O bloqueio do Canal de Suez está atrasando cerca de US$ 400 milhões por hora em mercadorias

LinkedIn

O navio de megacontêiner encalhado, Ever Given no Canal de Suez, está segurando cerca de US$ 400 milhões por hora no comércio, com base no valor aproximado de mercadorias que são transportadas através do Suez todos os dias, de acordo com dados de transporte e empresa de notícias Lloyd’s List.

O Lloyd’s avalia o tráfego no sentido oeste do canal em cerca de US$ 5,1 bilhões por dia, e o tráfego no sentido leste em cerca de US$ 4,5 bilhões por dia. O bloqueio está estressando ainda mais uma cadeia de suprimentos já tensa, disse Jon Gold, vice-presidente de cadeia de suprimentos e política alfandegária da Federação Nacional de Varejo.

“Cada dia que o navio permanece preso ao longo do canal adiciona atrasos aos fluxos normais de carga”, disse ele, acrescentando que os membros do grupo comercial estão trabalhando ativamente com as transportadoras para monitorar a situação e determinar as melhores estratégias de mitigação. “Muitas empresas continuam a lutar contra o congestionamento da cadeia de abastecimento e os atrasos decorrentes da pandemia. Não há dúvida de que os atrasos vão se espalhar pela cadeia de abastecimento e causar desafios adicionais”.

O Canal de Suez, que separa a África da Ásia, é uma das rotas comerciais mais movimentadas do mundo, com aproximadamente 12% do comércio global total passando por ele. As exportações de energia, como gás natural liquefeito, petróleo bruto e petróleo refinado, representam de 5% a 10% dos embarques globais. O resto do tráfego é em grande parte de produtos de consumo, desde fogueiras a roupas, móveis, manufatura, peças automotivas e equipamentos de ginástica.

Se o canal permanecer fechado, os navios serão desviados e contornarão o chifre da África, o que acrescenta mais sete a nove dias à viagem.

De acordo com a BIMCO, a maior das associações internacionais de navegação que representam os armadores, o gargalo só vai continuar a crescer e impactar o abastecimento.

“Todo mundo está fazendo planos de contingência enquanto conversamos”, disse Peter Sand, analista-chefe de navegação da BIMCO.

BIMCO

“As transportadoras executam um terço de suas cadeias comerciais na Ásia para a costa leste dos Estados Unidos via Suez e dois terços via Canal do Panamá”, disse Baer. “A interrupção também está afetando o comércio de importação da Índia e do Oriente Médio”.

Limpando o acúmulo

De acordo com o World Shipping Council, a capacidade diária de fluxo de navios do canal de Suez é de 106. Se o canal for fechado por dois dias, serão necessários mais dois dias após a reabertura para limpar o acúmulo. Quanto maior o atraso, mais tempo levará para mover os vasos.

Impacto de estoque

Além de atrasar milhares de contêineres carregados com itens de consumo, o navio encalhado também amarrou contêineres vazios, que são fundamentais para as exportações chinesas.

“Os contêineres já são escassos na China e o backup no Suez vai sobrecarregar ainda mais o estoque”, explicou Jon Monroe, consultor de comércio marítimo e logística da Jon Monroe Consulting. “Estamos de volta a um ambiente pré-Ano Novo Chinês, onde as fábricas estão funcionando a todo vapor e lutando para encontrar contêineres, bem como espaço para seus produtos acabados.”

Os fabricantes chineses estão respondendo aos enormes pedidos globais de seus produtos. Os bloqueios de pandemia alimentaram a demanda do consumidor no ano passado. Como resultado, um fluxo histórico contínuo de navios com milhões de contêineres está obstruindo os portos e retardando o processamento. Os atrasos têm custado caro.

A Nike, junto com os varejistas Crocs, Gap, Peloton, Footlocker, Five Below, William Sonoma, Steve Madden, Whirlpool, Urban Outfitters e Tesla, todos citaram problemas de cadeia de suprimentos que afetaram seus negócios neste trimestre.

Deixe um comentário