ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for pro Negocie como um profissional: Aproveite discussões em tempo real e ideias que movimentam o mercado para superar a concorrência.

Fique de Olho: BC quer recuperar R$ 6,9 bi de grandes devedores; inflação no Carnaval supera IPC

LinkedIn

O Banco Central (BC) espera recuperar R$ 6,970 bilhões de grandes devedores da instituição até setembro deste ano. Na lista de devedores estão instituições financeiras, corretoras de câmbio, empresas que fazem importação e exportações, times de futebol e pessoas físicas. No total, o estoque total de dívida ativa com o BC era estimado, em dezembro de 2015, em R$ 44,707 bilhões.

Inflação no Carnaval supera IPC dos últimos 12 meses, diz FGV

O preço dos produtos e serviços relacionados ao Carnaval subiu mais do que a inflação acumulada nos últimos 12 meses, segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV). A alta atingiu 12,74%, contra 10,74% apurados pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação geral. “O folião vai gastar mais do que no Carnaval do ano passado, principalmente se for viajar”, disse o economista da FGV André Braz. De acordo com o levantamento, os combustíveis registraram aumento significativo nos últimos 12 meses, o que encarece as viagens de carro no feriado: o etanol subiu 27,05% no período; a gasolina, 22,68%; e o gás natural veicular (GNV), 16,53%. No mesmo período, as passagens aéreas subiram 17,68%.

Expectativa do consumidor melhora em janeiro, mas ainda indica pessimismo

O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC) aumentou 2,4% em janeiro na comparação com dezembro de 2015. Mesmo assim, o índice, que alcançou 98,6 pontos, permanece indicando pessimismo dos consumidores, pois se mantém 10% abaixo de sua média histórica, segundo informou a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Quanto maior o índice, maior o percentual de respostas positivas, ou seja, maior o percentual de consumidores esperando queda na inflação ou desemprego, aumento da renda pessoal, aumento das compras de bens de maior valor, com melhor situação financeira ou menos endividado. O maior índice já registrado na série histórica, iniciada em março de 2001, foi em outubro de 2010, quando ficou em 120,70 pontos.

As informações são da Agência Brasil.

Deixe um comentário