Via Varejo (VVAR3) conclui processo de alongamento das dívidas com sucesso

LinkedIn

A Via Varejo (BOV:VVAR3) concluiu com êxito o processo de fortalecimento de sua estrutura de capital.

Segundo a varejista, o alongamento das dívidas somado à oferta pública de distribuição primária de ações ordinárias resulta no reforço e fortalecimento da estrutura de capital

“A companhia alonga aproximadamente R$ 4 bilhões, com vencimento médio em 60 dias para prazo aproximado de 1,3 ano, o que somado à capitalização da companhia de aproximadamente R$ 4,4 bilhões, resulta, na somatória entre as medidas de reforço e preservação de caixa, em um total de R$ 8,4 bilhões no período”, destacou em fato relevante enviado ao mercado.

 A Via Varejo liderou ganhos do Ibovespa no trimestre com alta de 180,92%, e de 37,06% no semestre, a quarta maior do índice. A varejista é vista como uma das vencedoras na pandemia.

Foram realizados duas grandes renegociações.

Na primeira, a empresa irá utilizar o R$ 1,5 bilhão levantado com a emissão de duas séries de debêntures para adquirir notas promissórias, que tinham vencimento em setembro de 2020. Com isso, a nova dívida terá vencimentos em junho de 2021 e junho de 2022.

Na segunda, a Via Varejo optou por refinanciar aproximadamente R$ 2,5 bilhões de operações de risco sacado (antecipação a fornecedores), com vencimento para este trimestre, que contará com um prazo final de 2 anos, carência de principal de 6 meses e amortização trimestral a partir de dezembro de 2020.

A seguir leia a íntegra do fato relevante com as medidas tomadas pela empresa:

“1º) Colocação de 100% e Liquidação da 5ª (quinta) emissão pública de Debêntures e recompra de 99,8% das Notas Promissórias com vencimento original em setembro de 2020: Neste contexto, a Companhia comunica, em continuidade às informações fornecidas no Comunicado ao Mercado divulgado em 19 de junho de 2020, que foi realizada em 29 de junho de 2020 a liquidação da 5ª (quinta) emissão pública de debêntures simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, em 2 (duas) séries, da Companhia, realizada com esforços restritos de distribuição, nos termos da Instrução da CVM nº 476, de 16 de janeiro de 2009, conforme alterada (“Debêntures” e “Emissão”, respectivamente). O valor total da Emissão foi de R$ 1,5 bilhão, conforme definido na “Escritura Particular da 5ª (Quinta) Emissão de Debêntures Simples, não Conversíveis em Ações, da Espécie Quirografária, em 2 (duas) Séries, para Distribuição Pública, com Esforços Restritos, da Via Varejo S.A.”, celebrada entre a Companhia e a Pentágono S.A. – Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários (“Escritura de Emissão”). Foram emitidas 1.500.000 (um milhão e quinhentas mil) Debêntures, com um valor nominal de R$1.000,00 (mil reais), sendo (i) 650.000 (seiscentas e cinquenta mil) debêntures da primeira série da Emissão, sobre as quais incidirão juros remuneratórios correspondentes a 100% (cem por cento) da variação acumulada das taxas médias diárias dos DI – Depósitos Interfinanceiros de um dia, over extra grupo, expressas na forma percentual ao ano, base 252 (duzentos e cinquenta e dois) dias úteis, calculadas e divulgadas diariamente pela B3 S.A – Brasil, Bolsa, Balcão, no informativo diário disponível na página na Internet http://www.b3.com.br (“Taxa DI”), acrescidas de uma sobretaxa (spread) de 3,75% (três inteiros e setenta e cinco centésimos por cento) ao ano, base 252 (duzentos e cinquenta e dois) dias úteis,

calculados de forma exponencial e cumulativa, pro rata temporis, por dias úteis decorridos, desde a primeira data de integralização (inclusive) ou a data de pagamento da remuneração imediatamente anterior (inclusive), o que tiver ocorrido por último, até a data de seu efetivo pagamento (exclusive) (“Período de Capitalização”); e (ii) 850.000 (oitocentas e cinquenta mil) debêntures da segunda série da Emissão, sobre as quais incidirão juros remuneratórios correspondentes a 100% (cem por cento) da variação acumulada da Taxa DI, acrescidas de uma sobretaxa (spread) de 4,25% (quatro inteiros e vinte e cinco centésimos por cento) ao ano, base 252 (duzentos e cinquenta e dois) dias úteis, calculados de forma exponencial e cumulativa pro rata temporis por dias úteis decorridos a cada Período de Capitalização. Os recursos captados mediante a colocação das Debêntures foram destinados para alongamento do perfil da dívida da Companhia, via aquisição das notas promissórias comerciais da 2ª (segunda) emissão, com vencimento originalmente em setembro de 2020, mediante oferta pública de aquisição lançada pela Companhia em benefício de todos os titulares das referidas notas promissórias comerciais (“Oferta de Resgate”).

A Oferta de Resgate foi liquidada em 25 de junho de 2020, no valor de R$1,497 bilhão (um bilhão, quatrocentos e noventa e sete milhões de reais), equivalente a 99,8% (noventa e nove inteiros e oito centésimos por cento) do valor principal das referidas notas promissórias. Como resultado, com a 5ª (quinta) emissão pública de Debêntures e recompra da NP, a Companhia alonga a dívida em aproximadamente R$ 1,5 bilhão, de vencimento em set/20 para prazo médio aproximado de 1,5 ano, com vencimentos postergados para jun/21 (1ª série) e jun/22 (2ª série).

2º) Alongamento, via instrumento financeiro de dívida, pelo prazo final de dois anos, de operações de Risco Sacado/antecipação de fornecedores com vencimentos originais no 2T20:

Adicionalmente, ainda em linha com a estratégia de preservação de caixa adotada diante da evolução do COVID-19, a Companhia optou por refinanciar aproximadamente R$ 2,5 bilhões de operações de risco sacado (antecipação a fornecedores). O refinanciamento ocorreu através da celebração de aditivo à Cédula de Crédito Bancária (CCB), que contará com um prazo final de 2 (dois) anos, carência de principal de 6 (seis) meses e amortização trimestral a partir de dezembro de 2020, com pagamento de juros trimestrais à taxa de remuneração CDI acrescida de uma sobretaxa (spread) de 3,90% (três inteiros e noventa centésimos por cento) ao ano. O mecanismo da operação funcionará da seguinte forma: o montante, antes contabilizado na conta “fornecedores” do Balanço Patrimonial passará a ser contabilizado na conta de “Empréstimos e Financiamentos de Curto e Longo Prazo”. Consequentemente, a Companhia alonga a dívida em aproximadamente R$ 2,5 bilhões, com vencimento nesse trimestre, para o prazo médio aproximado de 1,2 ano. O aumento da dívida bancária de R$ 2,5 bilhões corresponde a redução da conta fornecedores no mesmo valor. Destaca-se que a operação de alongamento de dívida supramencionada em nada altera quaisquer das condições, acordos, limites de crédito, prazo direto para pagamentos, dos contratos com nossos fornecedores.

3º) Reforço e fortalecimento da estrutura de capital:

As operações e respectivas informações acima, em complemento à Oferta Pública de Distribuição Primária de Ações Ordinárias da Companhia, realizada conforme fatos relevantes divulgados em 3 de junho de 2020 e 15 de junho de 2020, concluem o reforço e fortalecimento da estrutura de capital da Companhia.

Desta forma, a Companhia alonga aproximadamente R$ 4,0 bilhões, com vencimento médio em 60 dias para prazo aproximado de 1,3 ano, o que somado à capitalização da Companhia de aproximadamente R$ 4,4 bilhões, resulta, na somatória entre as medidas de reforço e preservação de caixa, em um total de R$ 8,4 bilhões no período.

Deixe um comentário