IPCA: inflação mensal aferida em Fortaleza é a maior do país em março de 2016

LinkedIn

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do mês de março de 2016 apresentou oscilação mensal de 0,43%. Essa taxa de variação é 0,47% menor que a valorização registrada no mês anterior (0,90%) e 0,89% menor que a aferida em março de 2015 (1,32%). A inflação do terceiro mês de 2016 foi a menor variação mensal registrada em meses de março desde 2012, quando o indicador subiu 0,21%. Com o resultado apurado em março, o IPCA acumulado nos doze meses de 2016 passou para 9,39% e o acumulado do ano ficou em 2,62%. Dentre as treze regiões metropolitanas pesquisadas para elaboração do indicador, todas registraram desaceleração da variação mensal. O índice regional mais elevado foi o da região metropolitana de Fortaleza (0,72%) e o menor índice foi o da região metropolitana de Salvador (-0,14%).

Sobre os índices regionais, o maior foi o da região metropolitana de Fortaleza, com 0,72%, pressionado pela alta de 6,93% dos cursos regulares, que têm data de reajuste diferenciada das demais regiões. O menor índice foi o da região metropolitana de Salvador, que ficou em -0,14% em razão, principalmente, da queda de 8,55% no item energia elétrica, além do preço do litro da gasolina, que ficou 2,41% mais barato.

Confira abaixo as variações percentuais do IPCA nas treze capitais aferidas pelo indicador:

– O índice de preços aferido no Rio de Janeiro registrou alta de 0,68% em fevereiro e ficou mantido em 0,29% em março (diferença de variação de -0,39%).

– O índice de preços aferido em São Paulo registrou alta de 0,82% em fevereiro e alta de 0,57% em março (diferença de variação de -0,25%).

– O índice de preços aferido em Campo Grande registrou alta de 0,54% em fevereiro e alta de 0,43% em março (diferença de variação de -0,11%).

– O índice de preços aferido em Goiânia registrou alta de 0,81% em fevereiro e alta de 0,56% em março (diferença de variação de -0,25%).

– O índice de preços aferido em Vitória registrou alta de 0,26% em fevereiro e alta de 0,16% em março (diferença de variação de -0,10%).

– O índice de preços aferido em Porto Alegre registrou alta de 0,97% em fevereiro e alta de 0,67% em março (diferença de variação de -0,30%).

– O índice de preços aferido em Fortaleza registrou alta de 0,80% em fevereiro e alta de 0,72% em março (diferença de variação de -0,08%).

– O índice de preços aferido em Belo Horizonte registrou alta de 0,99% em fevereiro e alta de 0,49% em março (leve diferença de variação de -0,50%).

– O índice de preços aferido em Belém registrou alta de 1,11% em fevereiro e alta de 0,53% em março (diferença de variação de -0,58%).

– O índice de preços aferido em Curitiba registrou alta de 0,83% em fevereiro e alta de 0,57% em março (diferença de variação de -0,26%).

– O índice de preços aferido em Salvador registrou alta de 1,41% em fevereiro e baixa de -0,14% em março (diferença de variação de -1,55%).

– O índice de preços aferido em Brasília registrou alta de 0,69% em fevereiro e alta de 0,12% em março (diferença de variação de -0,43%).

– O índice de preços aferido em Recife registrou alta de 1,29% em fevereiro e baixa de -0,04% em março (diferença de variação de -1,33%).

O IPCA é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) desde 1980 e se refere às famílias com rendimento monetário mensal de 01 (um) a 40 (quarenta) salários mínimos. A coleta de preços é realizada em estabelecimentos comerciais, prestadores de serviços, domicílios e concessionárias de serviços públicos.

Para cálculo do IPCA em março de 2016 foram comparados os preços coletados no período de 30 de fevereiro a 27 de março de 2016 (referência) com os preços vigentes no período de 30 de janeiro a 29 de fevereiro de 2015 (base).

Deixe um comentário