Sentimento econômico da zona do euro melhorou em dezembro, mas inflação continua negativa

LinkedIn

O sentimento econômico na zona do euro subiu no mês passado, mas a inflação se manteve em território negativo antes do que deve ser um aumento lento neste ano, com a reversão de alguns cortes de impostos, o aumento dos preços do petróleo e a recuperação da economia.

A inflação nos 19 países que compartilham o euro ficou inalterada em -0,3% em dezembro, dados do Eurostat mostraram na quinta-feira, abaixo das expectativas dos analistas para uma leitura de -0,2%, mas amplamente em linha com as próprias projeções do Banco Central Europeu.

Com a economia provavelmente encolhendo novamente no quarto trimestre e a inflação abaixo de zero desde agosto, o BCE já aprovou um novo pacote de medidas de estímulo em dezembro, estendendo a compra de ativos abundantes até 2022 para isolar uma economia que provavelmente enfrentará danos permanentes da pandemia.

Espera-se que suas medidas mantenham os custos de empréstimos baixos nos próximos anos, fornecendo um apoio crucial no momento em que o bloco enfrenta medidas de bloqueio ainda mais rigorosas, com governos fechando grande parte do setor de serviços por temor de que uma nova onda de infecções por coronavírus possa sobrecarregar o sistema de saúde.

Ainda assim, o sentimento econômico subiu para 90,4 pontos em dezembro, de 87,7 em novembro, contra as expectativas de um aumento para 90,0 pontos, mostrou uma pesquisa mensal da Comissão Europeia.

A melhor leitura foi principalmente graças a uma melhora na indústria para -7,2 de -10,1 e entre os consumidores para -13,9 de -17,6 pontos.

A leitura da inflação de quinta-feira pode ser o último valor negativo no ciclo atual, já que um corte temporário do imposto sobre o valor agregado alemão expirou no final de 2020 e os preços do petróleo bruto subiram cerca de 45% desde o início de novembro.

O BCE espera que a inflação suba para 0,3% no primeiro trimestre e, em seguida, para 1,5% no quarto trimestre, com o reinício da atividade e os fracos números do ano anterior serem eliminados dos números básicos.

Ainda assim, a inflação, que ultrapassou a meta de quase 2% do BCE desde 2013, deve cair novamente no ano que vem e não se aproximará do objetivo do banco nos próximos anos, pois a recuperação da pandemia será prolongada.

Separadamente, o Eurostat disse que as vendas no varejo da zona do euro despencaram muito mais do que o esperado em novembro, quando os países da Europa começaram a reintroduzir restrições à pandemia. As quedas nas vendas foram mais profundas na Bélgica e na França, que impuseram as medidas mais duras no início.

As vendas no varejo na zona do euro caíram 6,1% no comparativo mensal para uma queda de 2,9% no comparativo anual. Na Bélgica, a queda mensal foi de 15,9% e na França de 18,0%. Economistas ouvidos pela Reuters esperavam que as vendas no varejo da zona do euro caíssem 3,4% no mês e subissem 0,8% no ano.

Veja também:
Indicador Antecedente de Emprego sobe para 85,7 pontos, mas ainda permanece lento
Momento B3: Confira os principais destaques corporativos desta quinta-feira (07/01/2021)

(Com informações da Reuters)

Deixe um comentário