Santander (SANB11) 1T20: Lucro líquido gerencial de R$ 3,853 bilhões

LinkedIn
O Santander Brasil obteve lucro líquido gerencial de R$ 3,853 bilhões no primeiro trimestre de 2020. Esse valor representa alta de 10,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior e de 3,4% ante o trimestre imediatamente anterior.
O lucro societário do Santander ficou em R$ 3,774 bilhões entre janeiro e março, com aumento de 10,5% ante igual intervalo de 2019.
O quarto maior banco do mundo e terceiro maior banco privado do Brasil teve as receitas de serviços e tarifas bancárias no 1T20 de R$ 4,482 bilhões, com queda anual de 1,0%. A retração na margem foi de 6,7%.
Na linha de cartões e serviços de adquirência, a receita caiu 14,5% na comparação anual, a R$ 1,401 bilhão. Em serviços de conta corrente houve alta de 3,8%, a R$ 944 milhões. E em comissões de seguros o avanço foi de 1,4%, a R$ 749 milhões.
As despesas líquidas com provisões para devedores duvidosos (PDD) ficaram em R$ 3,424 bilhões, com alta de 14,8% ante o trimestre anterior e de 19,2% em relação ao primeiro trimestre de 2019.

As despesas gerais (administrativas e com pessoal) totalizaram R$ 5,293 bilhões no primeiro trimestre, alta de 3,7% frente ao mesmo período de 2019, mas queda de 6,8% na comparação com o último trimestre de 2019.

As despesas com pessoal somaram R$ 2,353 bilhões, aumento de 0,8% em doze meses e queda de 3,9% na comparação com o quarto trimestre de 2019, em razão de menores encargos e benefícios.

As despesas administrativas, excluindo depreciação e amortização, atingiram R$ 2,314 bilhões, aumento de 5,8% em doze meses, “decorrente, sobretudo, das despesas com processamento de dados para suportar o elevado patamar de transações dos nossos negócios”. Em três meses, as despesas caíram 10,9%, com menores gastos com propaganda.

O Santander Brasil informou que sua margem financeira bruta foi de R$ 12,655 bilhões no primeiro trimestre, uma alta de 0,4% em relação ao quarto trimestre. Em 12 meses, a margem aumentou 12,1%.

Da margem total, R$ 10,833 bilhões são da margem com clientes e R$ 1,823 bilhão com mercado. O spread de crédito do Santander ficou em 11,3% no primeiro trimestre, de 11,7% no quarto e 12,7% no mesmo período do ano passado.

“O resultado de capital de giro próprio caiu em função da redução da taxa básica de juros no período. Em três meses, a margem com clientes reduziu 0,5%, decorrente da menor receita de capital de giro próprio e de margem de produtos, impactada pelos spreads e composição do mix.”

A carteira de empréstimos do Santander Brasil encerrou março em 378,5 bilhões de reais, um aumento de 7,5% em relação a dezembro, impulsionada principalmente por empréstimos a grandes empresas, que buscaram mais crédito em meio à crise.

O retorno sobre o patrimônio do banco atingiu 22,3% no primeiro trimestre, um ponto percentual acima do trimestre anterior.

A matriz do banco espanhol, Santander SA divulgou também nesta terça-feira resultado do primeiro trimestre, apontado para uma queda de 82% no lucro líquido do período depois que a instituição reservou 1,6 bilhão de euros para cobrir as perdas esperadas pela pandemia.

Destaques da Teleconferência

O Vice-presidente financeiro do banco, Angel Santodomingo, diz que segmento digital está crescendo rapidamente por causa do Covid-19 e atingiu mais de 80% do total no 1º trimestre.
Confira outros destaques da teleconferência:
Santo domingo diz que teto do cheque especial impactou margem financeira do banco. Provisões aumentam mais lentamente que carteira;

Desemprenho da margem financeira do Santander reflete também juros mais baixos;

Colaterização da carteira PF é muito alta, o que deve ajudar na qualidade;

Vê deterioração da carteira da carteira de crédito do banco muito limitada e gradual;

Diz que Santander está preparado para crise e promete fazer avaliação estrita do risco de crédito;

Vê elevação de custo no curto prazo e quer aumentar volume em PMEs;

Manterá regra de pagamento de proventos de 25% no máximo e dividendo será consequência do ROE;

Santander tem colchão de 300 BPS no capital, diz executivo, que deixa banco preparado para encarar crise tranquilamente;

Está confortável com níveis atuais de provisão e ajustes serão feitos ao longo da crise. Vê segundo trimestre difícil para Santander e ambiente de negócios do Brasil.

O executivo comentou ainda que a pandemia de coronavírus e as consequentes medidas de isolamento estão acelerando a transformação digital do banco, assim como outros projetos. Ele lembrou que o Santander anunciou uma série de medidas em conjunto com outros bancos, além de ter adotado ações individuais, como aumentar os limites do cartão de crédito e oferecer home equity.
Nas últimas 52 semanas o papel que faz parte do índice Ibovespa (SANB11) oscilou entre a mínima de R$ 23,44 e R$ 48,87 na máxima. Em 2020, a empresa desvalorizou 50,42 %.
Desconsiderando amortizações, a empresa pagou R$ 2,62 em dividendos no valor bruto dos proventos com DATA COM entre 28/04/2019 e 28/04/2020 com Dividend Yield de 10,05% para Units (SANB11), 9,75% para ação ordinária (SANB3) e 10,03% para ação preferencial (SANB4).

Resultado de 2019

O lucro líquido gerencial do banco Santander cresceu 17,4% em 2019 ante 2018. O valor passou de R$ 12,3 bilhões para R$ 14,5 bilhões.
O patrimônio líquido atingiu R$ 68,1 bilhões em 2019, excluindo o ágio de R$ 1,6 bilhão. As receitas totais do banco somaram R$ 65,3 bilhões, crescimento de 6,8% em doze meses. A margem financeira do período subiu 6,4% e totalizou R$ 46,6 bilhões, reflexo, segundo o Santander, do bom desempenho da margem de crédito pelo aumento do volume em todos os segmentos.
O retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROAE) anualizado, ajustado pelo ágio, ficou em 21,3%, expansão de 1,5 ponto percentual sobre 2018.

As despesas gerais cresceram 5% em 2019, atingindo R$ 21,2 bilhões. O índice de eficiência ficou em 39,8%.

A carteira de crédito geral totalizou R$ 352 bilhões no ano, expansão de 15,3% em doze meses, com os segmentos de pessoa física e grandes empresas detendo os melhores desempenhos. A carteira de crédito ampliada subiu 11,8% para R$ 432,5 bilhões.

Sobre a empresa

Banco Santander opera através de três segmentos: banco comercial (empréstimos pessoais, leasing, empréstimos corporativos, linhas de capital de giro e financiamento para comércio exterior); banco global de atacado (gerenciamento comercial, de câmbio, de investimentos, crédito e financiamentos, hipotecas, leasing, cartões de crédito, corretagem de títulos, e clube de compras); e gestão e seguro de ativos (seguros, planos de previdência, capitalização, corretagem de gestão e seguro de ativos). Os produtos e serviços do Santander BR são oferecidos para clientes individuais e empresas públicas e privadas de pequeno, médio e grande porte.

As principais subsidiárias da empresa são: Santander Seguros S/AAymoré Crédito, Financiamento e Investimento S/A e Santander Brasil Administradora de Consórcio Ltda.

Além das units de ações (BOV:SANB11), compostos por uma ação ordinária e uma ação preferencial, cotas do Banco Santander (Brasil) S/A também são negociadas individualmente no mercado acionário brasileiro através de ações ordinárias (BOV:SANB3) e de ações preferenciais (BOV:SANB4). Todos esses ativos pertencem ao segmento Nível 2 da BM&FBovespa, que assegura aos detentores de ações ordinárias e preferenciais o mesmo tratamento concedido ao acionista controlador no caso de venda da empresa.

A Unit (SANB11) faz parte do índice Ibovespa com 0,644% de participação.

O banco possui 100% de Tag Along com 9,96% dos papéis do capital social em circulação (Free Float). Confira a composição acionária da empresa que tem Sterrebeeck B.V. como maior acionista com 1.809.584 ações ordinárias e 1.733.644 ações preferenciais correspondendo a 47,25% do capital social. O número total de ações é de 7.498.531.051 sendo 3.818.695.031 ON e 3.679.836.020 PN.

No exterior, as ações do Banco Santander Brasil são negociadas em 2 (dois) importantes mercados acionários – nos Estados Unidos e no México. Na Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE), o investidor pode negociar certificados de depósitos de ações da companhia através do código BSBR. O mesmo certificado é negociado na Bolsa de Valores do México (BMV) através do código BSBRN.

Deixe um comentário