Facebook, IG, TikTok e Twitter enfrentam multas e bloqueios sob as novas regras do Reino Unido sobre conteúdo prejudicial

LinkedIn

Os reguladores britânicos poderão ter em breve o poder de multar e bloquear sites de gigantes da mídia social como Facebook, TikTok e Twitter por não removerem conteúdo prejudicial sob a nova legislação.

Reveladas na terça-feira (15), as propostas são parte da tentativa do governo do Reino Unido de forçar os gigantes da tecnologia a livrar suas plataformas de conteúdo ilegal e tóxico. Os executivos podem ser responsabilizados pessoalmente por não respeitarem um dever de cuidado legalmente vinculativo. Isso acontece quando autoridades em todo o mundo reprimem as Big Techs.

Os serviços de mídia social que hospedam conteúdo gerado pelo usuário ou permitem que as pessoas falem com outras online serão obrigados a remover e limitar a disseminação de conteúdo que contenha abuso sexual infantil, material terrorista ou suicídio, de acordo com o governo. Eles também precisarão fazer mais para garantir que as crianças não sejam expostas a aliciamento, bullying ou pornografia.

Facebook, Instagram, TikTok, Twitter e outras redes sociais populares serão obrigados a estabelecer termos e condições claros que definam como eles lidam com o conteúdo que é legal, mas pode causar danos físicos ou psicológicos significativos aos adultos, como desinformação sobre vacinas contra o coronavírus, por exemplo.

O órgão fiscalizador da mídia britânica Ofcom terá o poder de multar empresas em até £ 18 milhões (US$ 24 milhões) ou 10% de suas receitas globais anuais, por não cumprimento. Ofcom também seria capaz de bloquear o acesso a serviços não conformes no Reino Unido

“Sou descaradamente profissional em tecnologia, mas isso não pode significar uma tecnologia gratuita para todos”, disse o secretário digital do Reino Unido, Oliver Dowden, em um comunicado. “Hoje, a Grã-Bretanha está definindo o padrão global de segurança com a abordagem mais abrangente de regulamentação online”.

“Estamos entrando em uma nova era de responsabilidade para que a tecnologia proteja crianças e usuários vulneráveis, restaure a confiança neste setor e consagrar salvaguardas legais para a liberdade de expressão.”

Menos de 3% das empresas no Reino Unido se enquadram no escopo das regras de danos online, disse o governo. O novo quadro regulamentar terá de ser votado pelo Parlamento do Reino Unido antes de se tornar lei.

Dowden acrescentou: “Essa nova estrutura proporcionada garantirá que não sobrecarregemos desnecessariamente as pequenas empresas, mas dará às grandes empresas digitais regras robustas a seguir, para que possamos aproveitar o brilho da tecnologia moderna para melhorar nossas vidas”.

O anúncio das novas regras ocorre no momento em que os reguladores de todo o mundo buscam endurecer a Big Tech.

Mais tarde na terça-feira, a União Europeia anunciará planos para novas reformas digitais para garantir que os gigantes da tecnologia assumam mais responsabilidade pelo conteúdo de suas plataformas. As regras também devem impedir que tais empresas promovam seus próprios serviços enquanto competem simultaneamente com outros serviços.

De acordo com relatos, as empresas de tecnologia podem enfrentar multas semelhantes às propostas no Reino Unido – até 10% do faturamento global anual – por violações das novas regras da UE.

Imagem: Denis Charlet | AFP via Getty Images

Deixe um comentário