Prejuízo da Gol atinge R$ 1,1 bi no 4º tri e R$ 4 bi em 2015; Itaú recomenda “manter” ação com preço-alvo de R$ 4

LinkedIn

A Gol (BOV:GOLL4) divulgou hoje prejuízo líquido de R$ 1,13 bilhão no quarto trimestre, um salto de 79% sobre o resultado registrado no mesmo período do ano anterior.  Em 12 meses, a companhia aérea perdeu R$ 4,29 bilhões.

Sua geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação, amortização e aluguel de aeronaves (Ebitda, na sigla em inglês) somou R$ 398,9 milhões nos últimos três meses de 2015, uma queda de 17,3% na comparação anual.

Em relatório, a corretora Rico destaca o resultado como a maior perda anual da empresa, superando inclusive o recorde de prejuízo de todo o setor de aviação brasileiro, de R$ 3,63 bilhões, registrado em 2012. A receita líquida da Gol, na base anual, diminuiu de R$ 10 bilhões em 2014 para R$ 9,7 bilhões em 2015, uma baixa de 2,9%, assim como sua participação de mercado no período, que passou de 31,9% para 31,6%.

A Gol anunciou ainda que neste ano deverá fazer uma redução nos assentos disponíveis e partidas de 15% a 18%, com um corte na capacidade de 5% a 8%, superior aos 4% a 6% de corte previstos anteriormente.

Na avaliação dos estrategistas do Itaú Corretora, o balanço veio pior que o esperado. Ainda assim, a casa manteve sua recomendação como manter, ou em linha com a média do mercado, e preço-alvo de R$ 4 para o final de 2016.

No mesmo sentido, no Deutsche Bank, os analistas Michael Linenberg, Richa Talwar e Catherine O’Brien recomendaram a manutenção dos papéis da aérea, com preço-alvo de R$ 28,96 (US$ 8). O banco alemão citou também, que para fazer frente aos gastos, a companhia prepara a venda de US$ 1 milhão de bilhetes antecipados para seu programa de fidelização, Smiles, condicionada à venda de cinco aeronaves, a suspensão de sete destinos e a redução do plano de compra de novos aviões entre 2016 e 2017 de 15 para um.

Por volta das 15h, as ações preferenciais (PN, sem voto) da Gol perdiam 5,81%, cotadas a R$ 3,09, enquanto o Ibovespa subia 1,62%, aos 52.003 pontos.

Deixe um comentário