Janet Yellen, indicada a secretária do Tesouro por Joe Biden, fala de aumento de imposto corporativo

LinkedIn

Janet Yellen, a escolha do presidente eleito Joe Biden para secretária do Tesouro, disse na terça-feira (19) que os EUA poderiam pagar uma taxa de imposto corporativa mais alta se coordenar com outras economias ao redor do globo.

Os comentários de Yellen foram feitos durante seu depoimento perante o Comitê de Finanças do Senado, que irá debater se ela deve ser confirmada para o cargo de Gabinete.

Se confirmada pelo Senado, Yellen seria a primeira mulher a chefiar o Departamento do Tesouro.

“Esperamos trabalhar ativamente com outros países por meio das negociações [da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico] sobre impostos sobre corporações multinacionais para tentar impedir o que tem sido uma corrida destrutiva e global para o fundo da tributação corporativa”, disse ela em resposta a uma pergunta do senador Mike Crapo, R-Idaho.

“Nesse contexto, garantiríamos a competitividade das empresas americanas, mesmo com um imposto corporativo um pouco mais alto”, acrescentou ela, referindo-se ao que poderia ser um esforço coordenado para aumentar as taxas corporativas.

Durante sua campanha presidencial, Biden propôs aumentar a taxa corporativa dos atuais 21% para 28%. Antes dos cortes de impostos de 2017, a taxa corporativa dos EUA era de 35%.

Ainda assim, Yellen foi rápida em advertir que qualquer plano de buscar uma corporação superior só começaria depois que o governo sentir que os EUA haviam superado o coronavírus.

Biden “disse que eventualmente, como parte de um pacote maior que incluiria despesas significativas e propostas de investimento – não agora, enquanto a pandemia está realmente deprimindo a economia – ele iria querer revogar partes dos cortes de impostos de 2017 que beneficiaram as maiores rendas”, disse Yellen.

“Ele quer reverter os incentivos da lei para operações e lucros offshore. Mas ele deixou muito claro que não apoia uma revogação completa da lei tributária de 2017”, acrescentou.

Yellen, de 74 anos, também prometeu aos legisladores que priorizaria as necessidades dos trabalhadores diários como secretária do Tesouro e garantiria que os EUA pudessem oferecer empregos bem remunerados aos trabalhadores nas cidades e nas áreas rurais.

Diante disso, ela defendeu o plano de estímulo de US$ 1,9 trilhão de Biden e disse que o projeto proporcionaria alívio para famílias e empresas em dificuldades e ofereceria à economia dos Estados Unidos o melhor “retorno para o investimento”. A medida inclui outra rodada de cheques, benefícios estendidos e aprimorados de auxílio-desemprego, financiamento para universidades e a criação de um programa nacional de vacinação.

O ex-presidente do Federal Reserve disse que as taxas corporativas mais altas viriam como parte de um plano mais amplo para reverter partes da lei tributária do presidente Donald Trump de 2017, quando a economia estiver forte o suficiente para tolerar impostos mais altos.

Um dos principais objetivos da Lei de cortes de impostos e empregos de Trump era estimular as empresas americanas a trazerem lucros estrangeiros para os EUA e longe de jurisdições com impostos baixos, como Irlanda e Bermudas. Antes do projeto de lei, muitas empresas multinacionais estabeleceriam subsidiárias em paraísos fiscais como uma forma de proteger os lucros.

Um fabricante americano poderia, por exemplo, comprar produtos de sua subsidiária sediada na Irlanda, registrar os lucros a uma taxa mais baixa e vender os produtos nos Estados Unidos. Isso é o que Yellen chamou de “corrida para o fundo” da escala de impostos corporativos, uma competição mundial para atrair empresas com taxas cada vez menores.

A OCDE há anos busca uma solução para a espiral descendente. No final de 2019, o órgão propôs um imposto mínimo global que se aplicaria a empresas com receitas de atividades internacionais que pagam impostos abaixo de um determinado nível.

O que Yellen pode ter sugerido na terça-feira é trabalhar em conjunto com outras nações para aumentar as taxas corporativas em todo o mundo. Dessa forma, se os EUA quisessem gerar mais receita com um aumento nas taxas corporativas, poderiam fazer com mais eficácia, já que as empresas não teriam uma opção muito mais atraente.

Imagem: Reprodução de The Washington Post

Deixe um comentário