Cingapura endurece leis para empresas de criptomoedas em uma tentativa cautelosa de abraçar a indústria

LinkedIn

O parlamento de Cingapura aprovou um projeto de lei abrangente que expandirá os poderes de seu principal órgão de vigilância do mercado e introduzirá uma regulamentação mais rígida para empresas de cripto no país.

Aprovada na terça-feira, 5 de abril, a lei é o mais recente esforço do governo para aumentar seu controle sobre a crescente indústria de criptomoedas. Os legisladores de Cingapura, no entanto, mantêm uma perspectiva favorável às criptomoedas e estão determinados a continuar em um caminho regulatório que fará de Cingapura a capital das indústrias de blockchain e cripto da Ásia.

O órgão de vigilância do mercado de Cingapura ganha mais controle sobre a indústria de criptomoedas

Introduzido pela primeira vez em fevereiro de 2022, o Financial Markets and Services Bill foi projetado para alinhar os serviços de token digital em Cingapura aos novos padrões estabelecidos pela Financial Action Task Force (FATF), uma organização intergovernamental que luta contra a lavagem de dinheiro.

A legislação exigirá que os provedores de serviços de ativos virtuais – ou empresas de criptomoedas – que só fazem negócios no exterior sejam licenciados. As empresas com sede em Cingapura e que não atendem clientes no estado não estavam sujeitas às leis de combate à lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo.

Alvin Tan, ministro do Comércio de Cingapura, disse que isso criou uma lacuna regulatória em que essas empresas apresentavam “riscos de reputação” para Cingapura. Ele explicou que as empresas estrangeiras que oferecem serviços de criptografia em Cingapura estão sujeitas às leis do país, embora não estejam operando fisicamente no país.

E enquanto a maioria dos parlamentares saudou o novo projeto de lei, alguns levantaram preocupações de que isso poderia levar os provadores de serviços de criptografia a serem “duplamente regulamentados” ou sujeitos a diferentes legislações em diferentes jurisdições. Os mesmos parlamentares também disseram que o projeto de lei pouco faz para mitigar os riscos ao consumidor devido à natureza especulativa das criptomoedas.

A Autoridade Monetária de Cingapura (MAS), o principal órgão de fiscalização do mercado do país, disse que ficaria de olho na adoção de criptomoedas para determinar se são necessárias mais medidas de proteção ao usuário.

Por outro lado, Tan mantém sua posição de que as leis não oferecem proteção infalível contra perdas de investimento, dizendo que a educação e a conscientização do consumidor continuam sendo as melhores armas para combater esse tipo de risco.

No entanto, o novo projeto de lei dá ao MAS o poder de impor penalidades mais severas se as empresas não conseguirem manter a segurança de suas plataformas. O projeto de lei estabelece a penalidade máxima por violação de segurança em US$ 740.000, um aumento significativo em relação ao passivo circulante administrado pelo MAS.

A MAS também terá o poder de emitir ordens de proibição contra indivíduos considerados inadequados para desempenhar funções, atividades e funções críticas nas indústrias financeiras e de criptomoedas.

“A penalidade financeira, juntamente com a flexibilidade de impor ações de supervisão adicionais atingem uma abordagem equilibrada, sinaliza a importância de ter um gerenciamento de risco tecnológico robusto, sem ser excessivamente excessivo para instituições financeiras menores”, disse Tan ao The Business Times.

Com informações de CryptoSlate

Deixe um comentário