Log Commercial (LOGG3): Lucro líquido de R$ 142 milhões em 2020, com alta de 52,8%

LinkedIn

A Log Commercial Properties reportou lucro líquido em 2020 de R$ 142 milhões, crescimento de 52,8% em relação ao resultado do ano anterior. A receita líquida cresceu 10,5%, para R$ 141,5 milhões.

Os resultados da Log Commercial (BOV:LOGG3) referente a suas operações do quarto trimestre de 2020 foram divulgados no dia 09/02/2021. Confira o Press Release completo!

⇒ Confira a agenda completa da divulgação dos resultados do 4T20 e referente ao ano de 2020. Confira a cobertura completa de todos os balanços referente ao ano de 2020 das empresas negociadas na B3.

O Ebitda (lucro antes de amortizações, juros, impostos e depreciações) em 2020 aumentou 39%, para R$ 251,5 milhões.

A despesa financeira líquida da Log teve queda de 60,5% em 2020, para R$ 15 milhões.

4T20

No quarto trimestre, houve queda de 9,4% do lucro líquido, para R$ 36,9 milhões, apesar do crescimento de 4,8% da receita líquida, para R$ 36,4 milhões.

O Ebitda, por sua vez, somou R$ 50,4 milhões, redução de 13,9%. A receita líquida, por fim, foi de R$ 36,35 milhões, resultado 4,8% maior que o do quarto trimestre do ano anterior.

No fim de dezembro, a Log registrou sua menor inadimplência do portfólio estabilizado, de 3%.

Em 2019, houve apreciação do portfólio da Log superior à do ano passado, em função da queda dos juros. Com isso, a variação do valor justo de propriedades para investimento caiu 15,6%, no quarto trimestre, para R$ 28,4 milhões. O resultado da participação em controladas passou do valor positivo de R$ 4,6 milhões para R$ 2,67 milhões negativos.

A companhia encerrou o ano com alavancagem medida por dívida líquida sobre patrimônio líquido de 1,8%.

A Log Commercial Properties caminha para ter recorde de locação de galpões no primeiro trimestre, com participação de operadores de “e-commerce” de 80%, considerando-se as operações já fechadas e negociações em andamento. Devido à demanda elevada por áreas, a Log está acelerando o ritmo de obras e estima que a atividade construtiva chegará, em 2021, ao seu maior patamar – 400 mil m2 de área bruta locável (ABL).

A companhia já anunciou que irá investir R$ 2 bilhões para ampliar seu portfólio de galpões do total de 1 milhão de m2 para 2,4 milhões de m2 de ABL até 2024. Para este ano, os aportes previstos superam R$ 500 milhões, ante o valor pouco abaixo de R$ 300 milhões em 2020.

Teleconferência

Segundo o presidente da Log, Sérgio Fischer, como alguns investimentos previstos estão sendo antecipados, a companhia poderá realizar, no segundo ou terceiro trimestre, a venda de fatias de ativos ao LOGCP Inter Fundo de Investimento Imobiliário e não no quarto trimestre, como fez nos dois últimos anos. É provável que o valor da venda supere os anteriores. Em 2019, a tranche dos ativos vendidos para o fundo foi de R$ 165 milhões e, em 2020, de R$ 90 milhões. A companhia avalia que possui R$ 1,4 bilhão de ativos maduros para execução dessa estratégia de reciclagem.

Se a Log considerar necessário, pode haver também financiamento adicional por meio de nova oferta de ações, mas não há nenhuma decisão tomada. Fischer citou que há possibilidade de a companhia lançar mão de um mix de capitalização, reciclagem de ativos para o fundo, captação de dívida, além da própria geração de caixa.

A Log atua em todas as regiões do Brasil, desenvolvendo empreendimentos em até 20 quilômetros dos grandes centros de consumo. Segundo Fischer, a demanda por galpões, neste trimestre, tem se concentrado fora do eixo Rio-São Paulo. “Temos obras em Porto Alegre e em Belém. Há demanda por áreas em Fortaleza, Recife e Salvador. Grandes operadores de ‘e-commerce’ estão tendo um crescimento mais robusto fora das regiões óbvias”, diz o executivo.

Segundo Fischer, em média, os preços de locação estão em alta desde o fim do terceiro trimestre, com variações regionais.

Fischer admitiu o impacto contábil no resultado. “Marcamos o valor dos nossos ativos no quarto trimestre, e isso acabou passando pela [Demonstração de Resultados do Exercício] DRE. Houve uma queda de taxa de juros, o que impactou o valor dos imóveis”, comenta.

Fischer conta que não tem medo da concorrência no setor, pois a Log já estava bem posicionada antes que o negócio de alugar balcões para o comércio eletrônico entrasse no radar dos empresários.

“Aumentar a área locada em um setor que se concentrou muito na região Sudeste é um trabalho para décadas de investimentos. A nossa concorrência atual são os galpões de baixa qualidade, de onde o varejista digital está fugindo em busca de maior qualidade”, conclui.

VISÃO DO MERCADO

XP Investimentos

Para Renan Manda e Lucas Hoon, analistas da XP Investimentos, o resultado foi sólido, impulsionado pelo forte desempenho do setor de logística em meio a crise da covid-19, principalmente após o crescimento do e-commerce.

“Na frente operacional, a Log conseguiu locar mais 125 mil m² no trimestre (absorção bruta) e atingiu uma baixa taxa de vacância de 3,0% (50 pontos-base abaixo do trimestre anterior). A inadimplência permaneceu baixa em 0,2% no quarto trimestre. Sobre sua carteira de clientes, a companhia continua com uma carteira de locatários diversificados setorialmente, mas também com alta exposição às empresas de e-commerce (11% dos locatários são dedicados exclusivamente ao e-commerce)”, defende a XP.

Levante 

De acordo com a Levante Ideias de Investimentos, a receita líquida e o Ebitda foram marginalmente inferiores ao consenso, porém o lucro líquido veio acima do esperado devido ao efeito da marcação à mercado sobre o valor justo das propriedades.

A Levante ressalta que, em comparação ao restante do setor, a Log apresentou margens operacionais saudáveis e robusta geração de caixa, medida pelo Lucro Líquido Caixa (FFO, na sigla em inglês).

“Os números trimestrais reafirmam o sólido modelo de negócios da Log CP e sua posição diferenciada no mercado logístico de galpões brasileiro. A companhia demonstrou habilidade para se aproveitar da expansão do e-commerce, que foi acelerada pela pandemia e o consequente isolamento social, e das deficiências da malha logística brasileira para acomodar essa mudança de paradigma de consumo”, avaliam os analistas.

Pensando em investir na Log Commercial ?

A LOG Commercial Properties atua na incorporação, construção, comercialização e gestão de Condomínios Logísticos.

A atuação da LOG se inicia na prospecção das localizações estratégicas, procurando potencializar o sucesso de seus empreendimentos industriais e comerciais. O trabalho prossegue com a incessante busca por valor agregado, inovação, sustentabilidade e métodos para redução de prazos e custos, com vistas em otimizar os resultados dos clientes.

→ A Log commercial possui R$ 3,39 bilhões de valor de mercado. Confira a Análise completa da empresa com informações exclusivas.

Composição Acionária

ACIONISTA AÇÕES ON PARTICIPAÇÃO
Família Menin 36.320.095 35.6%
Starwood 15.066.121 14.7%
Bradesco FIP Multisetorial 7.773.095 7.6%
Ações em Tesouraria 15.600 0.5%
Outros 42.984.243 42.1%
Total 102.159.154 100.0%

Desempenho da empresa na B3

No último ano, as ações da Log Commercial oscilaram entre a mínima de R$ 14,65 e a máxima de R$ 40,23. No último pregão antes da divulgação do resultado do 4T20, a empresa fechou em queda de 0,65%, negociada a R$ 33,67.

Confira o histórico da Log Commercial (LOGG3)

Período Abertura Máxima Mínima Preço Médio Vol Médio Variação Variação %
1 Semana 33,83 34,63 32,79 33,72 322.240 -0,61 -1,8%
1 Mês 33,85 35,20 32,75 33,79 269.516 -0,63 -1,86%
3 Meses 37,01 37,77 32,04 34,13 373.969 -3,79 -10,24%
6 Meses 39,00 39,03 27,52 33,26 445.029 -5,78 -14,82%
1 Ano 30,80 40,23 14,65 29,56 474.986 2,42 7,86%
3 Anos 16,00 40,23 13,08 26,63 393.084 17,22 107,63%
5 Anos 16,00 40,23 13,08 26,63 393.084 17,22 107,63%
* Com informações da ADVFN, RI das empresas, Valor, Infomoney, Estadão, Reuters

Deixe um comentário