O grupo Latam não pretende se desfazer de sua operação brasileira, de acordo com o presidente da empresa no Brasil, Jerome Cadier.

“Não há nenhuma intenção de separar a operação Brasil do grupo. A força da Latam está na complementaridade das operações (nos diferentes países). Separar não faz sentido econômico para o grupo”, disse o executivo ao Estadão.

A declaração foi feita após a Azul divulgar, na noite de segunda-feira, nota em que afirma que a consolidação do setor é uma “tendência” no pós-pandemia e que está em “uma posição forte para conduzir um processo nesse sentido”, em uma sinalização de que está interessada em comprar a concorrente.

Também na segunda-feira, a Latam anunciou que encerrou o acordo de compartilhamento de voos com a Azul (BOV:AZUL4). A parceria havia sido firmada no ano passado, no pior momento da crise para o setor. A ideia era que ela ajudasse as empresas a alavancar as receitas.

Cadier voltou a dizer, ontem, que o acordo foi encerrado porque ficou aquém das expectativas. Afirmou ainda que não houve conversas para vender a empresa.

No ano passado, quando as duas empresas se uniram no acordo de compartilhamento de voos – e com a Latam em recuperação judicial nos Estados Unidos -, já circulava no mercado a informação de que a Azul queria ficar com uma parte de sua concorrente. Uma eventual aquisição, no entanto, poderia enfrentar resistência no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), pois a empresa resultante concentraria mais de 60% do mercado.

A Latam afirma que está voltando a crescer no Brasil. Apesar de março e abril terem sido meses difíceis, a companhia percebeu uma melhora em maio e projeta estar operando com 90% da capacidade em dezembro, na comparação com o mesmo mês de 2019. No mês passado, a aérea operou com 38% e, agora, está com 49%.

De acordo com Cadier, a empresa pretende contratar 750 tripulantes até dezembro – no ano passado, 2,7 mil foram demitidos -, ampliar a frota de cargueiros de 11 para 21 e receber mais sete aviões para o transporte doméstico de passageiros.

VISÃO DO MERCADO

Itaú BBA

Segundo o Itaú BBA, em relatório, uma provável união não enfrentaria grandes problemas no Cade (Conselho de Administração e Defesa Econômica).

Isso porque a partir do primeiro trimestre, a sobreposição de voos entre Azul e Latam foi de apenas 6%, enquanto no caso da Azul e Gol a sobreposição foi de 17%.

“Esperamos que o Cade considere principalmente a sobreposição de rotas (o principal critério usado em análises pela agência) em vez das participações de mercado totais das empresas, o que nos leva a crer que qualquer uma das duas fusões podem obter luz verde”, afirma.

Além disso, de acordo com os analistas Thais Cascello, Gabriel Rezende, Luiz Capistrano e Mateus Raffaelli, o Cade poderia estar mais inclinado a permitir que a Azul e a Latam possam unir forças para competir com a Gol do que permitir que Azul e Gol unam seus negócios para competir com uma empresa que está passando por uma recuperação judicial, como a Latam.

Informações Broadcast

AZUL PN (BOV:AZUL4)
Gráfico Histórico do Ativo
De Jun 2021 até Jul 2021 Click aqui para mais gráficos AZUL PN.
AZUL PN (BOV:AZUL4)
Gráfico Histórico do Ativo
De Jul 2020 até Jul 2021 Click aqui para mais gráficos AZUL PN.