Gerenciando a incerteza durante uma crise

LinkedIn

Em uma crise financeira, uma questão central é a rapidez com que reagir à mudança.

Para políticas de risco externas, é comum empregar uma combinação conservadora de modelos de risco em diferentes níveis de capacidade de resposta. Internamente, pode haver mais discrição para selecionar modelos menos reativos para maior flexibilidade.

O backtest de risco, em tempo real e baseado em uma longa história, coloca essas compensações em um contexto histórico e demonstra as semelhanças com crises anteriores.
Embora toda crise financeira seja única, o impacto na política de risco tem sido surpreendentemente semelhante. Os limites de risco são subitamente violados em muitos fundos. Muitas violações de valor em risco (VaR) ocorrem dentro de um curto período de tempo, atraindo um exame extra dos modelos de risco que definem essas violações. E os órgãos de governança dos investidores geralmente desafiam a qualidade dos modelos de risco dos investidores.

Durante a crise desencadeada pela pandemia do COVID-19, as discussões com os clientes da MSCI se concentraram em saber se os modelos estão reagindo adequadamente às dramáticas mudanças no mercado e em como usar os modelos no novo regime da maneira mais eficaz. Aqui, descrevemos algumas respostas para essas perguntas: abordagens de modelagem adaptativa para política de risco interna e externa e validação de modelo de visão de longo prazo atualizada (backtesting) para apoiar as decisões de modelagem.

Abordagens de modelagem adaptativa

Quando o mercado não está funcionando normalmente, a modelagem de riscos deve se adaptar ao novo regime. Uma questão central é a rapidez com que os modelos (e as decisões de investimento) devem reagir à mudança. Todos os modelos de risco retrospectivo, por construção, reagem muito lentamente a picos repentinos de volatilidade, o que significa que os modelos de risco podem subestimar o risco nesses momentos. No entanto, um modelo mais reativo (com base em dados recentes) deve produzir estimativas de risco mais alinhadas às condições de mercado em rápida mudança.

Diferentes abordagens podem ser necessárias para atender aos requisitos internos e externos de gerenciamento de riscos. Externamente, os modelos de risco devem ser defendidos usando métricas objetivas para reguladores, conselhos de investimento, investidores externos, etc. Portanto, para a política de risco externo, os modelos de risco têm sido historicamente avaliados usando métricas de validação que penalizam desproporcionalmente modelos muito baixos em relação àqueles que são muito alto.1 Durante uma crise, pode ser tomada uma decisão de mudar para um modelo mais reativo, pois isso pode ser mais conservador do ponto de vista da política de risco. Outra abordagem é usar uma combinação sistemática de modelos reativos e estáveis, onde o risco máximo de dois modelos é usado.

Para o gerenciamento interno de riscos, os modelos de risco têm sido historicamente avaliados usando uma visão mais equilibrada que penaliza de maneira mais igual o risco de super e sub-previsão. Além disso, as escolhas de modelagem foram informadas por considerações qualitativas e quantitativas, para que haja mais discrição por parte do gerente de riscos para se adaptar a uma crise. Por esse motivo, uma mudança para um modelo menos reativo (ou seja, menos conservador) pode ser justificada para dar temporariamente flexibilidade adicional aos gerentes de portfólio.

Validação de modelo de visão longa atualizada

O backtesting de risco fornece a base empírica para mudanças na política de risco interna e externa. Os mais valiosos foram os backtests que incluem tanto a crise atual quanto a do passado. Uma visão tão longa coloca o trade-off entre diferentes níveis de capacidade de resposta no contexto histórico (veja a figura abaixo). Esse tipo de backtest sistemático de riscos tem sido uma ferramenta valiosa em tempos de crise para facilitar discussões com partes interessadas externas e informar decisões internas sobre políticas de riscos. Essa perspectiva histórica, por sua vez, permitiu maior flexibilidade na modelagem de decisões que podem ser críticas em tempos de crise. Finalmente, a visão de longo prazo mostra que, embora toda crise seja única, cada uma de uma ampla perspectiva de risco revelou semelhanças impressionantes.

A comparação de modelos de risco com retornos de mercado ao longo de uma longa história pode destacar semelhanças entre crises atuais e passadas, além de trade-offs comuns entre modelos de risco responsivos e estáveis. Essas perspectivas históricas se mostraram valiosas para definir políticas de risco durante crises anteriores.

*Michael Hayes, diretor executivo da MSCI

Deixe um comentário