A Braskem está avisando seus funcionários que a Adnoc, a petroleira de Abu Dabhi, desembarca no Brasil a partir de janeiro para dar andamento às diligências que são parte do processo de aquisição que está sendo negociado com a Novonor e a Petrobras (BOV:PETR3) (BOV:PETR4), donas das maiores participações na petroquímica. A mensagem transmitida a funcionários é de que os negócios continuam acontecendo, apesar de uma nova crise em Alagoas, após o rompimento de uma das 35 minas de exploração de sal-gema desativadas desde 2019 na unidade de Maceió.

A informação levada foi a de que representantes da Adnoc estão marcando encontros com o alto escalão da Braskem para conduzir novas diligências. Em comunicado interno, a empresa avisa que haverá visitas técnicas de equipes da Adnoc junto com assessores globais em unidades da Braskem (BOV:BRKM5).

A petroquímica de Abu Dabhi já fez as diligências financeiras, que resultaram em uma proposta de R$ 10,5 bilhões por uma fatia de 38% no capital total da Braskem. Agora, faltam as diligências mais amplas, pelas quais a empresa terá acesso a documentos e informações comercialmente confidenciais, com o objetivo de mitigar riscos no negócio, como o de Alagoas. Posteriormente, a Adnoc pode apresentar uma proposta firme de preço, também chamada de vinculante.

Alagoas é onde reside o maior problema da Braskem. Em 2019, levou a holandesa LyondellBasell a desistir do negócio já confirmado pela petroquímica brasileira. A Braskem (BOV:BRKM5) tem provisões de R$ 14,4 bilhões pelo acidente geológico causado pela exploração de sal-gema em Maceió, dos quais já desembolsou R$ 9,2 bilhões. Existem ainda outros cerca de R$ 3 bilhões em ações na Justiça movidos pelo governo do Estado de Alagoas e Ministério Público que estão em discussão.

Mas o rompimento no último domingo da mina 18, uma das 35 desativadas em 2019 na lagoa Mundaú, trouxe novamente o problema aos holofotes, levando o Ministério Público Federal (MPF) a solicitar o bloqueio de R$ 1 bilhão da empresa. O pedido foi negado pela Justiça. As agências de classificação de risco Moody’s e Fitch rebaixaram a nota de crédito da Braskem nesta semana.

Oferta única

A gigante estatal árabe é dona da única proposta hoje na mesa, de R$ 10,5 bilhões, por uma fatia de 38% no capital total da petroquímica. Ao mesmo tempo, tem mantido negociações com o governo brasileiro desde o início do ano. A Braskem é controlada pela Novonor (ex-Odebrecht) e a Petrobras é sua maior sócia. A Petrobras, que tem direito de preferência na aquisição da Braskem, concluiu recentemente sua due diligence na empresa.

A ideia da Adnoc é marcar presença nas Américas com essa aquisição, criando uma plataforma de investimentos a partir da Braskem, que pode ter seu capital fechado. O eventual fechamento do negócio envolveria a aceitação da proposta por um grupo de cinco grandes bancos – Bradesco, Itaú, Santander, Banco do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) – que têm ações da Braskem, dadas em garantia por empréstimo pela então Odebrecht.

Procuradas, a Adnoc e a Braskem não comentaram.

Informações Broadcast
BRASKEM PNA (BOV:BRKM5)
Gráfico Histórico do Ativo
De Abr 2024 até Mai 2024 Click aqui para mais gráficos BRASKEM PNA.
BRASKEM PNA (BOV:BRKM5)
Gráfico Histórico do Ativo
De Mai 2023 até Mai 2024 Click aqui para mais gráficos BRASKEM PNA.