ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for tools Aumente o nível de sua negociação com nossas ferramentas poderosas e insights em tempo real, tudo em um só lugar.

A Pfizer e a BioNTech afirmam que a vacina contra o coronavírus é mais de 90% eficaz

LinkedIn

A gigante farmacêutica norte-americana Pfizer (NYSE:PFE) e a empresa de biotecnologia alemã BioNTech (NASDAQ:BNTX) anunciaram na segunda-feira que sua vacina contra o coronavírus foi mais de 90% eficaz na prevenção de Covid-19 entre aqueles sem evidência de infecção anterior, saudando o desenvolvimento como “um grande dia para a ciência e a humanidade”.

“Acho que podemos ver a luz no fim do túnel”, disse o presidente e CEO da Pfizer, Dr. Albert Bourla.

Ele surge no momento em que fabricantes de medicamentos e centros de pesquisa em todo o mundo lutam para fornecer uma vacina segura e eficaz na tentativa de pôr fim à pandemia do coronavírus que já matou mais de 1,25 milhão de vidas em todo o mundo.

Os cientistas esperam por uma vacina contra o coronavírus que seja pelo menos 75% eficaz, enquanto o conselheiro da Casa Branca para o coronavírus, Dr. Anthony Fauci, disse anteriormente que uma vacina com 50% ou 60% de eficácia seria aceitável.

Os futuros de ações dos EUA dispararam com as notícias. Os futuros no Dow Jones Industrial Average subiram 1.458 pontos, implicando em um ganho inicial de mais de 1.400 pontos.

Os resultados foram baseados na primeira análise de eficácia provisória conduzida por um Comitê de Monitoramento de Dados externo e independente do estudo clínico de fase três. O grupo independente de especialistas supervisiona os ensaios clínicos nos EUA para garantir a segurança dos participantes.

A análise avaliou 94 infecções confirmadas por Covid-19 entre os 43.538 participantes do estudo. A Pfizer e a BioNTech disseram que a divisão do caso entre indivíduos vacinados e aqueles que receberam um placebo indicava uma taxa de eficácia da vacina de mais de 90% sete dias após a segunda dose.

Isso significa que a proteção contra Covid-19 é alcançada 28 dias após a vacinação inicial, que consiste em um esquema de duas doses.

A porcentagem final da eficácia da vacina pode variar, no entanto, à medida que dados adicionais e de segurança continuam a ser coletados.

“O primeiro conjunto de resultados de nosso ensaio de Fase 3 da vacina COVID-19 fornece a evidência inicial da capacidade da nossa vacina em prevenir COVID-19”, disse Bourla em um comunicado.

“Estamos alcançando esse marco crítico em nosso programa de desenvolvimento de vacinas em um momento em que o mundo mais precisa, com as taxas de infecção atingindo novos recordes, hospitais quase excedendo a capacidade e economias lutando para reabrir”, continuou Bourla.

“Com as notícias de hoje, estamos um passo significativo mais perto de fornecer às pessoas em todo o mundo uma inovação muito necessária para ajudar a pôr fim a esta crise de saúde global. Esperamos compartilhar dados adicionais de eficácia e segurança gerados por milhares de participantes nas próximas semanas. ”

Aproximadamente 42% dos participantes globais do ensaio tinham origens racial e etnicamente diversas, disseram a Pfizer e a BioNTech, acrescentando que ainda não houve nenhum problema sério de segurança relatado.

As empresas disseram que planejam submeter para autorização de uso emergencial à Food and Drug Administration dos Estados Unidos logo após terem dois meses de dados, que estão atualmente em andamento para a terceira semana de novembro.

Com base nas projeções atuais, a Pfizer e a BioNTech esperam produzir até 50 milhões de doses de vacinas em 2020 e até 1,3 bilhão de doses em 2021.

As empresas disseram que planejam enviar os dados do estudo de fase três completo, que começou em 27 de julho, para publicação científica por pares.

Autoridades e cientistas americanos têm esperança de que uma vacina para prevenir a Covid-19 esteja pronta na primeira metade de 2021 – 12 a 18 meses desde que os cientistas chineses identificaram o coronavírus e mapearam sua sequência genética.

É um prazo recorde para um processo que normalmente leva cerca de uma década para uma vacina eficaz e segura. O desenvolvimento de vacina mais rápido, a caxumba, levou mais de quatro anos e foi licenciada em 1967.

A Pfizer e a BioNtech também são negociadas na B3 através das BDRs (BOV:PFIZ34) e (BOV:B1NT34).

Deixe um comentário