Semanário Bovespa: Ibovespa registra melhor semana de 2013

LinkedIn

São Paulo, 19 de Julho de 2013 –  O Ibovespa devolveu hoje parte dos ganhos dos últimos quatro pregões de alta, mas ainda conseguiu registrar a melhor semana do ano, com alta de 4,1%. As declarações do presidente do Federal Reserve (Fed), Ben Bernanke, de que a autoridade monetária não deve iniciar o ciclo de aperto monetário imediatamente, e também os dados da economia chinesa em linha com a expectativa dos economistas foram os principais motivos para o clima positivo do mercado nesta semana. Mesmo com os ganhos, a bolsa brasileira ainda acumula perdas de 22,2% no ano.

Comportamento do Ibovespa entre 15 de julho de 2013 e 19 de julho de 2013

 

Ibovespa

FEC

ABE

MÍN

MÁX

15/07/2013

46.738,9

45.533,2

45.533,2

46.839,9

16/07/2013

46.869,3

46.748,9

46.416,8

47.329,7

17/07/2013

47.407,3

46.869,3

46.869,3

47.710,1

18/07/2013

47.656,9

45.493,6

47.092,8

47.404,4

19/07/2013

47.400,2

47.650,3

47.163,0

47.650,3

 

 

Segunda-Feira (15/07/2013) – Ibovespa registra a maior alta dos últimos quatro meses

 

Os dados divulgados pela China na madrugada de domingo para segunda-feira vieram em linha com as expectativas dos analistas do mercado financeiro e colaboraram para o otimismo dos investidores.

O Escritório Nacional de Estatísticas da China anunciou que a economia do país asiático cresceu 7,5% no segundo semestre na taxa anualizada, em linha com as estimativas. Analistas de mercado temiam que o número fosse menor, após dados recentes terem mostrado forte queda nas exportações em junho.

Menos temerosos com o risco de menor crescimento da China, investidores foram às compras no Mercado Bovespa e levaram o principal índice de ações da bolsa de valores brasileira à maior alta diária em mais de quatro meses, em dia também marcado pelo exercício das opções.

O Ibovespa registrou alta de 2,65%, fechando cotado a 46.738 pontos. Foi a maior alta desde 6 de março, quando o índice subiu 3,55%.

Apesar da valorização expressiva, o volume financeiro movimentado ao longo do pregão não foi tão expressivo assim. Também não foi notada uma presença relevante de investidores estrangeiros, o que coloca em dúvida se a forte valorização do índice teve sustentação. O volume financeiro total negociado somou R$ 7,495 bilhões. Desse montante, R$ 2,181 bilhões correspondem ao exercício de opções sobre ações. O exercício movimentou R$ 850 milhões em opções de compra e R$ 1,32 bilhão em opções de venda.

Leia mais sobre o pregão do Mercado Bovespa de 15 de julho de 2013

 

Terça-Feira (16/07/2013) – Ibovespa fecha com leve alta em dia de instabilidade antes do discurso de Ben Bernanke

 

O mercado acionário brasileiro encerrou a volátil sessão desta terça-feira com ligeira alta, impulsionado principalmente pelas ações de Petrobras, Vale e Banco do Brasil.

O mercado financeiro está à espera do discurso do presidente do Federal Reserve Ben Bernanke, que discursará nesta quarta-feira ao Congresso dos Estados Unidos e poderá dar pistas sobre quais serão os próximos passos do banco central americano.

O Ibovespa fechou em alta de 0,28%, aos 46.869 pontos, depois de ter oscilado entre a mínima de 46.416 (-0,69%) e a máxima de 47.329 pontos (1,26%). O volume financeiro somou R$ 5,072 bilhões, abaixo da média de R$ 8 bilhões registrada em junho. Além da maior cautela dos investidores antes da sinalização de Ben Bernanke, operadores lembraram que o giro reduzido é consequência das férias de verão no hemisfério norte, o que deixa parte dos estrangeiros fora do mercado.

Leia mais sobre o pregão do Mercado Bovespa de 16 de julho de 2013

 

Quarta-Feira (17/07/2013) – Ibovespa sobe pelo terceiro pregão consecutivo

 

O mercado de ações brasileiro fechou o pregão desta quarta-feira em alta, após o presidente do Federal Reserve (Fed), Ben Bernanke, afirmar que a data para a redução do programa de estímulo à economia promovido pelo banco central americano não é tida como certa.

O otimismo externo animou os investidores, especialmente os estrangeiros, a continuar na ponta compradora da Bovespa, embora o volume financeiro tenha ficado novamente abaixo da média, reflexo das férias de verão nos Estados Unidos e Europa.

O Ibovespa – principal índice de ações do Mercado Bovespa – subiu 1,15%, fechando o pregão cotado a 47.407 pontos. Foi a terceira alta consecutiva do índice. Os negócios realizados hoje na bolsa de valores brasileira movimentaram R$ 6,309 bilhões.

Embora tenha mantido o cronograma detalhado no mês passado de que o banco central americano vai suspender seu programa de estímulo à economia até meados de 2014, Ben Bernanke deixou aberta a possibilidade de adiar a redução do programa de incentivo dependendo do cenário econômico.

O Federal Reserve recompra, mensalmente, US$ 85 bilhões em títulos públicos para injetar recursos na economia americana. Parte desse dinheiro acaba se transformando em investimentos em mercados de outros países. O programa do Fed tem sustentado o apetite por risco e os fluxos de capital para países emergentes. Indícios de manutenção desse estímulo financeiro, portanto, são vistos com bons olhos pelos investidores.

Além disso, a manutenção desse estímulo financeiro reforça no mercado a aposta de que os juros americanos devem permanecer no nível em que estão – praticamente zero – por mais tempo, já que a taxa zerada também é um fator de estímulo à economia. A taxa baixa faz com que as aplicações em bolsa de valores fiquem mais atraentes a investidores do que os títulos públicos dos Estados Unidos, que são considerados de baixo risco, mas remunerados pelos juros.

Depois do discurso de Ben Bernanke, o mercado avaliou positivamente a divulgação do Livro Bege do Fed (documento que reúne avaliações sobre a economia dos EUA), que voltou a afirmar que a atividade americana está crescendo a um ritmo moderado.

O Ibovespa fechou em alta de 0,90%, a 45.483 pontos, com operadores citando movimentos de ajuste após o feriado em São Paulo na véspera, quando as ações globais avançaram. O giro do pregão foi de 5,5 bilhões de reais, abaixo da média diária de 2013, de cerca de 7,9 bilhões de reais.

Na máxima da sessão, o Ibovespa chegou a subir dois por cento, mas o movimento perdeu força à tarde, um pouco depois da divulgação da ata do Federal Reserve. O documento mostrou que o banco central norte-americano quer mais garantias de recuperação do emprego nos EUA antes de reduzir seu programa de compra de ativos. No entanto, o consenso entre as autoridades do Fed é de começar a diminuir em breve as medidas de estímulo econômico.

No entanto, a grande expectativa do mercado girou realmente em torno da decisão do Copom sobre os próximos passos de política monetária no país. Após reunião de dois dias, o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciaria na noite desta quarta-feira sua decisão sobre a taxa Selic, com o mercado estimando uma elevação de 0,5 ponto percentual do juro básico do país.

Nesta sessão, a petroleira OGX foi o destaque de alta do Ibovespa, com operadores citando a notícia de que o grupo EBX, de Eike Batista, confirmou a reestruturação de seu acordo com a Mubadala, fundo soberano de Abu Dhabi, reduzindo a dívida da holding com o investidor. Ainda em meio à reestruturação do grupo, a OGX fez consulta à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) sobre a possibilidade de dar como garantia o óleo de Tubarão Martelo para os direitos adquiridos no último leilão de áreas de exploração.

Copel também subiu forte na sessão, após o órgão regulador do setor elétrico, Aneel, aprovar o aumento médio de 9,55 por cento neste ano, deixando o restando do reajuste médio de 14,61 por cento para entrar no cálculo da tarifa de 2014. Em sentido oposto, as ações do grupo de telefonia Oi e da construtora e incorporadora PDG Realty ficaram entre as principais baixas do índice.

Leia mais sobre o pregão do Mercado Bovespa de 17 de julho de 2013

 

Quinta-Feira (18/07/2013) – Ibovespa sobe pelo quarto pregão consecutivo

 

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou o pregão desta quinta-feira com valorização, depois de iniciar os negócios em queda. Com isso, a bolsa fecha em alta pelo quarto dia seguido.

O Ibovespa (principal índice de ações da bolsa de valores brasileira) subiu 0,53%, aos 47.656,92 pontos. Os negócios movimentaram R$ 6,15 bilhões. Na semana, a Bolsa já avançou 4,66%.  No ano, as perdas acumuladas ainda são de 21,8%.

Dentre os eventos do dia, destaque para a ata da reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central e, novamente, para Ben Bernanke – presidente do Federal Reserve (Fed).

Nesta quinta-feira, o presidente do banco central americano repetiu os comentários da véspera em depoimento escrito a uma comissão do Congresso. Mais uma vez, Ben Bernanke reiterou que o Federal Reserve só reduzirá seu programa de estímulo monetário quando estiver certo de que a economia norte-americana estiver forte o bastante.

No cenário doméstico, o mercado avaliou a ata do Comitê de Política Monetária (Copom), na qual o Banco Central afirmou ver mais inflação no próximo ano do que via antes, apesar de reforçar que o atual ciclo de aperto monetário fará os preços entrarem em trajetória de declínio.

Leia mais sobre o pregão do Mercado Bovespa de 18 de julho de 2013

 

Sexta-Feira (19/07/2013) – Ibovespa fecha em cada em dia de realização dos lucros acumulados durante a semana

 

A Bovespa encerrou em queda o pregão desta sexta-feira, com investidores aproveitando para realizar lucros após uma sequência de quatro altas consecutivas. O Ibovespa teve baixa de 0,54% nesta sessão, fechando cotado em 47.400 pontos. O giro financeiro do pregão foi de 4,367 bilhões de reais – bem abaixo da média do ano.

A sexta-feira foi de poucos negócios e sem fatos relevantes no noticiário doméstico. O mercado local acompanhou o desempenho das bolsas americanas, que recuaram após os balanços fracos de Google e Microsoft. O mercado acumulou uma forte alta na semana, então o movimento de queda foi mais uma realização em um dia fraco de notícias.

Um dos assuntos mais comentados nas mesas de operação hoje foi o artigo de Eike Batista publicado pelo Valor. Foi a primeira vez que o empresário se pronunciou sobre a crise que atinge as empresas do Grupo EBX há mais de um ano. As opiniões de operadores, analistas e investidores sobre o artigo variaram entre o ceticismo e a gozação. O fato é que quase ninguém se comoveu com as palavras do bilionário.

Leia mais sobre o pregão do Mercado Bovespa de 19 de julho de 2013

 

Petrobras

 

Na terceira semana de julho, as ações da Petrobras fecharam em forte alta. As ações preferenciais da empresa (PETR4) terminaram a semana cotadas a R$ 15,98 – uma valorização de 4,04%. Já as ações ordinárias (PETR3) tiveram um desempenho ainda melhor, fechando a semana com uma valorização de 7,31%.

15/07/2013 – 19/07/2013

FEC

ABE

MÍN

MÁX

PETR3

15,56

14,50

14,50

15,81

PETR4

15,98

15,45

15,35

16,29

 

Vale

 

Na semana, as ações preferenciais da Vale (VALE5) subiram 3,55%, fechando cotadas em R$ 27,97. Já as ações ordinárias da empresa, VALE3, fecharam a terceira semana de julho cotadas a R$ 30,93 – valorização de 3,69% em relação ao preço de fechamento da semana anterior (R$ 29,83).

15/07/2013 – 19/07/2013

FEC

ABE

MÍN

MÁX

VALE3

30,93 30,35 29,86 32,27

VALE5

27,97

27,20

27,05

28,45

 

Deixe um comentário