UE revela novas regras sobre compartilhamento de dados para estimular inovação na Europa

LinkedIn

A União Europeia (UE) revelou, nesta quarta-feira (25), novas regras sobre compartilhamento de dados, na esperança de tornar a Europa um centro de inovação como os Estados Unidos e a China.

De automóveis a vacinas, o acesso a dados industriais está se tornando crucial na economia global e a UE teme que a falta de confiança entre os Estados membros do bloco possa atrapalhar seu crescimento.

Bruxelas também está empenhada em proteger as empresas europeias contra a supremacia dos Estados Unidos e da China, superpotências globais amplamente vistas como dominadoras da economia digital na Europa.

A proteção de dados pessoais também é uma grande preocupação na Europa.

A Comissão Europeia fez uma série de propostas destinadas a superar estes obstáculos e permitir o fluxo de dados através das fronteiras, a fim de ajudar as empresas a serem mais competitivas.

“Para que os dados possam circular, precisamos de regras capazes de estabelecer confiança”, declarou Thierry Breton, comissário europeu para o Mercado Interno.

As regras devem facilitar para empresas e pesquisadores o intercâmbio de dados que atualmente não são utilizados por razões de privacidade, confidencialidade ou direitos de propriedade intelectual.

Entre outras coisas, eles abrirão o caminho para serviços confiáveis de compartilhamento de dados para agrupar e organizar dados de uma forma neutra, a fim de aumentar a confiança e o intercâmbio.

A UE não exigirá que empresas não europeias mantenham seus dados na Europa, mas exigirá salvaguardas jurídicas mais fortes para dados confidenciais e permitirá a criptografia.

“Você não precisa compartilhar todos os dados. Mas se o fizer e os dados forem confidenciais, você deve ser capaz de fazer isso de uma maneira que os dados sejam confiáveis e protegidos”, disse Margrethe Vestager, vice-presidente executiva da Comissão.

 Os dois comissários insistiram que as medidas não eram protecionistas, nem pretendiam penalizar os Estados Unidos e a China, mas apenas definiam as condições para o processamento de dados comerciais e de pesquisa na Europa.

“Será muito importante para nós, talvez não para os outros continentes, mas para nós, estarmos em plena conformidade com as regras da OMC”, declarou Breton.

Deixe um comentário