Petróleo fecha em queda à medida que as dúvidas sobre a demanda de combustível na China superam as vacinas

LinkedIn

Os preços do petróleo subiram nesta segunda-feira, com os temores de que o consumo de petróleo bruto chinês esteja diminuindo, ofuscando o otimismo crescente sobre as vacinas COVID-19 e um pacote de estímulo econômico dos EUA aumentando a demanda por combustível.

O petróleo Brent/maio fecha em queda de 1,13% na Ice, cotado a US$ 63,69;  WTI/abril cai 1,40%, a US$ 60,64 por barril na Nymex Ambos os contratos encerraram fevereiro com alta de 18%.

O crescimento da atividade fabril da China caiu para uma baixa de nove meses em fevereiro, soando alarmes sobre a compra de petróleo pela China e pressionando os preços do petróleo.

O apoio ao mercado veio do aumento das vacinações COVID-19, estimulando a atividade econômica, juntamente com um pacote de ajuda relacionado ao coronavírus de US$ 1,9 trilhão aprovado pela Câmara dos Representantes dos EUA no sábado.

Se aprovado pelo Senado, o pacote de estímulo custeará vacinas e suprimentos médicos, além de enviar uma nova rodada de ajuda financeira emergencial para famílias e pequenos negócios, que terá impacto direto na demanda de energia.

A aprovação do tiro COVID-19 da Johnson & Johnson também impulsionou as perspectivas econômicas.

Fora da China, alguns dados de manufatura foram positivos, ajudando a evitar que os preços caíssem. A atividade alemã atingiu seu nível mais alto em mais de três anos e a atividade fabril da zona do euro disparou, impulsionada pelo aumento da demanda.

A produção de petróleo da Opep caiu em fevereiro, com um corte voluntário da Arábia Saudita adicionado às reduções acordadas sob um pacto com aliados, revelou uma pesquisa da Reuters, encerrando uma série de sete aumentos mensais consecutivos.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, um grupo conhecido como OPEP+, se reúnem na quinta-feira e podem discutir a liberação de até 1,5 milhão de barris por dia de petróleo no mercado. Analistas do ING disseram que a OPEP + precisa evitar surpreender os comerciantes ao liberar muita oferta.

(Com informações da CNBC)

Deixe um comentário