Ibovespa cai 1,6% com receio de juro maior nos EUA; RaiaDrogasil é 2ª em volume negociado

LinkedIn

Declarações da presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Janet Yellen, afirmando que a alta dos juros nos EUA pode vir relativamente cedo e dados de procura por seguro desemprego baixa provocaram preocupação nos mercados e baixa nas bolsas internacionais e locais. Após a fala de Yellen, os mercados passaram a trabalhar com 90% de chance de alta nos juros americanos em dezembro.

Os juros dos papéis do Tesouro dos EUA subiram para 12,29% ao ano, o maior nível deste ano. O dólar se valorizou e derrubou os preços de algumas commodities, entre elas o petróleo. No fim do dia, porém, as bolsas da Europa e dos EUA se recuperaram com o otimismo com os estímulos prometidos pelo presidente eleito Donald Trump para a economia americana. O Standard & Poor’s 500 fechou perto de um novo recorde. Já o Ibovespa fechou em baixa. O mercado repercutiu também os dados do IBC-Br, o indicador de atividade do Banco Central, que veiou abaixo do esperado em setembro.

Ibovespa cai 1,6% e dólar sobe: BC promete mais swap amanhã

O Índice Bovespa, que iniciou o dia em ligeira alta, perdeu força e fechou em queda de 1,63%, aos 59.770 pontos. Já o dólar oscilou em meio aos leilões de swap cambial do Banco Central e a valorização no exterior, fechando em queda de 0,11%, aos R$ 3,419 para venda. No segmento turismo, o dólar caiu 0,55%, para R$ 3,570. E o BC anunciou novo leilão extra, de 10 mil contratos de swap cambial, além dos 20 mil para rolagem do vencimento do dia 1º. A oferta se manterá, portanto, em US$ 1,5 bilhão.

Juros voltam a subir após trégua de um dia

No mercado futuro de juros DI, as taxas voltaram a subir depois da trégua de ontem, quando o Tesouro parou de vender e começou a recomprar papéis prefixados (NTN-F e LTN). O contrato para janeiro de 2018, que projetava juros menores pela manhã, fecho indicando 12,42% ao ano, ante 12,41% ontem, enquanto para 2021 a taxa reverteu a queda e fechou projetando 12,18%, ante 12,07% ontem.

Petrobras cai com petróleo, apesar da venda da Liquigás

Petrobras passou o dia em alta, mas caiu no fim do pregão, mantendo-se como o papel mais negociado. O papel preferencial (BOV:PETR4) (PN, sem voto) caiu 3,05% e o ordinário (BOV:PETR3) (ON, com voto), 2,89%. A ação foi beneficiada pela notícia de que a empresa fechou a venda da Liquigás para a Ultrapar, por R$ 2,8 bilhões, antecipada pelos jornais hoje de manhã e confirmada no fim do dia pelas empresas. A ação ON da Ultrapar (BOV:UGPA3) caiu 0,67%.

O petróleo passou boa parte do dia em alta, com declarações da Arábia Saudita otimistas com relação a um possível acordo de redução de produção na próxima reunião da Opep. Mas também recuou no fim do dia, sob a pressão da valorização do dólar, para fechar em baixa de 1,34% em Nova York, com o barril do tipo WTI a US$ 44,97%, e de 1,20% em Londres, com o Brent a US$ 46,07.

RaiaDrogasil é segunda mais negociada e entra em leilão

Outro papel que chamou a atenção hoje foi a ação ON da RaiaDrogasil (BOV:RADL3), a segunda mais negociada, superando Vale e os bancos. O grande volume fez o papel entrar em leilão no fim do dia. Segundo informações do mercado, as famílias controladoras da empresa (Pires, Pipponzi e Galvão)  venderam 9,927 milhões de ações, movimentando R$ 635 milhões. Apenas como comparação, Petrobras PN (BOV:PETR4) negociou R$ 770 milhões. A ação fechou em baixa de 1,90%, a R$ 63,95, mas, no leilão o papel saiu com desconto, a R$ 62,00. Analistas dizem que as vendas dos controladores são um sinal de que o papel está caro. No ano, a alta acumulada é de 81,39%, 9,75% apesar da queda de 9,75% neste mês.

Bancos e Vale em baixa

Já a Vale caiu 1,66% no papel PNA (BOV:VALE5) e 1,63% no ON (BOV:VALE3). Os bancos também caíram bem, com Banco do Brasil ON (BOV:BBAS3), que chegou a subir durante o dia, fechando em baixa de 1,85%. Itaú Unibanco PN (BOV:ITUB4) caiu 2,99% e Bradesco PN (BOV:BBDC4), 3,13%.

JBS lidera altas e Copel, as baixas

As maiores altas do índice foram de JBS ON (BOV:JBSS3), 6.81%Rumo Logística ON (BOV:RUMO3), com 6,04%, Fibria ON (BOV:FIBR3), 3,70% e Suzano Papel PNA (BOV:SUZB5), 3,27%. A Rumo teria recebido uma proposta de R$ 2 bilhões por seu terminal no Porto de Santos, segundo o jornal Valor. A empresa divulgou fato relevante em que diz que não há nenhuma proposta assinada

As maiores quedas do Índice Bovespa eram de Copel PNB (BOV:CPLE6), 4,43%, Localiza ON (BOV:RENT3), 4,13%, Pão de Açúcar PN (BOV:PCAR4), 4,08% e Cosan ON (BOV:CSNA3), 4,05%.

Sinais de aquecimento da economia dos EUA

No exterior, além da fala de Yellen, o mercado repercute os números de pedidos de auxílio desemprego nos EUA, que caíram em 19 mil, para 235 mil na semana encerrada dia 12, o menor número desde 1973. Já os inícios de construções de residências subiram para o maior nível em nove anos em outubro, com um forte crescimento em unidades familiares individuais. O número subiu 25,5%, para 1,32 milhão de unidades anualizadas, o avanço mais rápido desde agosto de 2007.

Ambos os números, de seguro desemprego e construções, indicam que a atividade econômica americana está aquecida e justifica a alta dos juros. Por isso, Yellen afirmou, diante de uma comissão do Congresso americano, que uma alta dos juros “pode bem se tornar apropriada relativamente cedo se os dados econômicos fornecerem algumas novas evidências de continuação do progresso dos objetivos do comitê” de mercado aberto (Fomc). Uma alta dos juros atrai recursos para papéis americanos de renda fixa e desestimula aplicação em bolsas e mercados emergentes, de maior risco.

Bancos puxam alta do S&P 500

Nos Estados Unidos, as bolsas voltaram a subir, apesar da alta dos juros de 10 anos, com a expectativa de que o governo de Donald Trump dará mais incentivos para as empresas, cortando impostos, desregulamentando setores, como o financeiro, e criando barreiras. O setor financeiro puxou a alta do S&P 500, com ganho de 1,25%. O índice fechou em alta de 0,5%. Já o Dow Jones ganhou 0,2% e o Nasdaq, 0,7%.

México sobe os juros para compensar Trump

Na bolsa mexicana, o índice IPC subiu 0,04%. Hoje, o Banco Central do México (Banxico) subiu sua taxa básica de juros de 4,75% para 5,25% ao ano, para reduzir o impacto do nervosismo com as medidas prometidas por Trump contra o país.

Europa fecha em baixa

Na Europa, as bolsas fecharam em alta, com o Stoxx 50 subindo 0,51%. O Financial Times ganhou 0,67%, o DAX, de Frankfurt, subiu 0,20% e o CAC, de Paris, 0,59%.

O post Ibovespa cai 1,6% com receio de juro maior nos EUA; RaiaDrogasil é 2ª em volume negociado apareceu primeiro em Arena do Pavini.

Deixe um comentário