Joseph Robinette Biden Jr. é empossado 46º presidente dos Estados Unidos

LinkedIn

Joseph Robinette Biden Jr. tornou-se o 46º presidente dos EUA na quarta-feira (20), completando a transferência de poder mais assustadora da história americana recente.

Inaugurado em um Washington fortificado sob a sombra da pandemia do coronavírus, o democrata de 78 anos fez o juramento de posse no Capitólio dos EUA diante de uma esparsa multidão bipartidária. Ele entra na Casa Branca exatamente duas semanas depois que uma multidão inflamada por seu antecessor, Donald Trump, invadiu o Capitólio, interrompendo a transição para a administração de Biden e deixando cinco mortos.

Biden, o presidente americano mais velho, enfrenta crises agudas enquanto ele e a vice-presidente Kamala Harris assumem o poder. Aos 56, ela se torna a primeira mulher, a primeira negra americana e a primeira sul-asiática-americana a se tornar vice-presidente. Biden tentará agilizar o maior esforço de vacinação da história dos EUA para conter um vírus que já ceifou mais de 400.000 vidas em todo o país.

Biden terá como objetivo impulsionar uma economia na qual cerca de 18 milhões de pessoas estão recebendo seguro-desemprego e os bancos de alimentos experimentam uma demanda nunca vista há décadas. Ele tentará implementar uma ampla agenda enquanto navega em um país onde milhões de pessoas, incluindo membros do Congresso, alimentaram a desinformação de Trump e questionaram a legitimidade de sua vitória nas eleições de novembro.

O democrata Biden conquistou a presidência em novembro em sua terceira tentativa. Sua primeira tentativa veio durante o ciclo presidencial de 1988, seguida por uma derrota nas primárias em 2008 para seu futuro chefe Barack Obama.

Biden serviu por dois mandatos como vice-presidente de Obama, de 2009 a 2017. Ele assumiu o cargo após 36 anos no Senado representando Delaware, um estado que Biden disse que “será escrito em [seu] coração”. Biden ingressou no Senado aos 30 anos.

O presidente concorreu no ano passado como a pessoa mais bem equipada para derrotar Trump. As preocupações borbulharam dentro de seu partido de que seu histórico de justiça racial e rede de segurança social o deixava despreparado para enfrentar os desafios do país. Biden prometeu “restaurar a alma da América” e conquistou a indicação presidencial de seu partido após tropeços iniciais.

Tragédia e compaixão

Fazendo campanha durante a pandemia, Biden teve como objetivo mostrar uma compaixão construída durante a tragédia. Ele frequentemente se abria sobre as mortes de sua primeira esposa, Neilia, e da filha pequena, Naomi, em um acidente de carro em 1972, e sobre a morte de seu filho adulto, Beau, de câncer no cérebro em 2015.

Biden entra no cargo tentando conter a dor causada pela pandemia. Trabalhando com estreita maioria na Câmara e no Senado, ele primeiro tentará aprovar um pacote de auxílio fiscal do coronavírus de US$ 1,9 trilhão. Outras prioridades de Biden incluem saúde, imigração e mudança climática – algumas das quais ele começará a tratar com ordens executivas em seu primeiro dia de mandato.

O democrata, ao longo de sua campanha, afirmou que poderia conquistar os republicanos para sua causa, especialmente por causa de suas relações no Senado. Os próximos dois anos testarão seu domínio em um partido republicano centrado em Trump. Os democratas precisarão de 10 votos republicanos para aprovar a maior parte da legislação na Câmara.

A sombra de Trump

A presença de Trump pairou sobre as cerimônias do dia. Ele se tornou o primeiro presidente desde Andrew Johnson em 1869 a não comparecer à posse de seu sucessor.

Ele deixou a Casa Branca para a Flórida na quinta-feira de manhã, horas antes de Biden fazer seu juramento de posse. Depois de fazer breves observações aos apoiadores, Trump decolou no Air Force One, enquanto Biden assistia a uma missa católica com líderes parlamentares democratas e republicanos mascarados.

Mike Pence, Mitch McConnell e Kevin McCarthy compareceram à inauguração. O mesmo aconteceu com os ex-presidentes Obama, George Bush e Bill Clinton.

McCarthy, deputado da minoria da Câmara, Steve Scalise, e o senador Ted Cruz estavam entre os legisladores que votaram contra a contagem da vitória de Biden no Congresso horas após o ataque ao Capitólio e compareceram à sua posse.

A inauguração aconteceu com uma multidão menor, rostos cobertos para diminuir a propagação do vírus. O motim de 6 de janeiro, durante a qual alguns manifestantes invadiram o Capitólio e gritaram para “enforcar Mike Pence”, aumentou a segurança.

As ruas ao redor do Capitólio foram fechadas na quarta-feira. Mais de 25.000 membros da Guarda Nacional patrulharam Washington em uma demonstração de força.

A Guarda Nacional examinou as forças em meio a preocupações com ameaças internas, removendo duas pessoas por comentários “inadequados” e mais 10 por outros motivos.

(Traduzido de CNBC
Imagem: Captura de tela de USA Today)

Deixe um comentário