Ciclo de debates na UFBA discute impeachment, manifestações e o poder da mídia

LinkedIn

Quatro convidados com histórico de militância em partidos políticos brasileiros fizeram parte do segundo dia do ciclo de debates Cultura e Democracia, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), nesta terça-feira (5) em Salvador.

A diretora da Escola Nacional de Formação do PT, Selma Rocha, abriu a mesa redonda – mediada pelo vice-reitor da UFBA, Paulo Miguez- e fez um breve balanço do que ela considera avanços conquistados pelo Brasil, promovidos pelo partido do qual faz parte. Sobre acusações de corrupção, a diretora defendeu o partido e a si mesma e atribuiu as manifestações sociais contra o impeachment nas ruas à união popular.

“Esse revigoramento nas ruas é resultado da união de classe e a dialética do conflito que fez as pessoas irem às ruas, além da luta de classes. Não acho que possa haver transformação social sem participação dos trabalhadores, principalmente nas ruas. O Brasil não terá saída sem integração, porque ela é necessária, sob a pena de não conseguirmos avanços”, disse Selma. “Tem que deixar Dilma governar, que é o que a direita ainda não fez, com mudanças econômicas principalmente”.

Eleições gerais

O segundo palestrante do debate, na reitoria da UFBA, foi o ex-candidato à Presidência da República pelo PSTU, Zé Maria. O político teceu críticas ao atual governo federal e defendeu  novas eleições, sem financiamento de empresas,  com “direitos iguais em debates televisivos”.

Zé Maria ainda disse que, apesar de não defender o governo Dilma, não se enquadra na direita brasileira. “Há uma polarização que leva parte da classe trabalhadora a cair no canto da sereia de partidos de direita”. Para ele, o atual cenário político brasileiro está conflituoso, porque o governo fez alianças questionáveis e isso fez com que “as classes trabalhadoras buscassem a primeira alternativa” ao apoiar políticos de direita. Ao se dizer contra o impeachment, o político defendeu novas eleições gerais, para atender as necessidades brasileiras.

Poder da mídia
O jornalista e escritor, José Arbex Júnior, foi o terceiro convidado a opinar sobre o panorama atual político no Brasil. Inicialmente, o intelectual criticou o acúmulo de riquezas que existe no país, o que, segundo ele, reflete o funcionamento do capital financeiro em todo o mundo. Arbex Jr atribuiu situações nas quais presidentes da América Latina foram depostos nos últimos anos ao poder da mídia. Ainda sobre os meios de comunicação, o jornalista contestou os números divulgados pela imprensa em relação aos protestos contra e a favor do impeachment.

“A mídia é competente para separar as boas manifestações, dos vândalos. Isso é gravíssimo. Não discordo das críticas ao PT, mas o Zé Maria foca os olhos no partido, que não se resume a Lula ou Dilma. Quando eu digo que o PT foi às ruas e levou determinado número de pessoas às ruas, não foi a Dilma ou o Lula, foi o projeto do partido e toda a sua história”.

Apesar de defender o partido, Arbex Jr negou defender o governo Dilma. “Se a burguesia tirá-la com base na iniciativa de um corrupto que é [o presidente da Câmara, Eduardo] Cunha, a esquerda vai precisar de décadas para se recuperar desse golpe.  Impeachment não”.

Movimento popular
O outro debatedor que participou do ciclo Crise e Democracia, foi o secretário nacional de Cultura do PCdoB, Javier Alfaya. Ele defendeu a força do movimento popular aliado à esquerda. Alfaya disse reconhecer a dificuldade em governar um país com histórico ligado à escravidão e ao autoritarismo da ditadura militar.

“As forças políticas devem enfrentar esse dilema. Um dos erros do governo foi não transformar a legislação dos meios de comunicação, porque a mídia não é regulamentada. São reformas pendentes que precisamos enfrentar, mas a solução não é a correlação de forças. A democracia precisa ser construída a partir de um jogo que parte de uma nova hegemonia”, disse Alfaya.

Após as apresentações de ideias sobre o atual cenário político brasileiro, estudantes e professores da Universidade fizeram perguntas e opinaram sobre as falas dos convidados, que encerraram a segunda noite do evento.

Nesta quarta-feira (6), o ciclo de debates terá a participação prevista de Haroldo Lima, Vladimir Safatle, Valter Pomar e Jorge Almeida. O encontro será na Reitoria da UFBA, em Salvador. O evento é transmitido todos os dias, a partir das 18h, pela internet, no site http://aovivo.ufba.br/criseedemocracia.

Deixe um comentário

Seu Histórico Recente
BOV
VALE5
Vale PNA
BOV
IBOV
iBovespa
BOV
PETR4
Petrobras
BOV
IGBR3
IGB SA
FX
USDBRL
Dólar EUA ..
Ações já vistas aparecerão nesta caixa, facilitando a volta para cotações pesquisadas anteriormente.

Registre-se agora para criar sua própria lista de ações customizada.

Faça o login em ADVFN
Registrar agora

Ao acessar os serviços da ADVFN você estará de acordo com os Termos e Condições

Support: (11) 4950 5808 | suporte@advfn.com.br

V: D: 20230607 11:31:56