Ibovespa sobe 9,7% em 30 dias e 21,9% no ano e se aproxima do recorde de 2008

LinkedIn

O Índice Bovespa entrou em uma tendência de alta após a reviravolta no cenário político, que enfraqueceu o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e beneficiou o presidente Michel Temer. Com a revelação de gravações do sócio da JBS Joesley Batista que podem comprometer as denúncias contra o presidente Temer e revogar o acordo de delação premiada do empresário, o mercado passou a ver com mais otimismo as chances de aprovação da reforma da Previdência. Além disso, novas denúncias contra Luiz Inácio Lula da Silva feitas pelo ex-ministro Antonio Palocci podem dificultar ainda mais as chances de reeleição em 2018 do ex-presidente, que se coloca contra as propostas de ajuste fiscal e as reformas apoiadas pelo mercado.

Alta no exterior

Com isso, o Índice Bovespa atingiu na quarta feita 73.607 pontos durante o pregão, superando o recorde de 73.516 pontos de 20 de maio de 2008. No fechamento, porém, o índice recuou e encerrou o dia em 73.412 pontos, bem perto portanto do recorde histórico. E como, depois do fechamento do mercado, o Comitê de Política Monetária (Copom) indicou que os juros podem cair mais, para perto dos 7% ao ano, novas altas podem vir, impulsionando o Ibovespa para novos recordes. Hoje, feriado do Dia da Independência, o mercado não funcionou, mas os papéis brasileiros estavam em alta no exterior, com Índice Titãs de ADRs (recibos de ações) subindo 0,57%.

O Ibovespa acumula alta nos últimos 30 dias de 9,74%, dos quais 2,07% apenas nesta semana. No ano, a alta do índice até quarta-feira era de 21,89%. Os estrangeiros seguem puxando o mercado brasileiro, com um saldo de R$ 2,987 bilhões em compras líquidas de ações em agosto e R$ 324 milhões em setembro apenas até dia 4. E as pessoas físicas voltaram a comprar, como mostra o aumento da fatia de mercado neste mês, para 22,7% do volume negociado, ante 18,6% em agosto e 16,9% na média do ano.

A alta nos últimos 30 dias mês é liderada por Estácio ON, com alta de 51,43%, seguida das ações da Usiminas PNA, 51,18%, Eletrobrás ON, 33,82%, CSN ON, 25,38% e Fibria ON, 24,26%.

Mercado ainda pode avançar

Sobre o futuro, o índice ainda pode andar mais, acredita José Pena, economista-chefe da Porto Seguro Investimentos. “Estou ficando mais otimista, temos uma nuvem grande na política, mas a combinação de inflação benigna no curto prazo ajudando salários reais, surpresas recentes com atividade, varejo, atividade, indústria, criam um caldo favorável para melhora dos resultados das empresas”, afirma Pena.

O custo financeiro das companhias vai cair com o juro menor, a estabilidade do cambio ajuda devedor em moeda estrangeira e começa a ter agora, antes do que se esperava, uma melhora da atividade que aumenta o volume de vendas das empresas. “Antes melhorava a margem, mas eu esperava demora maior para o volume aparecer”, admite.

Outro ponto é que a melhora as surpresas positivas estão se disseminando e esse é o melhor sinal, não o tamanho da surpresa, mas sua disseminação, destaca Pena. E isso para a bolsa é muito favorável. Os prêmios da renda fixa também já estão magros, o mercado já antecipou a queda da Selic, enquanto a bolsa, em termos relativos, andou menos que os juros nos últimos tempos. “O índice está num patamar aparentemente altoa, mas se tivermos uma visão construtiva, ele ainda tem espaço para andar.”

 

Deixe um comentário