Biden fala com o Papa Francisco, o último líder mundial a reconhecer o novo presidente eleito

LinkedIn

O presidente eleito Joe Biden falou com o Papa Francisco na quinta-feira (12), acrescentando à lista de líderes mundiais que reconheceram o novo governo.

De acordo com uma leitura da chamada, Biden agradeceu ao papa por suas “bênçãos e parabéns”.

“O presidente eleito expressou seu desejo de trabalhar juntos com base em uma crença compartilhada na dignidade e igualdade de toda a humanidade em questões como cuidar dos marginalizados e dos pobres, enfrentar a crise das mudanças climáticas e acolher e integrar os imigrantes e refugiados em nossas comunidades”, acrescentou a leitura.

Biden se tornará o segundo presidente católico romano, 60 anos depois que o democrata John F. Kennedy se tornou o primeiro membro da religião a ocupar o cargo.

O apelo entre Biden e Francis surge no momento em que o presidente Donald Trump desafia a integridade da eleição presidencial com uma série de ações judiciais em estados de batalha. Especialistas jurídicos consideram os desafios sem mérito. Trump não concedeu a eleição Biden, que no sábado superou o limite de 270 votos eleitorais necessário para ganhar a presidência.

Em setembro, a Santa Sé negou ao secretário Mike Pompeo uma audiência com o Papa Francisco. O Vaticano acusou Pompeo, que estava viajando em missão diplomática, de usar o encontro para atrair eleitores antes da eleição. O governo Trump teve várias discussões diplomáticas com o Vaticano e pediu ao pontífice que adote uma posição mais dura em relação à China.

Na terça-feira, Pompeo se recusou a reconhecer a vitória de Biden e deu poucas informações sobre o que disse aos diplomatas em todo o mundo sobre o processo de transição. Outros altos funcionários do governo Trump, como o vice-presidente Mike Pence, insistiram publicamente que a eleição não acabou, apesar da vitória de Biden.

Os primeiros-ministros Boris Johnson do Reino Unido, Scott Morrison da Austrália e Yoshihide Suga do Japão também falaram com Biden, assim como o presidente sul-coreano Moon Jae-in, o primeiro ministro canadense Justin Trudeau, o primeiro ministro sueco Stefan Lofven, a primeiro ministra da Nova Zelândia Jacinda Ardern e o presidente francês Emmanuel Macron.

Ao longo de sua carreira política, Biden sempre se orgulhou de seu catolicismo.

Em setembro, durante um discurso de campanha, Biden disse aos americanos para “não tenham medo”, evocando uma passagem da escritura frequentemente citada pelo Papa João Paulo II.

Em seu discurso de vitória, Biden ofereceu um hino católico sobre o qual refletiu após a morte de seu filho Beau Biden. O hino “On Eagle’s Wings” é baseado no Salmo 91 e para os católicos é frequentemente dito em funerais.

“Nos últimos dias de campanha, comecei a pensar em um hino que significa muito para mim e minha família, principalmente meu falecido filho Beau. Ele captura a fé que me sustenta e que acredito sustentar a América”, disse Biden.

“Meu coração está com cada um de vocês”, disse ele para aqueles que perderam um ente querido para o coronavírus. “Espero que este hino também lhe dê consolo. É assim”, disse ele antes de começar o refrão.

“E Ele vai te erguer nas asas da águia, te levar no alento da alvorada, te fazer brilhar como o sol e te segurar na palma da sua mão”, disse Biden.

Deixe um comentário