Santander libera crédito a lojistas em parceria com a BrMalls

LinkedIn

BrMalls (BOV:BRML3) e o Santander Brasil (BOV:SANB11) firmaram uma parceria para ajudar os lojistas dos 26 empreendimentos administrados pela operadora de shopping centers durante a pandemia de covid-19.

“Mesmo com a retomada gradual e consciente do varejo, os impactos provocados pela covid-19 ainda serão sentidos no curto e médio prazo. Diante disso, é fundamental estarmos ao lado do nosso lojista, para continuarmos buscando soluções sustentáveis e que contribuam para que ele supere esse momento desafiador”, diz Jini Nogueira, diretora comercial da brMalls.

Essa não é a primeira vez que a brMalls fecha uma parceria para auxiliar os lojistas na retomada econômica. Em abril, a companhia anunciou uma colaboração junto com o Banco Inter (BIDI4;BIDI11), que liberou R$ 300 milhões para os lojistas.

O Santander está oferecendo R$ 350 milhões em crédito pré-aprovado para capital de giro e antecipação de recebíveis com garantias e taxas especiais.

Os seis mil lojistas podem ter uma linha de crédito para capital de giro com prazo de pagamento de até 60 meses, até 90 dias de carência para quitação da primeira parcela e juros a partir de 0,65% ao mês. Também é possível antecipar as vendas a crédito, com taxas a partir de 0,95% ao mês, de acordo com a modalidade do adiantamento (automático, para quem for usar o serviço com frequência, ou pontual, para necessidades específicas).

As condições, incluindo os três meses de isenção da tarifa do pacote de serviços, são válidas para quem é correntista no banco.

“O varejo é um dos setores que mais precisam de fôlego financeiro para sustentar a perenidade de seus negócios. A parceria com a brMalls é uma forma de apoiar o segmento e contribuir para a sobrevivência desses empreendedores que sempre desempenharam um papel relevante na economia do país”, comenta Franco Fasoli, diretor de Empresas, Governos e Instituições do Santander Brasil.

Resultados 2T20

BrMalls teve prejuízo de R$ 619,7 milhões no 2T20, ante lucro de 425,35 milhões de reais no mesmo período de 2019, com declínio acentuado de receitas, sob efeito das medidas de combate ao coronavírus que prejudicaram o setor de shopping centers.

O maior banco estrangeiro no país anunciou lucro gerencial, ou recorrente, de R$ 3,025 bilhões no período, montante 29,6% maior do que os R$ 2,335 bilhões de igual etapa de 2017. Na comparação sequencial, o aumento foi de 5,8%.

Deixe um comentário