ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for tools Aumente o nível de sua negociação com nossas ferramentas poderosas e insights em tempo real, tudo em um só lugar.

Ativa atualiza carteira Strategy de abril com trocas e rebalanceamento de pesos

LinkedIn

Na tarde desta quarta-feira (1º) a Ativa Investimentos atualizou suas carteiras recomendas para abril. De acordo com a corretora, os ajustes foram em busca de uma ainda maior diversificação, a fim de promover maior proteção às incertezas e volatilidades dos mercados internacionais, dado os crescentes impactos negativos do coronavírus nas economias globais e doméstica.

Com isso, os analistas aumentaram as posições em Vale (VALE3) e Petrobras (PETR4), pois enxergam uma interessante relação risco/retornos nestes ativos. Para eles, esse otimismo moderado é explicado pela a expectativa sobre a manutenção do preço do minério em patamares elevados, para o case de Vale, e lentidão dos reajustes do preço do petróleo, no caso de Petrobrás, que dá, à petroleira brasileira, vantagem em relação aos seus pares.

A Ativa também aumento a posição no setor de Telecom, com Telefônica (VIVT4) e Tim (TIMP3), com a saída de Iguatemi (IGTA4), diante do fechamento de shoppings centers por todo o Brasil e da redução esperada do consumo das famílias.

Também saíram da carteira o varejo discricionário, abrindo caminho para o varejo não-discricionário, com Pão de Açúcar e Raia Drogasil (RADL3).

Além disso, aumentaram a participação em Utilities, que agora já conta com 3 players na carteira Energias do Brasil, Equatorial (EQTL3) e Engie (EGIE3).

Em março, o desempenho da Strategy foi negativo em 30,93%, contra -29,90% do Ibovepsa. Yduqs, com -56,5% teve o pior desempenho e Vale, com -3,5%, o melhor.

Composição: 12,5% – Petrobras; 10% – Engie e Itaú Unibanco; 7,5% – Vale, Vivo, Pão de Açúcar, Raia Drogasil e TIM; 5% – EDP (ENBR3) Brasil, Equatorial, YDUQS (YDUQ3), JBS (JBSS3), Unidas e BR Properties (BRPR3).

Carteira Valor

Em março, o desempenho da Valor foi negativo em 36,26%, contra -29,90% do Ibovespa. Yduqs, com -56,5% teve o pior desempenho e Raia Drogasil, com -16,48%, o melhor.

Composição: Unidas, Eztec (EZTC3), YDUQS, Raia Drogasil e EDP do Brasil.

Dividendos

Em março, o desempenho da Dividendos foi negativo em 24,72%, contra -29,90% do Ibovespa. Cyrela (SA:CYRE3), com -51,7% teve o pior desempenho e Telefônica Brasil, com -8,8%, o melhor.

Composição: Itaú Unibanco, Engie, BB Seguridade (BBSE3), Iguatemi, Cyrela, Hypera (HYPE3), Taesa (TAEE11) e Telefônica Brasil.

ESG

Em março, o desempenho da ESG foi negativo em 30,66%, contra -29,90% do Ibovespa. São Martinho com -44% teve o pior desempenho e TIM, com -22%, o melhor.

Composição: EDP do Brasil, São Martinho, Itaú Unibanco, TIM e Lojas Renner (LREN3).

Por Gabriel Codas

Deixe um comentário