Petróleo WTI tomba 26% com pandemia do coronavírus destruindo demanda por petróleo

LinkedIn

Os preços do petróleo nos EUA caíram na tarde do comércio asiático na segunda-feira, madrugada do Brasil, com os investidores preocupados com a queda na demanda devido à pandemia de coronavírus e com um analista descrevendo a situação nos Estados Unidos como “bastante terrível”.

Brent de maio (NYMEX:BZ\M20) está caindo 3,6% (US$ 27,07) e o WTI de maio (NYMEX:CL\K20) opera em forte baixa de 26,7% sendo cotado a US$ 13,50. As exportações da arábia para os EUA mais que dobraram.

Daniel Hynes, da ANZ, disse na segunda-feira que uma das razões por trás da “cratera” nos preços do petróleo nos EUA foi o vencimento iminente do contrato futuro de maio, que deve acontecer na terça-feira, de acordo com o Refinitiv. O contrato de junho do WTI caiu 5,87%, para US $ 23,56 por barril.

Os contratos futuros do primeiro mês costumam convergir com os preços à vista quando chegam ao fim.

“Haverá traders no mercado que só querem negociar o papel, para que eles rolem para o próximo contrato futuro. Isso significa vender o contrato de maio e comprar o mês de junho ”, diz Hynes, estrategista sênior de commodities da ANZ.

“Mas também existem traders que estão comprando para clientes que negociam o físico. Portanto, eles mantêm o contrato para expirar e entregam o petróleo bruto ”, ou aceitam o petróleo bruto se estiverem do outro lado do Trade, disse ele.

Pode ser por isso que há uma queda mais acentuada no contrato futuro de maio em comparação com o contrato de junho. Os preços spot estão “particularmente fracos” no momento, disse Hynes, acrescentando que o petróleo bruto dos EUA está sendo negociado a preços tão baixos quanto US$ 12-13 por barril. Isso foi causado por uma combinação de “colapso na demanda e subsequente falta de armazenamento”, disse ele.

Em um mercado normal, o diferencial entre o preço à vista e o contrato futuro a prazo de um mês “pode ​​ser de apenas 40 a 50 centavos de dólar por barril”, disse ele. “No momento, chega a US$ 8 a 10 (por barril)”.

Hynes disse que é provável que os preços “permaneçam sob pressão” nos próximos meses.

A pandemia de coronavírus causou um duro golpe à atividade econômica em todo o mundo e minou a demanda por energia. Enquanto a Opep e seus aliados produtores de petróleo concluíram um acordo histórico no início deste mês para reduzir a produção em 9,7 milhões de barris por dia, a Agência Internacional de Energia alertou que os cortes podem não ser suficientes para compensar uma queda acentuada na demanda por petróleo.

Isso levou os investidores a arremessar leasing de armazenamento flutuante ou onshore em uma tentativa de vender o combustível com lucro quando os preços se recuperarem.

O armazenamento global de petróleo está “enchendo rapidamente – excedendo 70% e se aproximando do máximo operacional”, disse Steve Puckett, presidente executivo da TRI-ZEN International, uma consultoria de energia.

“O verdadeiro problema do desequilíbrio entre oferta e demanda começou realmente a se manifestar nos preços”, escreveu Bjornar Tonhaugen, diretor de mercados de petróleo da Rystad Energy, em nota de segunda-feira. “Como a produção continua relativamente incólume, os armazéns estão se enchendo a cada dia.”

(Com CNBC)

Deixe um comentário