PMC: Volume de vendas no comércio varejista brasileiro caiu em 14 dos 27 locais pesquisados pelo IBGE em Janeiro de 2017

LinkedIn

Na passagem de dezembro de 2016 para janeiro de 2017, na série com ajuste sazonal, as vendas no varejo recuam em 14 das 27 unidades da federação, com variações negativas a dois dígitos observadas em Roraima (-16,8%); Distrito Federal (-14,2%) e Goiás (-11,6%). Nessa mesma comparação, Bahia registrou estabilidade no volume de vendas.

Frente a janeiro de 2016, o comércio varejista registrou queda no volume de vendas em 24 das 27 unidades da federação, com destaque negativo, em termos de magnitude da taxa, para Distrito Federal, com -20,9%. Por outro lado, Alagoas (1,5%) e Santa Catarina (0,4%) registraram avanços no volume de vendas, enquanto Rio Grande do Sul mostrou estabilidade (0,0%). Quanto à participação na composição da taxa negativa do varejo, destacaram-se, pela ordem: São Paulo (-8,4%) e Rio de Janeiro (-6,6%).

Considerando o comércio varejista ampliado, 25 das 27 unidades da federação apresentaram variações negativas no volume de vendas na comparação com o mesmo período do ano anterior, destacando-se Goiás (-20,4%) e Rondônia (-18,9%). Quanto à participação na composição da taxa negativa do varejo ampliado, destacaram-se, pela ordem: São Paulo (-5,7%) e Rio de Janeiro (-4,1%).

Clique aqui para saber mais detalhes sobre a Pesquisa Mensal do Comércio realizada em janeiro de 2017.

 

Resumo do Setor de Comércio Varejista em Janeiro de 2017

O volume de vendas no varejo, em janeiro de 2017, mostrou redução no volume de vendas, expresso pelo recuo de 0,7% na comparação com dezembro de 2016, com predomínio de resultados negativos entre as principais atividades do varejo pesquisadas. Ainda na série com ajuste sazonal, os sinais de menor intensidade nas vendas no varejo permanecem evidenciados na evolução do índice de média móvel trimestral, que, ao registrar -0,6% em janeiro, acentuou a queda em relação ao resultado registrado no mês anterior (-0,5%), prosseguindo em trajetória descendente iniciada em novembro de 2014.

O volume de vendas no varejo iniciou o ano de 2017 com recuo de 7,0% frente a janeiro de 2016, vigésima segunda taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação. Esse desempenho foi influenciado, principalmente, pelo setor de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que responde por 57,0% da queda no total do varejo. Em janeiro de 2017 (-7,0%), as vendas apresentaram redução no ritmo de queda do volume de vendas quando comparadas a média do segundo semestre de 2016 (-5,6%), ambas as comparações contra iguais períodos do ano anterior. Mesmo movimento foi observado em quatro das oito atividades que compõem o varejo, com destaque para Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, setor que passou de um recuo de 2,8% no segundo semestre de 2016 para -7,0% em janeiro de 2017 e Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (de -4,3% para -6,0%). Considerando o volume do varejo ampliado, a entrada do mês de janeiro de 2017 mostrou movimento contrário, passando de -8,1% no segundo semestre de 2016 para -4,8% em janeiro de 2017, influenciado pelo desempenho de Veículos, motos, partes e peças (de -14,2% para -4,6%) e de Material de construção ( de -8,4% para -0,3%), conforme o gráfico abaixo.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.