Trump quer reativar economia até a Páscoa apesar de propagação do coronavírus

LinkedIn

WASHINGTON (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, insistiu nesta terça-feira em defender a reativação da economia até meados de abril, apesar de uma disparada de casos de coronavírus, minimizando a pandemia como fez nos primeiros momentos ao compará-la a uma gripe sazonal.

No dia 16 de março, Trump e sua equipe de combate ao coronavírus divulgaram recomendações para que toda a população do país reduza as interações sociais e profissionais durante 15 dias na tentativa de diminuir a disseminação do vírus.

Mas o presidente republicano, que busca a reeleição em novembro, começou a se irritar com as repercussões econômicas.

Durante uma transmissão ao vivo do canal Fox New, ele disse que gostaria que os negócios reabrissem as portas até a Páscoa, que será comemorada em 12 de abril.

“Eu adoraria ter o país aberto e ansioso para passar a Páscoa”, disse.

O presidente disse que os EUA não adotaram medidas drásticas para combater os acidentes de carro e as mortes de gripes semelhantes àquelas que está tomando para o coronavírus, e que os norte-americanos podem continuar a praticar medidas de distanciamento social, que especialistas em saúde dizem ser cruciais para evitar infecções, mas ao mesmo tempo voltar ao trabalho.

“Perdemos milhares e milhares de pessoas por ano para a gripe. Não desligamos o país. Você pode destruir um país assim ao fechá-lo.”

Trump tem sido criticado por colegas republicanos e outros por dizer que gostaria de reativar a economia enquanto o Pentágono e outros preveem que o surto pode durar meses.

Larry Hogan, governador republicano de Maryland, disse à CNN nesta terça-feira: “Não achamos que estaremos prontos de maneira nenhuma para sair disto em cinco ou seis dias ou algo assim, ou seja lá quando estes 15 dias terminarem a partir do momento em que ligaram este relógio imaginário.”

A Fox também tem sido criticada por seu tratamento do vírus, já que os apresentadores de alguns programas de opinião o minimizaram no período inicial da proliferação.

O presidente, que no início da crise disse que o vírus estava sob controle, está atordoado com seu impacto na economia e no mercado de ações.

“Nosso povo quer voltar ao trabalho”, disse ele no Twitter na manhã desta terça-feira. “Ele praticará o distanciamento social e tudo o mais, e os idosos serão cuidados de forma protetora e amorosa. Conseguimos fazer duas coisas juntas. A CURA NÃO PODE SER PIOR (de longe) DO QUE O PROBLEMA!”

Por Steve Holland e Jeff Mason

 

Deixe um comentário