a razão entre as reservas financeiras e as despesas mensais, está em um patamar elevado.

Sendo o primeiro dos cinco maiores bancos do brasil a mostrar seus números do terceiro trimestre, o Santander demonstra uma forte recuperação da tendência de rentabilidade do setor.

VISÃO DE MERCADO

BB Investimentos

“Apesar de acreditarmos que os resultados dos próximos trimestres possam ser menos pujantes por conta de uma inadimplência maior do que se espera, estruturalmente entendemos que o Santander vem fazendo um bom trabalho”, disse Rafael Reis, que assina o relatório do BB Investimentos

Segundo Reis, a tese positiva do Santander se baseia no manejo do mix de crédito, na diversificação das receitas de serviços, na expansão das marcas digitais e na presença geográfica do nome. Além disso, as ações do setor bancário estão bem atraentes.

“As ações dos bancos em geral estão demasiadamente descontadas, o que deu uma motivação adicional para a valorização observada neste mês, um movimento que deve continuar”, afirmou Reis.

BB Investimento mantém recomendação de compra com preço-alvo de R$ 44,00 para o final de 2021.

BTG Pactual

Sim, o cenário melhorou para os bancos brasileiros nos últimos meses. As medidas governamentais foram eficazes na redução dos custos trabalhistas e do pagamento de salários. O governo e o Banco Central também agiram em tempo hábil para lançar programas de ajuda financeira para pessoas físicas e pequenas e médias empresas (como o Coronavoucher) e aumentar a liquidez do sistema financeiro, e a taxa de juros Selic em nível historicamente baixo também foi importante para reduzir os níveis de serviço da dívida. As expectativas de PIB aumentaram e um recente teste de estresse do Banco Central indica um cenário muito menos assustador. Isso, juntamente com melhores resultados reportados por bancos dos EUA, justifica uma recuperação recente.

Após uma apresentação anormalmente forte no 2T, os ganhos da tesouraria caíram 27% para R$ 1,9 bilhão, um nível ainda alto, mas mais normalizado. No total, a NII total (incluindo recuperações) caiu ~ 9% t/t, quase 5% abaixo de nossa estimativa. Os bancos estão sofrendo com seus NIMs (spreads) em todo o mundo, o que parece ser um problema estrutural.

É justo dizer que o regulador brasileiro é um dos mais ativos globalmente, e as implementações da agenda do Banco Central, que inclui o sistema de pagamento instantâneo PIX e o open banking, provavelmente irão adicionar mais pressão, além de aumento da competição e da Selic baixa. Dito isso, e embora as receitas de serviços do Santander tenham ficado estáveis no 3T, vimos uma recuperação t/t mais forte do que a esperada de 16%.

As tendências para a receita líquida permanecem desafiadoras, para dizer o mínimo, embora tendemos a ver o Santander como um outperformer devido ao seu tamanho menor. As despesas de provisionamento no 3T também estão em níveis pré-COVID-19, o que tendemos a ver com sentimentos contraditórios. Sim, a ação estava barata e vemos a recente alta como justificada, mas não ficaríamos surpresos em ver algum lucro sendo realizado no curto prazo.

Nossa principal ferramenta de valuation para os bancos da América Latina é o modelo de crescimento de Gordon, que trabalha com níveis de lucratividade, custo de capital e taxas de crescimento esperadas.

BTG Pactual tem recomendação neutra para Santander com preço-alvo de R$ 37,00…

Eleven Financial

Para os analistas da Eleven, o forte resultado ainda não foi impactado pela inadimplência devido às renegociações, porém a inadimplência de curto prazo já registrou um aumento de 0,40 p.p no trimestre. Um novo ciclo de inadimplência deverá se iniciar no 1T21e apesar de acreditarmos que será menos intenso do que ciclos anteriores, ainda mantemos cautela até ver o real impacto da inadimplência no portfólio do Santander.

A Eleven mantém a recomendação neutra do Santander com preço-alvo de R$ 38,00.

 

Guide Investimentos

Para Luiz Sales, analista de empresas, o Impacto é Positivo. Mostrando grande recuperação entre os trimestres, os Santander surpreendeu a expectativa do mercado com fortes números.

Safra

Os números do Santander chamaram a atenção do Safra, no entanto. Segundo o banco, o balanço demostra um recuperação em “V”, com lucro 28% acima da estimativa.

“O banco transmitiu uma indicação muito otimista de que o pior ficou para atrás, com a redução das provisões para perdas com empréstimos”, afirmaram os analistas Luis F. Azevedo e Silvio Dória.

As despesas operacionais também surpreenderam a dupla, atingindo R$ 7,863 bilhões, queda de 5,4% em relação ao ano anterior.

“Olhando para as despesas operacionais de caixa, elas ficaram quase em linha com o previsto, atingindo R$ 5,375 bilhões”, pontuaram.

A receita de cartões físicos disparou 17,6% e foi considerado pelo Safra o principal destaque do trimestre, com a retomada do consumo puxando a alta.

Safra mantém recomendação de compra, com preço alvo de R$ 46,00.

XP Investimentos

Embora consideremos as provisões ainda não normalizadas, temos agora mais visibilidade de uma possível redução sequencial dos níveis de provisionamento para os bancos incumbentes, o que deve aumentar o potencial para os bancos brasileiros e possíveis reavaliações de múltiplos. Mantemos nossa recomendação neutra e preço-alvo de R$ 32,00.

VISÃO TÉCNICA. Um oferecimento de YouTrade. Acesse: www.youtrade.pro.br


Gráficos GRATUITOS na br.advfn.com

Peça uma análise do seu portfolio de investimentos e ações. Clique e fale com o especialista.FaleComEspecialista

SANTANDER BR ON (BOV:SANB3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Out 2021 até Nov 2021 Click aqui para mais gráficos SANTANDER BR ON.
SANTANDER BR ON (BOV:SANB3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Nov 2020 até Nov 2021 Click aqui para mais gráficos SANTANDER BR ON.